5 locais de mergulho para observar destroços naufragados na Rússia (se você não for impressionável!)

IL-2, Black Sea

IL-2, Black Sea

Getty Images
De navios de guerra imperiais a aviões da Segunda Guerra Mundial, as águas da Rússia guardam objetos cheios de histórias!

O mergulho em busca de destroços é uma tarefa bastante complexa por si só e, geralmente, exige que um mergulhador experiente para se aprofundar o suficiente e ter um vislumbre das melhores preciosidades escondidas.

Mas existe algo sobre essas reminiscências do passado que assombra a imaginação das pessoas. Também nas profundezas das águas russas há antigos e poderosos destroços de décadas, se não séculos, atrás.

Selecionamos aqui os cinco mais interessantes:

1. Encouraçado russo 'Imperatriz Catarina, a Grande' (Mar Negro)

Este foi o segundo de três “dreadnoughts” (um, tipo de navio de guerra predominante no início do século 20) construídos para a Marinha Imperial Russa, o 'Imperatriz Catarina, a Grande’, um dos destroços mais famosos do fundo do Mar Negro.

Concluído em 1915 e designado para a Frota do Mar Negro, ele só participou de uma batalha real uma vez, quando enfrentou um ex-cruzador de batalha otomano que tinha sido da Alemanha e que fugiu ao ser danificado pela artilharia russa.

Após a Revolução de 1917, o "Imperatriz Catarina, a Grande" foi renomeado como "Rússia Livre", mas sua vida em batalha não durou muito. Em 1918, ele foi evacuado para Novorossísk para evitar que fosse parar nas mãos dos alemães, que exigiam que os soviéticos lhes entregassem a embarcação, seguindo o Tratado de Brest-Litovsk. Mas os soviéticos preferiram afundá-lo a entregá-lo!

2. Base submarina / quartel 'Petchora' (Mar de Barents)

Um dos pontos de mergulho mais interessantes do mar de Barents é o local de naufrágio do “Petchora”, uma antiga base submarina alemã que se tornou parte da frota do norte da Rússia após a Segunda Guerra Mundial e serviu como quartel flutuante em seus últimos dias.

Após o término de seu uso, em 1977, ele foi inundado durante exercícios militares de comandos marítimos e, desde então, está entre 32 e 56 metros de profundidade. Foi preservado em boas condições e está rodeado por mais dois navios desconhecidos.

3. Navio 'Tsarevitch Aleksêi' (Mar Negro)

Outro ponto de mergulho no Mar Negro é o local de naufrágio do “Tsarevitch Aleksêi”, não muito longe da Península de Tarkhankut. Situada a 52 metros de profundidade, a embarcação está ali desde 1916, mas sua história não é clara.

Aparentemente, o “Tsarevitch Aleksêi” foi um navio de passageiros e carga de dois andares por dois anos e afundou após uma explosão.

Há quem diga que uma mina foi instalada por um cruzador turco-germânico durante a Primeira Guerra Mundial. Hoje, ele funciona como um destroço interessante, com muitos detalhes, artefatos históricos e acesso ao interior.

4. Quebra-gelo Pollux (Mar Báltico)

O Mar Báltico também é rico em locais de mergulho com destroços de naufrágios exclusivos. Um deles é o quebra-gelo Pollux, situado a 17 metros de profundidade, perto da cidade de Baltísk (antes chamada de Pillau).

Com 78 metros de comprimento e 19 de largura, o navio era de propriedade da Alemanha nazista. Mas não durou muito tempo: ele juntou-se ao exército no final de 1944, mas foi atingido por uma mina a caminho de Pillau (que poder ter sido implantada pelos soviéticos).

Hoje, só os mergulhadores podem ver a embarcação. Há até acesso a algumas de suas salas e mecanismos náuticos!

5. Aeronave de ataque ao solo Il-2 (Mar Negro)

Um dos mais famosos caças soviéticos de ataque ao solo pode ser encontrado no fundo do Mar Negro, perto da região de Anapa, a 18 metros de profundidade. Suas asas, cauda e até o cockpit e a cabine estão preservados em ótimas condições, o que é raro nessas águas. Segundo especialistas, o avião remonta à Segunda Guerra Mundial e seus dois pilotos morreram na queda.

LEIA TAMBÉM: Perdidos no mar: 3 histórias de barcos-fantasma

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies