Priánik de Viázma: o pão de mel russo que deu o que falar (RECEITA)

Olga Bróvkina
Os franceses odiavam, enquanto os britânicos amavam... Qual será sua opinião sobre este doce?

Por muitos séculos, a cidade de Viázma (200 quilômetros a oeste de Moscou) foi famosa por seu pelo “Priánik de Viázma”, um pão de mel cuja história remonta ao século 17.

O “viazimek”, como os cidadãos de Viázma chamavam seu pão de mel, era considerado inigualável a outros doces no Império Russo. O mais amado poeta russo, Aleksandr Púchkin, escreveu de certa monta: “Moscou é tão famosa por suas noivas, como Viázma por seus ‘priániki’”.

O “priánik de Viázma” é menor que o lendário “priánik de Tula” em tamanho (tem 1/8 do tamanho do priánik de Tula), mas, em qualidade e preço, superava de longe seu principal concorrente.

Os recheios mais amados do “priánik de Viázma” doces eram mel, nozes, geleia de framboesa ou ameixa. Eles levam pelo menos que 10 especiarias diferentes. Os “priánik de Viázma” eram enfeitados com carimbos e cobertos com glacê.

Em tempos remotos, rezava a lenda que “o priánik de Viázma” era servido até à mesa da Rainha Elizabeth 1° da Inglaterra. Eles eram presenteados por Ivan, o Terrível, com quem ela se correspondeu por muitos anos.

Os franceses, no entanto, não gostavam do “priánik de Viázma”, e os residentes de Viázma contavam a uma piada de que, durante a apressada retirada de Napoleão da Rússia, em 1812, "o ‘priánik de Viázma’ lhe ficara preso nos dentes".

A Revolução Russa de 1917 trouxe grandes mudanças para a produção do “priánik de Viázma”. Todas as fábricas que produziram a guloseima foram fechadas e a receita tradicional se perdeu. Muitos anos se passaram até que as receitas fossem encontradas novamente, por acidente, em 1978. Elas foram adaptadas à cozinha moderna e a produção dos doces como suvenires foi restabelecida.

Por mais maravilhosos que sejam, os “priánik de Viázma” pode ser um desafio para fazer uma cozinha doméstica. Mas espero que você queira pelo menos tentar!

Ingredientes:

Para a massa:

480 g de farinha;

85 g de mel;

200 g de açúcar;

100 g de manteiga;

65 g de água;

1 ovo;

¼ colher de chá de bicarbonato de sódio;

Especiarias a gosto (canela, gengibre, noz-moscada, cardamomo, cravo).

Coloque o mel, o açúcar, a manteiga e a água na panela e leve ao fogo. Mexa sem parar para dissolver o açúcar e derreter completamente a manteiga. Aqueça a uma temperatura de 70 a 80 graus Celsius.

Desligue o fogo e adicione aos poucos metade da farinha e todas as especiarias. Misture tudo sem parar com uma colher e deixe descansar em temperatura ambiente.

Junte o ovo, o bicarbonato e o restante da farinha até a massa resfriar. Misture bem tudo até a farinha incorporar. No final a massa estará um pouco pegajosa, mas macio e mantendo a forma.

Forme duas bolas iguais com a massa, embrulhe cada uma em plástico e leve à geladeira por várias horas ou durante a noite. A massa precisará de tempo para a farinha hidratar.

Recheio:

300 g de geleia;

3 colheres de sopa de amido de milho.

Modo de preparo:

Coloque ambos os ingredientes na panela, misture bem com uma colher e leve ao fogo. Mexa sem parar até engrossar, mas não deixe a massa ferver.  Será preciso chegar aos 60 ou 70 graus Celsius para fazer o amido de milho funcionar.

Cubra o recheio com magipack, que deve tocar a superfície do recheio, e deixe esfriar na geladeira.

Pré-aqueça o forno a 250 graus Celsius. Coloque a massa sobre a mesa. Em seguida, prepare as formas. Como eu não tinha as de madeira tradicionais com desenhos, usei formas de plástico e um pincel para passar com óleo vegetal.

Pegue um pequeno pedaço de massa e coloque na forma. Em seguida, adicione uma colher de chá do recheio sobre ele e cubra com outro pedaço pequeno. 

Depois disso, pressione as bordas para selar. Remova cuidadosamente o “priánik” da forma e coloque na assadeira forrada com papel manteiga. Repita o procedimento com o “priánik” seguinte.

Asse os “priánik” por 5 a 7 minutos, depois abaixe a temperatura para 200 graus Celsius e asse mais 10 minutos. Os “priánik” estarão macios no momento em que você tirar do forno, mas depois de esfriar, endurecerão.

Para fazer o glacê será necessário 100 g de açúcar e 50 g de água. Coloque os ingredientes na panela e aqueça bem até que o açúcar se dissolva completamente. Pegue um pincel e cubra os “priánik” com o glacê assim que você os tirar do forno, deixando esfriar em seguida - o glacê também endurecerá.

Depois que os “priánik” caseiros endurecerem, estarão prontos para serem servidos com chá quente.

Priátnogo appetíta!

LEIA TAMBÉM: Tchak-tchak, o crocante tártaro que é símbolo de amor e família

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies