Turismo no lago Baikal poderá ser limitado por razões ambientais, diz assessor de Putin

nubui/Visual Hunt [CC BY-NC-SA]
Aumento de turistas vem acompanhado de maior despejo de lixo e resíduos no lago. Acesso restrito já é aplicado em diversas outras áreas de preservação na Rússia.

O afluxo de visitantes no lago Baikal, uma das principais atrações da Sibéria, poderá ser restringido por questões ecológicas, anunciou Serguêi Ivanov, assessor especial do presidente para proteção à natureza, ecologia e transporte.

“Teremos que limitar artificialmente o fluxo de turistas para o Baikal, por mais triste que seja. Se quisermos preservar a singularidade e a pureza desse lago, devemos também fazer algo com fluxos de seres humanos. De fato, em outras áreas naturais protegidas, não deixamos as pessoas entrarem sem controle, sabemos como colocar as coisas em ordem, por isso devemos fazer o mesmo com os fluxos turísticos para o Baikal”, disse Ivanov, citado por veículos da imprensa russa.

LEIA TAMBÉM: Baikal, o lago mais profundo do mundo 

O equilíbrio natural do lago mais profundo do mundo é ameaçado pela crescente poluição. A chegada de milhares de turistas vem incentivando a proliferação de hotéis nas margens, sem qualquer infraestrutura de tratamento de água e resíduos.

No entanto, como o setor local de turismo emprega quase 100 mil pessoas, será necessário tomar medidas compensatórias para minimizar o impacto na vida dos trabalhadores que dependem de atividades ligadas ao lago.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies