10 fatos CURIOSOS sobre esportes na URSS

Esportistas soviéticos na década de 1950

Esportistas soviéticos na década de 1950

Lev Borodúlin/MAMM/MDF
Como foi o passado esportivo da Rússia? O Russia Beyond reuniu alguns eventos e fatos curiosos e interessantes sobre o assunto. Dos primeiros Jogos Olímpicos à histórica partida de futebol disputada na Praça Vermelha sob o olhar atento de Stálin.

1. Bandeira comunista na Europa

Jogadores de futebol soviéticos em Paris, 1926. Artemiev segura a bandeira soviética

O simbolismo e os hinos dos países socialistas não eram bem-vindos em competições internacionais na Europa: a bandeira vermelha da URSS, por exemplo, era proibida, assim como  o hino nacional da União Soviética. Mas os jogadores de futebol soviéticos encontraram uma forma de driblar a situação durante a turnê internacional de 1932 pelo Báltico, Escandinávia e Alemanha. Primeiro, o capitão Piotr Artemiev passou pela alfândega com a bandeira enrolada no corpo. Quando chegou a hora de jogar, o time soviético entrou em campo carregando o grande pano vermelho desdobrado.

2. Primeira reportagem esportiva de rádio na URSS

Vadim Siniavski

A rádio soviética cresceu paralelamente aos esportes. Em 26 de maio de 1929, a partida de futebol entre a Ucrânia e a seleção de Moscou foi pela primeira vez na história do país comentada na rádio por Vadim Siniavski, de 22 anos, que viria a se tornar um lendário comentarista e um dos primeiros jornalistas esportivos da URSS. Curiosamente, um de seus principais dons era realizar um arremesso perfeito e antes do emprego na rádio, ele também trabalhou como pianista de salão em cinemas de Moscou.

3. Partida histórica na Praça Vermelha

Partida na Praça Vermelha

Em 1936, a famosa Praça Vermelha sediou uma partida de futebol. E o principal espectador na plateia foi ninguém menos que o próprio Ióssif Stálin, que era grande fã do esporte. O jogo foi programado como o evento final de um desfile de educação física em grande escala. Na partida enfrentaram-se os jogadores principais e reservas do Spartak de Moscou.

LEIA MAIS: Por que os soviéticos estenderam um tapete de 9.000 metros quadrados sobre a Praça Vermelha

Para que o jogo acontecesse, um tapete enorme - que media impressionantes 9.000 metros quadrados - foi estendido por toda a praça. Cerca de 3.000 pessoas trabalharam nos preparativos. O jogo, porém, não teve surpresas, pois já estava tudo combinado. Pelo menos o líder soviético teve a chance de conferir todos os cenários de gols concebíveis em campo.

4. Normas 'GTO' como padrão de atleta

Pôster para promover GTO

Em 1932, o país desenvolveu um padrão de aptidão física como parte de um projeto de grande escala, o chamado ‘GTO’ - Gotov k Trudu i Oborone (“Pronto para o Trabalho e a Defesa”, em tradução livre). A ideia era que todo cidadão soviético deveria ser um bom corredor, saltador, atirador, lançador, nadador e apresentar um recorde expressivo de puxada na barra fixa. Eles seriam julgados de acordo com as normas estabelecidas por esses padrões GTO, e o sucesso era recompensado na forma de um distintivo. Cabe lembrar que tais normas existiram até a dissolução da URSS.

5. Vaso como prêmio de campeonato

Prêmio do campeonato nacional de futebol feito com vaso

Por muito tempo, a liderança soviética foi contra a recompensa de seus atletas. Acreditava-se que medalhas e prêmios eram símbolos do Ocidente burguês e nunca ganhariam popularidade em um país socialista. Com o tempo, as coisas mudaram. O prêmio principal para a vitória no campeonato nacional de futebol foi projetado pelo presidente do Conselho de Futebol, Aleksêi Sokolov. Na década de 1930, ele adquiriu um vaso talhado em uma loja de antiguidades em Moscou. Em seguida, o objeto recebeu um pedestal e o brasão da URSS. Sobre ele, havia a figura de um jogador de futebol empoleirada.

6. O destino dos irmãos Starostin

Membros do FC Spartak em desfile de atletas, 1937

Na primavera de 1942, o NKVD prendeu a lenda e símbolo vivo do Spartak, Mestre do Esporte, Nikolai Starostin. Mais tarde, seus três irmãos também foram levados para Lubianka (quartel-general da inteligência soviética, a KGB e, posteriormente, do FSB). Eles também eram jogadores do Spartak. A investigação prosseguiu por mais de um ano e meio, com os quatro irmãos acusados ​​da tentativa de assassinato de Ióssif Stálin, que supostamente tinha sido planejada para um grande desfile em 1937. Depois, as acusações foram alteradas por “vangloriar um esporte burguês e tentativas de contagiá-lo com valores burgueses”. Alegou-se que um carro, feito para se parecer com uma chuteira, tinha se aproximado a menos de 10 metros do Mausoléu, o que supostamente daria aos Starostins a oportunidade de cometer um ato de terrorismo. Os irmãos foram acusados ​​e condenados a dez anos de prisão em campos de trabalhos forçados diferentes para evitar que tivessem contato entre si.

7. Atletas durante a Segunda Guerra Mundial

No clube de campo do Dínamo, nos arredores de Moscou, em agosto de 1941

Moscou foi um dos últimos lugares da Europa a sediar um campeonato de futebol em tempos de guerra. Enquanto os soldados já entravam em confronto com o inimigo no campo de batalha, as partidas de futebol continuavam como de costume. No quinto dia de guerra, foi formada a Brigada de Rifle Motorizada de Finalidade Especial do NKVD (OMSBON), incluindo todos os tipos de atletas - de levantadores a esquiadores, boxeadores e nadadores. Sua principal tarefa era conduzir missões de sabotagem atrás das linhas inimigas.

8. FC Dínamo no Reino Unido

FC Dínamo antes de jogo conta o clube inglês Chelsea, 1945

Depois da guerra, no outono de 1945, o clube de futebol soviético Dínamo foi enviado para uma série de jogos na Grã-Bretanha. A Iniciativa foi oficialmente apresentada como apoio aos Aliados durante o difícil período do pós-guerra, ao mesmo tempo em que demonstrava conquistas no esporte. No entanto, a delegação soviética apresentou uma lista de exigências sobre como as partidas amistosas deveriam ocorrer: os jogos seriam disputados apenas contra clubes ingleses; não mais de uma vez por semana (aos sábados); não poderia haver nenhum tipo de entretenimento que não fosse relevante para o futebol; haveria aquecimento e treino antes de cada jogo (os britânicos consideraram isto particularmente estranho). Os jogadores de futebol soviéticos jogaram quatro partidas, com duas vitórias e dois empates.

9. Líder mundial de xadrez

Torneio de xadrez URSS-EUA, 1948

Em 1948, Mikhail Botvinnik ganhou um campeonato em Haage e Moscou, tornando-se campeão mundial de xadrez. Após a vitória, o jogo foi transformado em esporte nacional pelo governo, e a escola de xadrez soviética assumiu posições de liderança em todo o mundo nas décadas seguintes: amadores e profissionais adoravam dissecar as táticas e jogos de seus ídolos do xadrez - Botvinnik, Tal, Petrosian, Spasski e mais tarde - Karpov e Kasparov.

10. Joia da coroa dos estádios soviéticos

No estádio do Dínamo, 1937

Um dos primeiros - e maiores - estádios do país foi o do Dínamo. Foi a primeira experiência bem-sucedida de trabalhar com concreto armado em grande escala: o estádio tinha capacidade para 25.000 espectadores. Acabou sendo construído em tempo recorde, em pouco mais de um ano. No verão de 1928, o espaço já recebia o Spartakiada (análogo soviético dos Jogos Olímpicos). A obra foi fruto da imaginação dos projetistas Dmítri Iofan e Moisei Ginsburg. No entanto, no final, o projeto foi alterado e reestruturado por Arkádi Langman e Lazar Cherikover. 

O Russia Beyond agradece ao projeto de documentário de cinema on-line KION 'Esporte XX Veka’ pela assistência na preparação de material para esta reportagem.

LEIA TAMBÉM: Como prisioneiros de campos de concentração nazistas se tornaram campeões olímpicos

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies