Tudo sobre o fuzil AK-105 criado para Forças Especiais da Rússia

Serguêi Veniavski/TASS
Com peso significativamente menor, este fuzil de assalto personalizado tem caraterísticas técnicas superiores às do AK-12 ou AK-105.

No início de outubro, as unidades especiais do FSB (Serviço Federal de Segurança da Rússia, órgão que substituiu a KGB) e do Ministério da Defesa revelaram o exclusivo fuzil AK-105, criado para operações especiais nas cidades e passível de ser personalizado para cada soldado.

Externamente, o fuzil, que também é conhecido como AK Alfa FSB, não tem nada em comum com o AK-12 ou AK-105 de calibre de 5,45x39mm, apesar de ser baseado neles.

A arma e todos os acessórios, que custam pelo menos US$ 4 mil, são fabricados pela empresa russa Zenitco com um tipo de alumínio altamente resistente usado em aeronaves. Segundo um agente do FSB que usa a arma e não quis ser identificado nesta reportagem, a coronha do novo fuzil pode quebrar um bloco de concreto.

Além disso, a coronha TT-3 é ajustável: pode ser dobrada, estendida ou escondida sob um colete à prova de balas ou roupas de inverno. Como as coronhas dos fuzis de precisão, ela também tem uma "bochecha" especial, ajustável, que permite apontar sem sobrecarregar o pescoço.

O AK Alfa FSB é equipado com trilhos Picatinny especiais, que seguram perfeitamente o ponto de mira após a instalação de qualquer tipo de miras, inclusive colimadoras, óticas, a laser etc.

O silenciador não abafa completamente o som de balas supersônicas de calibre de 5,45mm, mas aumenta a furtividade do atirador.

Todos os mecanismos do fuzil foram cuidadosamente projetados até o último detalhe. A alça de recarga lateral RP-1, por exemplo, permite trabalhar com ou sem luvas e não cortar as mãos no parafuso.

Segundo os desenvolvedores, o AK Alfa FSB mantém a principal qualidade dos fuzis de assalto Kalashnikov, ou seja, sua incrível confiabilidade e capacidade de cumprir funções sob chuva, neve e areia.

LEIA TAMBÉM: Rússia exportará novo veículo de combate de infantaria ‘Manul’

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies