Brasil não realizará ensaios clínicos com vacina russa Sputnik V

Reuters
Decisão não está vinculada ao pedido de autorização para uso emergencial do imunizante no Brasil. Processos são considerados separadamente, garantiu a Anvisa.

A farmacêutica União Química, que lançou a produção da vacina russa Sputnik V no Brasil, optou por não realizar ensaios clínicos do imunizante em território nacional. O anúncio foi feito na quinta (20) pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Inicialmente, a realização de ensaios clínicos no Brasil era condição obrigatória para garantir a autorização da vacina, mas o requisito foi posteriormente dispensado pela agência.

“A decisão se refere exclusivamente à realização de ensaios clínicos no Brasil e não está vinculada ao pedido de autorização de uso emergencial (...) porque esses processos são considerados separadamente”, lê-se no o comunicado da Anvisa.

Também nesta quinta soube-se que o primeiro lote comercial do imunizante russo havia sido envasado em uma fábrica da União Química em Guarulhos, na região metropolitana de São Paulo. Como a Sputnik V não pode ser usada no Brasil, as doses produzidas no país serão exportadas para outros países da América Latina.

LEIA TAMBÉM: Cientistas russos criam ratos fluorescentes para testar medicamentos e consequências da covid-19

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies