As ruas de pedra mais bonitas da Rússia (FOTOS)

Legion Media
Por que os paralelepípedos raramente são encontrados nas ruas da Rússia moderna? O asfalto é preferido, por questões práticas, mas o charme das pedras ainda permanece em várias cidades do país.

Na Rússia tsarista, era dever dos proprietários de terras e das comunidades rurais manter as ruas e estradas em boas condições. Vias não pavimentadas se transformaram, na primavera e no outono, em um atoleiro intransponível. A partir do final do século 17, as autoridades de Moscou começaram a pavimentar as ruas da cidade e logo seguiram as principais ruas de outras cidades. Por muitos anos, porém, as ruas da Rússia foram cobertas com uma variedade de materiais, sobretudo madeira, devido a sua abundância. Embora esse tipo de superfície não fosse muito durável, uma nova poderia ser colocada sobre a antiga.

Colocação de pedras nas ruas em Moscou, final do século 19

Como as estradas eram pavimentadas com paralelepípedos brutos, a superfície era bastante irregular. As carroças puxadas por cavalos trepidavam demais, tornando a viagem desconfortável para os passageiros.

Carroceiros em Moscou, final do século 19

Algumas ruas foram pavimentadas com material trabalhado, mas processar a pedra para produzir uma superfície uniforme era um processo trabalhoso e demorado.

Praça do Palácio, em São Petersburgo

Em meados do século 19, a Rússia começou seus primeiros experimentos com superfícies de asfalto. Mas foi só em 1873 que o engenheiro Ivan Buttats montou uma usina de produção de asfalto na cidade de Sizran, no Volga. 

Naquela época, no entanto, o asfalto era caro demais para uso em massa.

Em meados da década de 1920, mais de 90% de todas as vias do país permaneciam sem pavimentação. O primeiro programa abrangente de recapeamento de asfalto foi implementado pelos bolcheviques em Leningrado em 1924, após uma enchente que destruiu a maioria das ruas e estradas.

Pavimentação com blocos de madeira em São Petersburgo após a enchente de 1924

Depois disso, concreto e asfalto se tornaram os principais materiais de pavimentação, e muitas ruas de paralelepípedos da era tsarista foram asfaltadas.

Hoje, durante as obras de reforma, paralelepípedos antigos podem ser vistos sob as camadas de asfalto, por serem muito mais resistentes ao clima russo. As mudanças bruscas de temperatura fazem com que o asfalto rache e surjam buracos.

Recapeamento da Rua Petrovskaya, no centro de Taganrog

No entanto, algumas ruas de pedra resistiram ao tempo em muitas cidades:

  1. Praça Vermelha, Moscou

A área pavimentada com pedras mais famosa da capital russa é a Praça Vermelha. Até a década de 1920, era coberta de paralelepípedos, mas sob Stálin foram substituídas por pedras de diabásio, de origem vulcânica às margens do lago Onega e que é mais robusta do que o granito. Esta superfície foi removida e reinstalada sobre uma fundação de concreto.

  1. São Petersburgo

Quando Pedro, o Grande, estava construindo sua nova capital no início do século 18, ele introduziu um "imposto de pedra" e ordenou que todos os navios e carroças que chegassem à cidade trouxessem pedras para pavimentar as principais ruas locais.

  1. Viborg, região de Leningrado

Viborg, uma relíquia da Europa antiga, fica perto de São Petersburgo. 

A cidade foi fundada pelos suecos, e seu chão de paralelepípedos foi preservado quase inteiramente na parte histórica medieval ao redor do Castelo de Viborg.

  1. Kaliningrado

A antiga cidade alemã de Königsberg tornou-se parte da Rússia, ou melhor, da URSS, somente após a Segunda Guerra Mundial. Como em Viborg, alguns elementos da Europa antiga, incluindo ruas de pedra, sobreviveram.

  1. Suzdal, região de Vladimir

O centro histórico da cidade de contos de fadas de Suzdal está bem preservado, mas, infelizmente, o mesmo não pode ser dito das ruas (embora o chão de paralelepípedos ainda possa ser visto na praça principal). Além disso, recentemente, as ruas de pedras retornaram a outras ruas da cidade, adicionando um toque de Rússia antiga às vizinhanças.

  1. Izboursk, região de Pskov

A cidade de Izboursk, na fronteira ocidental da Rússia, é famosa por sua poderosa fortaleza do século 14, que resistiu a vários cercos dos Cavaleiros Teutônicos. 

No século 21, foram realizadas obras de escavação de uma rua de paralelepípedos do século 18 que leva aos portões do castelo.

  1. Tobolsk, região de Tiumên

No século 18, Tobolsk foi uma importante fortaleza para a abertura da Sibéria. 

A cidade abriga o único Kremlin de pedra que ainda existe nesta vasta região. A antiga estrada de paralelepípedos que leva até ele é espremida em ambos os lados por muros de contenção de pedra.

  1. Kazan, República do Tatarstão

No século 19, com o consentimento do tsar, o governador local começou a pavimentar as ruas da cidade (com outro imposto de pedra cobrado sobretudo na chegada de navios). Em 2019, um período de seca do Volga revelou um antigo caminho de paralelepípedos em uma de suas margens, que tinha ficado escondido sob a água por muitas décadas. 

O pavimento em torno do Kremlin de Kazan foi asfaltado na época soviética e restaurado apenas para o aniversário do milênio da cidade em 2005.

  1. Plios, região de Ivanovo

É raro encontrar chão de paralelepípedos em cidadezinhas do velho mundo. Esta aqui costumava ser ativa no comércio fluvial às margens do Volga, de modo que seria difícil transportar mercadorias por ruas íngremes ao longo de uma estrada de terra. Estradas de paralelepípedos foram preservadas em vários lugares, e os arqueólogos até encontraram restos de pavimentação do século 12.

  1. Krasnodar

A maioria das ruas de Krasnodar foi coberta com asfalto na época soviética, mas alguns raros exemplares de paralelepípedos sobreviveram, como na rua Górki, por onde passam os bondes. A seção para pedestres da Rua Vermelha também foi restaurada e repavimentada.

VEJA TAMBÉM: 10 edifícios com interiores deslumbrantes em São Petersburgo

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies