Você sabia que existem ‘Cidades Heroicas’ na Rússia? (FOTOS)

Monumento Heróis da Batalha de Stalingrado, em Volgogrado

Monumento Heróis da Batalha de Stalingrado, em Volgogrado

Legion Media
Na época da União Soviética, a honra de receber o título de ‘Herói’ não era concedida apenas a pessoas, mas também a cidades inteiras.

O título de ‘Cidade Heroica’ foi dado a 12 cidades da União Soviética, pelo heroísmo e bravura de seus defensores e valor demonstrado na luta contra os nazistas e seus aliados no decorrer da Segunda Guerra Mundial. Nove delas se encontram no território da atual Federação Russa, duas na Ucrânia e uma na Bielorrússia. Lá, inclusive, também encontra-se a Fortaleza de Brest, que recebeu um título único - o de ‘Fortaleza Heroica’.

Smolensk

Muralha da Fortaleza de Smolensk

Em meados de julho de 1941, o Grupo de Exércitos Centro do Exército Alemão invadiu Smolensk, conhecida desde tempos imemoriais como ‘o escudo ocidental’ do Estado russo, e capturou a maior parte da cidade. Três exércitos soviéticos se viram simultaneamente no caldeirão, em uma resistência feroz contra os nazistas.

Batalhas sangrentas tomaram todas as ruas e edifícios. Partes da cidade mudaram de mãos várias vezes, e as perdas em algumas unidades chegaram a metade do contingente. No início de agosto, o Exército soviético finalmente deixou Smolensk e, com perdas pesadas, rompeu o cerco. No entanto, o inimigo já estava esgotado e perdeu um tempo precioso e tão necessário para a execução da ofensiva contra Moscou antes da chegada do frio.

Murmansk

Monumento Defensores do Ártico Soviético durante a Grande Guerra Patriótica

Localizada a apenas algumas centenas de quilômetros da fronteira com a Finlândia, a grande cidade portuária de Murmansk foi encarada pela Wehrmacht como uma presa fácil. No entanto, a defesa bem organizada do Exército Vermelho e as operações bem-sucedidas da Frota do Norte (incluindo o desembarque na baía de Západnaia Litsa em julho e agosto de 1941) sabotaram a ofensiva das tropas alemãs e finlandesas.

Diante da derrota, o inimigo submeteu Murmansk a bombardeios massivos. Em termos de quantidade e densidade dos ataques, foi a segunda cidade mais bombardeada pelos nazistas depois de Stalingrado. Em outubro de 1944, durante a Operação Petsamo-Kirkenes, o Exército Vermelho enfim repeliu a Wehrmacht da cidade.

São Petersburgo (então Leningrado)

Praça da Vitória em São Petersburgo

Em 8 de setembro de 1941, a segunda maior cidade da União Soviética foi completamente bloqueada por terra pelas tropas do Grupo de Exércitos Norte e seus aliados finlandeses. A única artéria que conectava Leningrado ao exterior era o canal através do lago Ladoga.

Durante 872 dias de cerco, Leningrado teve que sobreviver a ataques de aviação, bombardeios de artilharia e fome, que ceifou a vida de mais de 600 mil habitantes. No entanto, transformada em uma poderosa fortaleza, a cidade resistiu até o levantamento total do cerco em 27 de janeiro de 1944.

Moscou

Parque Pobedi (da Vitória), em Moscou

Em 30 de setembro de 1941, as tropas do Grupo de Exércitos Centro iniciaram a Operação Tufão para capturar Moscou. A queda do mais importante centro político e do maior centro de transporte do país teria consequências desastrosas para a União Soviética.

A capital era defendida tanto por unidades regulares do Exército Vermelho quanto pela população civil, empregada na construção de fortificações nos arredores da cidade. Depois de cansar os alemães em batalhas ferozes e esperar reforços da Sibéria e do Extremo Oriente, as tropas soviéticas lançaram uma contraofensiva em grande escala em 5 de dezembro. O inimigo atordoado, embora confiante em uma vitória rápida, foi rechaçado de Moscou a uma distância de 100 a 250 km.

Sevastopol

Monumento Soldado e Marinheiro, em Sevastopol

Em outubro de 1941, teve início a defesa da base principal da Frota Soviética do Mar Negro, Sevastopol, que durou 250 dias. Isolada das forças principais, a cidade manteve-se firme sob a esmagadora superioridade do inimigo no ar e no mar.

Os defensores conseguiram repelir dois assaltos, mas após a terceira tentativa ficou claro que as exauridas tropas soviéticas não seriam capazes de segurar a cidade. Em julho de 1942, Sevastopol foi tomada, e o Exército Vermelho só conseguiu libertá-la em maio de 1944.

Tula

Complexo Memorial aos Defensores da Pátria

Localizada ao sul de Moscou, Tula, junto com a capital, viveu seus dias mais difíceis de outubro a novembro de 1941, no auge da Operação Tufão. A cidade estava a um passo de ser completamente cercada pelo inimigo, mas, graças à teimosa resistência das forças soviéticas e seus constantes contra-ataques, foi capaz de evitar esse destino amargo.

A defesa bem-sucedida de Tula imobilizou parte das forças alemãs e impediu o 2º Grupo Panzer de Heinz Guderian de invadir Moscou pelo sul. Em 6 de dezembro de 1941, um dia depois de seus companheiros de armas perto da capital, as tropas soviéticas em Tula lançaram uma grande contraofensiva e expulsaram os alemães a 130 quilômetros da cidade.

Kertch

Obelisco da Glória no Monte Mitrídates

Esta antiga cidade na parte oriental da península da Crimeia foi palco de batalhas ferozes diversas vezes durante a Segunda Guerra Mundial. Em novembro de 1941, Kertch foi capturada pelo 11º Exército de Erich von Manstein, mas em 30 de dezembro, o desembarque soviético na península conseguiu retomá-la. Em maio de 1942, a cidade caiu sob ocupação nazista novamente e assim permaneceu até 11 de abril de 1944.

No decorrer das batalhas, Kertch foi quase completamente destruída. O escritor e correspondente de guerra Piotr Pavlenko, que visitou a cidade em 1942, relembrou: “Quando eu vi Stalingrado, não me chocou, porque eu já tinha visitado Kertch antes”.

Novorossisk

Memorial Terra Menor

Em setembro de 1942, uma luta violenta eclodiu pelo porto soviético mais importante no Mar Negro, Novorossiisk. Depois de sofrer grandes perdas, os alemães não conseguiram capturar a cidade inteira, deixando a parte sudeste sob o controle das tropas soviéticas.

No inverno de 1943, foram feitas as primeiras tentativas sérias para libertar Novorossisk. Em 4 de fevereiro, as forças soviéticas, sob o comando do major Tsezar Kunikov, desembarcaram na parte sul da cidade. Elas conseguiram tomar uma cabeça de ponte (área) de 30 quilômetros quadrados e mantê-la por 225 dias. Foi a partir desta Terra Menor (como este pequeno pedaço de terra ficou conhecido mais tarde) que um dos três grupos de tropas soviéticas avançou, libertando a cidade por completo em 16 de setembro de 1943.

Volgogrado (então Stalingrado)

Monumento Heróis da Batalha de Stalingrado, em Volgogrado

O primeiro estágio - de defesa - da Batalha de Stalingrado foi extremamente difícil para as forças soviéticas. Durante os embates ferozes, elas perderam grande parte da cidade destruída e recuaram para o Volga, em cujas margens lutaram com suas últimas forças.

Aproveitando o fato de que os alemães estavam embrenhados na guerra urbana, o Exército Vermelho lançou uma contraofensiva massiva em 19 de novembro de 1942, que resultou no cerco e destruição do 6º Exército da Wehrmacht. Nunca antes o Terceiro Reich havia experimentado tamanha catástrofe. Foi com a Batalha de Stalingrado que uma reviravolta radical na guerra começou na Frente Oriental.

LEIA TAMBÉM: As 5 vitórias mais importantes do Exército Vermelho na Segunda Guerra

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies