Bem-vindos a Khunzakh, uma aldeia à beira do precipício no Daguestão

@mukhtar_gadzhidadaev
Abaixo há um abismo, mas as pessoas assumem o risco e se instalam lá mesmo assim.

Este vilarejo no Daguestão, no sul da Rússia, foi construído na beirada de um planalto montanhoso.

Algumas das casas na área se equilibram no penhasco íngreme – e os proprietários de algumas delas constroem varandas que se projetam ainda mais sobre o precipício.

Abaixo, há um abismo com cerca de 100 metros de profundidade.

A vila de Khunzakh está localizada na República do Daguestão, a 140 km da capital Makhatchkalá, em um planalto montanhoso a 2.000 metros acima do nível do mar.

Os historiadores acreditam que o primeiro assentamento nesta região surgiu no século 6. d.C. Naquela época, a cidade era a capital de um antigo Estado cristão chamado Sarir.

A ascensão dos Estados muçulmanos na região levou à desintegração de Sarir no século 25. O islamismo surgiu como religião dominante na área que o Estado cristão costumava ocupar.

No século 13, Khunzakh tornou-se a capital do recém-formado Canato Avar.  Em 1864, o Império Russo conquistou o Canato Avar, integrando-o a seu território. Para repelir os ataques de montanheses locais e fortalecer sua posição na região, os russos construíram a fortaleza de Khunzakh.

A fortaleza de Khunzakh estava protegida de canhões por muralhas de quase um metro de espessura. Durante a Guerra Civil Russa, um regimento de cavalaria ficou estacionado ali. Mais tarde, o edifício foi usado como hospital, escola e até orfanato. Atualmente a fortaleza é considerada um objeto do patrimônio cultural da Rússia.

Ainda restam na aldeia muitos poços antigos decorados com pedra. Algumas das nascentes forneciam água à fortaleza de Khunzakh através de um sistema de canais.

A cachoeira de Tobot é considerada um dos locais mais bonitos de Khunzakh. No inverno, congela na forma de um pilar de gelo. Os moradores dizem que permanece oco por dentro, permitindo que a água flua livremente.

Também há uma estação de base jumping na beira do cânion. Além de vistas deslumbrantes e algumas peças de arquitetura antiga, é um dos poucos locais de entretenimento nesta pequena vila montanhosa – que é até difícil acreditar já ter sido capital de um antigo Estado. 

A vila está sujeita a ventos fortes por estar situada em um local elevado e plano em meio a montanhas. Os ventos locais geralmente atingem uma força de 17 a 20 metros/segundo.

Mais de 4.000 pessoas vivem hoje em dia em Khunzakh. O distrito homônimo de Khunzakh reúne 61 aldeias, com uma população total de cerca de 33.000 pessoas. 

LEIA TAMBÉM: Assim é o lago mais misterioso da remota região russa de Tchukotka

Para ficar por dentro das últimas publicações, inscreva-se em nosso canal no Telegram

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies