Império Russo deve até fundação de São Petersburgo à Holanda (e muito mais)

Pedro 1°. Pintura de Valentín Aleksándrovitch Seróv., 1907.

Pedro 1°. Pintura de Valentín Aleksándrovitch Seróv., 1907.

Alexey Bushkin/Sputnik
Desde a criação da Marinha russa a inúmeros empréstimos, passando pela fundação daquela que foi a capital do país, São Petersburgo, a enorme Rússia aprendeu muito com o pequeno país às margens do Mar do Norte.

No início de agosto de 1697, um jovem tsar vestido de maneira simples para não ser reconhecido chegou à cidade holandesa de Zaandam. Ele bateu na porta de um ferreiro holandês, pedindo um espaço para alugar.

Sob a falsa identidade de Piotr Mikháilov, ele queria ficar incógnito, mas a enorme comissão que o acompanhava dificultava demais. O tsar estava em uma missão importante, afinal de contas, ela acabaria definindo o futuro de todo o Império Russo.

Foi ali, na República Holandesa, que realmente começou a jornada do tsar Pedro, o Grande, e a “Grande Embaixada” (como ficou conhecida sua missão diplomática à Europa Ocidental).

A Rússia estava atrasada em relação ao resto da Europa em termos de progresso e inovação. Cansada das estranhas tradições de seus conterrâneos, Pedro sentiu a necessidade de abrir as portas para a sociedade ocidental.

Seu objetivo era, assim, levar a Rússia a uma era de iluminação, para finalmente modernizar e ocidentalizar o país. Suas reformas foram a base do sistema estatal russo durante toda uma era, até 1917.

Carpinteiro, o Grande

Monumento a Pedro, o Grande, construtor naval. Localizado em São Petersburgo.

Uma marinha capaz era parte dos esforços de modernização de Pedro e uma necessidade absoluta. A marinha russa então praticamente inexistia e o conhecimento sobre construção naval era, portanto, bastante limitado.

A Holanda era uma nação marítima bem estabelecida, o que foi motivo suficiente para que o jovem Pedro e sua comitiva fizessem uma visita educacional muito necessária aos Países Baixos.

Pedro era um tsar imensamente curioso. Ele queria experimentar e observar o cotidiano da Europa por si só. Assim, ele alugou uma pequena casa de madeira e construiu uma bânia no jardim (Pedro queria passar um bom tempo ali, e considerava a bânia simplesmente necessária para tanto).

A casa em que o tsar Pedro residiu durante sua estadia de oito dias em Zaandam ainda existe. Para preservá-la, o rei holandês Willem a comprou em 1818 de presente para a nora, Anna Pávlovna, irmã do tsar Aleksandr 1°.

Uma estrutura especial foi construída em torno da casa para protegê-la. A casa é, atualmente, uma das estruturas de madeira mais antigas de toda a Holanda e está aberta aos visitantes diariamente.

Casa de Pedro, o Grande em Zaandam.

Na manhã seguinte, Pedro começou a trabalhar como carpinteiro em um estaleiro de Zaandam. Mas ele passaria pouco tempo trabalhando ali, já que era facilmente reconhecível para a nobreza.

Não é preciso dizer que as notícias da visita do tsar Pedro se espalharam rapidamente pelo país. Centenas de pessoas iam às rua, em busca de ver, nem que de relance, o peculiar visitante vindo do leste.

Como as autoridades locais também foram informadas, elas convidaram Pedro para assistir ao lançamento de um novo navio. O tsar aceitou cordialmente o convite. Dizem, no entanto, que quando Pedro abriu a porta e viu a enorme multidão esperando do lado de fora, ele voltou atrás e bateu a porta para não ter que enfrentar aquilo.

Tendo passado tempo o suficiente em Zaandam, ele partiu para Amsterdã. O prefeito da capital holandesa recebeu o visitante real e organizou um novo local de trabalho no estaleiro cercado da Companhia das Índias Orientais Holandesas. Assim, o tsar-carpinteiro arregaçou as mangas novamente e foi pegar no batente.

Pedro e seus acompanhantes ficaram 4 meses em Amsterdã. Ele se dedicava principalmente a exercer o ofício da construção naval, mas também estava interessado em outras novidades que Amsterdã tinha a oferecer.

Assim, ele se dedicou à arte da jardinagem e à impressão de livros. Além disso, suas habilidades com o machado também se mostrariam altamente eficazes para algo completamente diferente...

Fã de tortura

“Pedro, o Grande, interroga seu filho Aleksêi”. Pintura de 1871 de Nikolai Gue.

Durante sua visita a Amsterdã, Pedro pediu à administração da cidade que o convidasse para todas as torturas e decapitações que acontecessem na capital. Ele estava fascinado por esses eventos e se tornou um grande fã da tortura. Ele chegou até mesmo a ordenr que seu próprio filho, Aleksêi, fosse torturado até a morte por tentar desertar para a Europa em troca de segredos militares russos.

Apesar de o tsar Pedro não gostar muito do uso holandês de técnicas de construção fora de moda, ele convidou centenas de construtores navais a trabalhar na Rússia. Como a construção naval era uma arte inteiramente nova na Rússia – diferente da tortura -, a maioria dos termos náuticos sequer existia em russo.

O tsar Pedro ficou conhecido por mudar isso e adicionar muitas novas palavras ao dicionário. Sem passar realmente por uma russificação, palavras como “vimpel” (proveniente da palavra holandesa “wimpel”, que significa “galhardete”) e “chturman” (do holandês, “stuurman”, “colega de bordo”) são usadas até os dias atuais.

Mas a Holanda não foi a última parada de Pedro na Europa. A convite do inglês William 3°, que também foi titular das Províncias Unidas, a “Grande Embaixada” russa visitou a Inglaterra. Ele passou três meses ali, boa parte dos quais esteve nas docas reais de Deptford, onde observou e passou a dominar a renomada abordagem matemática inglesa para a construção naval.

Pedro também visitou arsenais reais, oficinas, museus, lojas de curiosidades e teatros anatômicos. Ele esteve no Parlamento e na Universidade de Oxford, no Observatório de Greenwich e na Casa da Moeda Real, na Torre de Londres.

A única coisa que faltou em seu roteiro foram galerias. Pedro não entendia de arte. Assim, ele ignorou a magnífica galeria do Palácio de Kensington, mas ficou impressionado com um cata-vento que William 3° lhe mostrou.

De volta à Rússia

Depois de visitar diversos países estrangeiros, entre eles, a França e a Áustria, a “Grande Embaixada” de Pedro foi interrompida em 1698. Os regimentos de streltsi na Rússia não estavam gostando dos esforços para ocidentalizar o país empreendidos por Pedro e iniciaram uma revolta.

As habilidades de Pedro no machado, dominadas na Holanda, foram bem utilizadas aqui: ele mesmo decapitou diversos revoltosos.

O tsar Pedro passou bons tempos na República Holandesa e aproveitou para exigir um novo porto em casa para aprimorar o comércio marítimo entre a Europa e a Rússia. O principal porto na época era o de Arkhânguelsk, mas ele ficava frequentemente congelado devido a sua localização, no norte. Assim, o tsar Pedro ordenou a construção de uma nova capital, em 27 de maio de 1703.

Foi assim que nasceu a “Janela para o Ocidente” de Pedro, a Veneza do Norte russo: São Petersburgo. Devido a sua obsessão pela Europa, Pedro ordenou que a cidade fosse projetada assim como a capital holandesa, Amsterdã, o que resultou nos muitos canais e pontes da então capital russa.

Seu novo estaleiro “Almirantado” foi composto por construtores navais holandeses e ingleses renomados.

Tudo em São Petersburgo foi cuidadosamente planejado e projetado com a ajuda de inúmeros arquitetos estrangeiros, muitos deles holandeses. Quase todos os prédios da cidade tinham o estilo Barroco Petrino, uma mistura do estilo Narichkin russo e outros estilos barrocos europeus, principalmente o holandês.

Mas a construção de São Petersburgo levou décadas. Os famosos passeios de granito foram construídos quase 200 anos depois e, assim, os canais da época eram praticamente valas enlameadas.

O interesse de Pedro pelo corpo humano, que nasceu após uma visita à Universidade de Leiden, acabou levando à criação do primeiro museu da Rússia, o Kunstkamera.

Um decreto de Pedro ordenava que tudo o que ele considerasse especial fosse transportado para São Petersburgo.

O museu funciona até os dias atuais e ainda tem a coleção original de Pedro, além de obras adicionais que foram acrescentadas ao longo dos anos, que totalizam quase 2 milhões de itens.

O primeiro museus da Rússia, Kunstkamera, em São Petersburgo.

Os canais da Amsterdã do Oriente deveriam facilitar o transporte de mercadorias e pessoas, mas acabaram representando uma grande ameaça para a vida cotidiana de seus cidadãos.

Isto porque, durante as tempestades, a cidade ficava fortemente sujeita a inundações. Desde sua fundação, em 1703, mais de 300 inundações foram registradas ali. A pior delas ocorreu em 1824, quando o nível da água subiu quatro metros, deixando a cidade destruída e com milhares de baixas.

LEIA TAMBÉM: 4 governantes e herdeiros russos e suas doenças

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies