Vacina russa Sputnik V será produzida na Itália a partir de julho

Reuters
Foi assinado o primeiro contrato europeu para a produção local do imunizante russo. No entanto, a Sputnik V ainda aguarda aprovação da Agência Europeia de Medicamentos.

O Fundo Russo de Investimento Direto (RDIF) e a farmacêutica Adienne Pharma&Biotech assinaram um acordo para a produção da vacina russa Sputnik V em território italiano. Este é o primeiro contrato europeu para a produção local do imunizante, que deve começar a partir de julho. A notícia foi divulgada pela Câmara de Comércio Ítalo-Russa (CCIR).

Em um comunicado de imprensa, a CCIR informou que as negociações, apoiadas pela Embaixada da Itália em Moscou, começaram ainda em outubro de 2020. O acordo estratégico foi alcançado pela empresa italiana Adienne Srl, que faz parte da multinacional Adienne Pharma&Biotech, fundada e presidida por Antonio Francesco Di Naro. De acordo com as informações apuradas, a parceria permitirá a produção de 10 milhões de doses até o final do ano. A Itália assumirá o controle de todo o processo de produção, ao mesmo tempo criando novos empregos no país.

“O acordo entre a Rússia e a nossa empresa é o primeiro com um parceiro europeu”, disse o presidente da Câmara de Comércio Ítalo-Russa, Vincenzo Trani. “Um acordo histórico que mostra o estado de saúde das relações entre os dois países e mostra como as empresas italianas sabem enxergar além das controvérsias políticas. Esta parceria surge após muitos meses de diálogo, graças também ao inestimável apoio da Embaixada da Itália em Moscou”, acrescentou.

Ao longo dos últimos meses foram promovidos diversos encontros entre empresas italianas e europeias e contrapartes institucionais russas para verificar as oportunidades de cooperação para produção da vacina russa na Itália.

“O CCIR sempre promoveu o Made with Italy; neste caso, sendo uma câmara de comércio mista, promovemos o Made with Russia”, disse Trani. “Estou certo de que esta colaboração permitirá novos investimentos no setor farmacêutico italiano, com efeitos positivos em termos de emprego, em benefício de toda a indústria. No momento, a produção de uma vacina segura e disponível a todos é fundamental para tirar as empresas e economias de nossos países dessa situação de instabilidade. Fizemos um ‘revezamento’ sem bandeiras políticas.”

Nesse meio tempo, porém, espera-se a aprovação da vacina pela EMA, a Agência Europeia de Medicamentos. Assim que isso ocorrer, as doses produzidas serão inteiramente distribuídas por toda a Itália. Até então, a Sputnik V já foi aprovada em mais de 45 países ao redor do mundo.

LEIA TAMBÉM: É verdade que os estrangeiros ganham até sorvete para se vacinar na Rússia?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies