A migração dos pássaros russos no inverno

A poupa-eurasiática deveria, ao que parece, viver na África. Mas não, ela também está presente na Eurásia. a população sudeste dessa espécie também não migra, nem voa para a Índia.

A poupa-eurasiática deveria, ao que parece, viver na África. Mas não, ela também está presente na Eurásia. a população sudeste dessa espécie também não migra, nem voa para a Índia.

Evguêni Polônski
Todo estudante russo sabe que os pássaros migram no inverno. Mas não é tão simples assim (e nem totalmente verdade): tudo depende das condições a que eles se adaptaram inicialmente.
Toda criança russa aprende na escola que os pássaros migram para o sul durante o inverno. Mas isso não é completamente verdade. Tudo depende das condições climáticas a que eles se adaptaram inicialmente. Na foto, um filhote de águia.
O Delta do Volga (todas essas fotografias foram clicadas na Oblast Átrakhan) abriga uma das mais importantes concentrações em massa de pássaros no continente Eurasiático durante as migrações sazonais. Muitas vezes, a reserva tem 283 espécies de pássaros. O volume da fauna aviária local consiste de aves aquáticas, como a "gaivota do Cáspio".
A maioria das garças também migra para o Mediterrâneo no inverno: quanto maior o número de tanques, mais vastos e mais ricos os bambus, gramados, juncos e outras plantas aquáticas e menor a população humana, mais comuns são as garças.
Em geral, a maioria dos pássaros da Rússia são migratórios: sabiás, patos, gansos, tentilhões, alaudas e escolopacídeos (como na foto). No inverno, nenhum desses pássaros consegue encontrar a forragem do seu habitat de verão.
As migrações aqui duram nove meses do ano - de março a novembro. O grou-demoiselle (Anthropoides virgo) migra para o Chade, o Sudão, a península Arábica, e a Índia.
O chasco é uma espécie comum na Rússia. Pode ser encontrado em todo lugar, exceto pelo Extremo Oriente. Os ninhos de chasco são frequentemente atacados por predadores - cobras e roedores que buscam ovos e filhotes.
O guarda-rios-comum difere de outros pássaros que geralmente residem na Rússia por sua cor: o brilhante azul turquesa de suas costas e cabeça. Ele passa o inverno no sul da Rússia, onde os rios não congelam totalmente, por exemplo, no Cáucaso do Norte.
Outro pássaro de cor nada comum é o abelharuco. O abelharuco-oliváceo (M. superciliosus persicus) migra para a África tropical e para o sul da África, onde outras 15 subespécies locais desses pássaros podem ser encontradas.
A Ásia é frequentemente uma escolha das aves de rapina também. O tartaranhão-rabilongo (população do Leste) passa o inverno na Índia, no Sri Lanka e na Birmânia.
A "águia das estepes do leste" migra do sul da Sibéria à Índia e ao sul da China.
As águias marinhas são como águias em geral (ambas pertencem à família dos gaviões), e entre os pássaros russos são menores apenas em relação aos abutres. Em latitudes medianas, os jovens voam para o sul no inverno, enquanto os velhos às vezes sobrevivem o período frio em formações de água descongeladas.
A oblast de Ástrakhan é um reduto de paz temporário a pássaros como o sisão (Tetrax tetrax), listado no Livro Vermelho. Ele faz ninhos ocasionalmente na fronteira norte da região, e no outono revoadas migratórias aparecem com até 100 pássaros.
A reserva tem um papel importante também na preservação da garça siberiana (Grus leucogeranus), espécie ameaçada e transitória. Nas últimas décadas, apenas de um a quatro desses pássaros foram avistados durante as migrações de primavera e de outono. No total, 27 espécies de pássaros listados no Livro Vermelho da Rússia se aninham na reserva natural de Ástrakhan.
A Rússia é, obviamente, o lar de uma grande variedade de pássaros não migratórios, como a perdiz cinzenta. Nas áreas de estepes do sul, as perdizes estão quase estabelecidas. Mas, no caso de haver neve pesada cobrindo seu alimento de inverno, até esses pássaros são forçados a migrar para a Ásia Central, o Cáucaso do Norte ou o sul da Ucrânia.