Beliachi, o lendário fast food soviético

Legion Media
Imagine a combinação mágica de massa aerada e recheio de carne suculenta com um toque picante de cebola. Eis a sua chance de aprender esse segredo culinário.

Se tiver a chance de provar um prato da culinária tártara e basquir, não pense duas vezes: beliachi, um tipo de massa frita e recheada com carne picada, e que possui um formato distinto – o orifício circular faz com que o recheio fique visível.

Há uma crença comum de que, muito tempo atrás, os cozinheiros russos não conseguiam dominar a técnica de fritura, mas os tártaros, sim.

Com o tempo, os russos aprenderam como fritar, e, hoje em dia, o beliachi é um dos quitutes mais populares do país. É possível encontrá-lo em quase qualquer quiosque ou café em estações de trem, ônibus ou metrô.

Em algum momento da vida, todo russo comeu alguns deles, recheados com carne moída, durante uma longa viagem de trem. É uma coisa nostálgica para aqueles que nasceram na URSS, quando os beliachi já eram o tipo de fast food mais popular.

Mas, para quem quiser experimentar o autêntico quitute, o ideal é prepará-lo conforme a receita caseira das bábuchkas. Em minha família, por exemplo, temos uma espécie de ritual de beliachi: todo verão, quando grande parte de nossa família e amigos se reúnem em nossa casa de verão, minha avó faz uma tonelada desses deliciosos salgados. Nós servimos beliachi com limonada gelada ou chá quente com limão e açúcar – que combinam perfeitamente com os quitutes de carne suculenta.

A receita parece ser bem fácil, mas existem alguns segredos para que o beliachi saia perfeito, incluindo uma técnica especial de fritura que garante suculência e leveza. 

Ingredientes para a massa:

500 g de farinha

500 ml de água

2 colheres de sopa de óleo de girassol

10g de fermento seco

1 colher de chá de açúcar

1 colher de chá de sal

Ingredientes para o recheio:

500 g de carne moída

2 cebolas pequenas

100 ml de água

Sal

Pimenta do reino moída

Óleo de girassol para fritar

Modo de preparo:

Para preparar a massa para beliachi, misture água morna, fermento seco e açúcar; deixe descansar por cerca de 10 minutos em uma tigela grande. Em seguida, adicione a farinha peneirada, sal e óleo, e sove a massa. Tenha cuidado com a quantidade de farinha: você pode precisar de mais ou menos do que a quantidade indicada dependendo da farinha. A massa adequada deve ser macia, elástica e ligeiramente pegajosa. Cubra com filme plástico e deixe em uma área quente por uma hora.

Enquanto a massa estiver crescendo, vá preparando o recheio. Pique as cebolas e misture-as com a carne moída. Eu costumo usar meia porção carne de porco e meia de carne bovina. Adicione sal e pimenta, água fria e misture todos os ingredientes.

Quando a massa aumentar consideravelmente, sove de novo e divida-a em pequenos pedaços redondos iguais. Deixe essas bolinhas crescerem por mais 20 minutos. Depois, polvilhe a superfície com farinha e comece a abrir a massa. Espalhe uma colher de sopa do recheio em cada pedaço, deixando uma sobrinha nas bordas.

O próximo passo é o mais importante – dar forma ao beliachi. Enrole as bordas deixando um pequeno orifício no centro para que o caldo não escape quando cozido.

Ao terminar esse processo, reserve os beliachi já prontos por cerca de meia hora, cobertos com um pano de prato.

Para fritar, use uma panela grande ou fritadeira com muito óleo de girassol (deve cobrir metade do recipiente). Aqueça o óleo e frite em fogo baixo ou médio. Comece a fritar com o lado que tem o orifício para baixo. Frite até dourar e depois vire.

Frite o segundo lado até notar o caldo de carne no orifício. Isso significa que o recheio está cozido e os beliachi estão prontos. Retire e coloque-os em um prato coberto com papel toalha para absorver o excesso de óleo. Saboreie os beliachi ainda quentes acompanhados de uma xícara chá de limão ou copo de limonada gelada.

Priátnogo appetita!

Quer experimentar mais quitutes da época soviética? Veja opções de restaurantes em Moscou e São Petersburgo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies