‘Icebird’, o pássaro pré-histórico descoberto no gelo da Sibéria

Dussex et al., Communications Biology, 2020
Há 46 mil anos viveu um pássaro cujo corpo quase intacto foi encontrado recentemente por pesquisadores perto da vila de Bélaia Gora, na Iakútia (Sibéria), segundo a revista científica Nature.

Um pássaro de de 46 mil anos foi encontrado preso no permafrost russo pelo paleontologista Love Dalén, do Museu de História Natural da Suécia, que atualmente estuda um túnel de gelo com cerca de sete metros de profundidade na Sibéria.

Não oficialmente chamado de "icebird" (pássaro do gelo), ele foi identificado como sendo do sexo feminino e, mais tarde, como aparentado da cotovia costeira (Eremophila alpestris) e antepassado comum de duas espécies que hoje habitam a Rússia e a Mongólia.

Segundo os especialistas, este é o primeiro espécime encontrado na região de uma ave do Pleistoceno (era geológica que começou há 2,58 milhões de anos e terminou há 11.700 anos). É uma descoberta de importância considerável, assim como os numerosos animais que foram encontrados no gelo da Sibéria nos últimos anos, desde mamutes a canídeos.

“Esses restos são de grande interesse para a paleontologia, já que proporcionam uma melhor compreensão do impacto das mudanças climáticas nas espécies. Além disso, como esse tipo de canais congelados geralmente é muito bem preservado, ele permite o estudo de características morfológicas, assim como a ecologia e evolução de uma variedade de espécies animais extintas ou ainda existentes”, diz a publicação.

Essa espécie de cotovia se destaca por seu modo de vida em espaços abertos, como as estepes que cobriam as extensões da Sibéria, hoje dominadas por florestas de coníferas.

LEIA TAMBÉM: O que pode acontecer se o permafrost derreter?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies