Por que os tsares russos adoravam o lago Elton?

Stanislav Kaznov
As águas salgadas do lago no sul do país continuam valorizadas por suas propriedades medicinais. Lá é possível ver até os restos da ‘banheira de Ekaterina 2ª, com 250 anos de história.

Maior lago salgado da Europa e um dos maiores do mundo, o Elton está localizado no sul da Rússia, perto da fronteira com o Cazaquistão.

O nome do lago tem origem na língua cazaque: “Altyn-Nor” (Fundo de Ouro). Há muito tempo, os nômades dessa região usavam a lama do lago, rica em minerais, para tratamentos de pele e respiratórios.

Durante séculos, o lago Elton foi o local preferido dos governantes e nobres russos. Tanto que ainda é possível encontrar os restos da “banheira” de Ekaterina 2ª.

Hoje em dia, milhares de russos e turistas são atraídos anualmente para o lago devido a suas propriedades curativas.

VEJA TAMBÉM 10 contas de Instagram que exploram a verdadeira Rússia 

Acredita-se que a lama do lago Elton, junto com o ar salgado, trate doenças respiratórias e digestivas, problemas de pele, e auxilie no sistema nervoso.

Desde o século 16, o lago servia como uma das maiores fontes de sal da Rússia.

No entanto, no século 19, a extração foi interrompida: o sal do Elton era considerado amargo e tinha muitas impurezas. As pessoas se voltaram então para o vizinho ao sul, o lago Baskuntchak, onde o sal ainda é processado.

O lago tem poucos centímetros de profundidade, não sendo apropriado para o nado.

Qualquer coisa que caia em suas águas logo se transforma em uma escultura de sal branco, como se estivesse congelada.

No pico do verão, a água do Elton assume um tom avermelhado devido à presença de microalgas Dunaliella salina.

O lago Elton é ideal para passeios, mas os visitantes precisam usar sapatos com sola resistente, já que as formações afiadas de sal podem cortar a pele.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies