Parceiros na corda bamba da defesa

Apesar de potencial, aproximação entre países sofre influência de terceiros. Ilustração: Iorch

Apesar de potencial, aproximação entre países sofre influência de terceiros. Ilustração: Iorch

Não é de hoje que Moscou procura uma forma de se opor à aliança de defesa EUA-Japão na Ásia-Pacífico, enquanto reduz sua dependência da China como um cúmplice na região. A solução pode estar na melhoria das próprias relações com Tóquio.

Quando parecia que as relações entre Tóquio e Moscou estariam seguindo um rumo positivo, a Rússia anunciou, na sexta-feira passada (25), que planeja implantar até o final do ano sistemas de defesa antimíssil e drones militares nas Ilhas Curilas, região que tem sido o epicentro das tensões entre os dois países desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Resta aguardar agora os impactos da recente decisão.

Para a Rússia, porém, qualquer tentativa de desenvolver melhores relações com o Japão deveria ser vista como parte de sua “guinada para o Oriente”. Afinal, a estratégia russa não só busca aumentar a presença do país na região Ásia-Pacífico, mas também evitar que sua lista de parceiros na Ásia Oriental se limite à China.

Além de Japão e Rússia se depararem com a oportunidade de conduzir uma resposta coordenada à mais recente crise de segurança na Coreia do Norte, os dois países também têm procurado ampliar os seus laços econômicos e financeiros, que são particularmente importantes para o desenvolvimento do Extremo Oriente russo.

As tentativas de reaproximação entre a Rússia e o Japão são, no entanto, mais antigas do que os últimos acontecimentos na península coreana. Um ano antes da crise na Ucrânia, o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe visitou Moscou para discutir a cooperação Japão-Rússia em várias frentes.

Uma das principais razões que explica o desejo de Tóquio de amparar as relações Japão-Rússia é a prevenção de um possível desenvolvimento no eixo China-Rússia. Uma vez que a aliança EUA-Japão representa um dos principais pilares para segurança no nordeste asiático, a única alternativa mais plausível seria uma parceria reforçada entre China e Rússia.

Enquanto a contenção da China continua a ser o objetivo primário do aparato de defesa da aliança de japoneses e norte-americanos, a contenção estratégica da Rússia pelos Estados Unidos também é um fator importante nessa aliança, que compreende um flanco-chave da posição estratégica dos EUA na Ásia.

Portanto, uma vez que tanto o Japão como a Rússia buscam atingir um novo nível de aproximação e cooperação no cenário internacional, um fator importante na relação de defesa de Tóquio com Moscou é justamente a aliança de Tóquio com Washington. Em uma tentativa de manter a sua própria posição forte na região Ásia-Pacífico, os EUA pretendem limitar o potencial da influência militar russa na Ásia Oriental.

Nesse sentido, o atual estado das relações EUA-Japão pode ser descrito como um microcosmo da ordem internacional cêntrica ocidental, que vai contra as concepções russas de estabelecer um sistema global policêntrico das relações interestatais.

Se o governo de Tóquio acreditar que para os interesses japoneses seria melhor construir uma relação mais estreita com a defesa de Moscou, seus esforços podem ser neutralizados pelo compromisso já assumido com os Estados Unidos, exigindo, assim, uma manobra delicada e ágil por parte do Japão.

Anthony V. Rinna é um observador especializado em Rússia e Eurásia e atua no grupo de pesquisa acadêmica SinoNK.

Versão reduzida de texto originalmente publicado pelo Russia Direct

Russia Direct é um veículo de análise focado em política internacional. Seus serviços premium, como informes mensais ou os trimestrais “White Papers”, são gratuitos, mas estão disponíveis apenas para assinantes. Para obter mais informações, visite russia-direct.org/subscribe.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Leia mais