Por dentro das megafábricas russas: base submarina secreta

Estação em Balaclava, na Crimeia, foi construída durante pico da Guerra Fria entre a URSS e os EUA.
Balaclava é uma cidade resort situada a 10 km de Sevastopol, na Crimeia. É lá que está localizada a base submarina ultrassecreta 825 CTS.

Balaclava é uma cidade resort situada a 10 km de Sevastopol, na Crimeia. É lá que está localizada a base submarina ultrassecreta 825 CTS.

Para manter esse imenso local estratégico em segredo foi decidido chamá-lo de City Telephone Station número 825 – e foi assim que surgiu a abreviatura 825 CTS.

A construção da base submarina em Balaclava começou em 1957, quando a Guerra Fria entre a URSS e os EUA estava a pleno vapor.

A base, utilizada para manutenção e reparação de submarinos, está situada a uma grande profundida do solo. Tudo para protegê-la de uma eventual explosão nuclear, mesmo que uma bomba atômica de 100 quilotoneladas fosse lançada para atingir a sua superfície.

Não existia na Rússia local mais secreto do que a base de submarinos de Balaclava.

Quase 125 toneladas de terra foram extraídas durante a sua construção. O solo era removido apenas à noite, enquanto os moradores da cidade dormiam. Depois, a terra era colocada em barcaças e descarregada diretamente no mar.

A base consegue comportar confortavelmente sete submarinos ao mesmo tempo. Mas, em caso de extrema necessidade, suas docas podem abrigar até 14 submarinos.

Em 1957, Balaclava perdeu o estatuto de cidade e passou a fazer parte de Sevastopol.

Em 2003, a base para manutenção e reparação de submarinos foi aberta ao público.

Hoje, o espaço pode ser visitado por qualquer pessoa que quiser explorar esse poço de segredos da era soviética.

E, se quiser registrar a visita ao museu, não se preocupe: é permitido tirar fotos no 825 CTS.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais