Como a Armênia passou a fazer parte do Império Russo?

Arman Militosyan (CC BY-SA 4.0); Barbe Igor (CC BY-SA 3.0)
No início do século 19, o Império Russo ajudou a Armênia a resistir à ameaça da Pérsia (Irã) e do Império Otomano, convidando os armênios a integrar a Rússia.

Onde fica a Armênia?

A Armênia está situada na região entre os mares Cáspio e Negro, onde as condições eram difíceis desde o período pré-cristão: várias etnias lutaram por esse território. Faz fronteira com Turquia, Geórgia, Azerbaijão e Irã.

Quantos anos tem o Estado armênio?

A Armênia é um dos Estados mais antigos da região, reminiscente do antigo Reino de Urartu. O primeiro Estado independente, a Grande Armênia, governado pela dinastia Orôntida, já existia nos séculos 4 a.C. e foi subjugado pelo Império Romano no século 1 a.C.. 

Território da Grande Armênia

Desde então, o território armênio foi dividido e conquistado por diversos inimigos – persas, árabes, turcos e outros.

A Armênia foi o primeiro Estado a adotar o Cristianismo como religião oficial, no século 4 d.C.. Ao longo da história turbulenta do condado, armênios migraram para várias partes do Cáucaso e Europa. 

O que aconteceu com a Armênia na era moderna?

Desde o século 16, as terras armênias têm sido o campo de batalha da rivalidade entre os Estados turco e persa. Em meados do século 16, a Armênia Oriental se tornou zona de influência persa, e a Armênia Ocidental foi temporariamente controlada por turcos.

A Pérsia fez da Armênia um Estado satélite dentro das fronteiras persas, enquanto os turcos conquistaram “sua” parte das terras armênias. No século 17, um grande número de armênios nativos que viviam no lado “persa” foram realocados à força para os territórios internos da Pérsia. No final do século 18, os armênios começaram levantes de libertação contra o domínio persa. Foi quando o Império Russo entrou na história.

Como a Armênia ingressou no Império Russo?

Nader Shah (1688-1747), um dos governantes mais influentes da Pérsia, conquistou os territórios georgianos de Cártlia (Península Ibérica) e o Reino de Cachétia. Após a morte de Nader Shah, esses territórios foram unidos como o Reino Georgiano de Cártlia-Cachétia. Em 1783, sob o Tratado de Georgievsk, foi estabelecido um protetorado do Império Russo sobre Cártlia-Cachétia. Para o povo armênio, isso mostrou que poderiam se juntar a russos para se proteger de futuras conquistas persas.

Ainda antes, em 1701, o famoso político armênio Israel Ori (1658-1711) foi a Moscou para pedir a Pedro, o Grande, que ajudasse os armênios a obterem independência, mas, embora o tsar tenha concordado, Ori não conseguiu cumprir sua missão – ele morreu em 1711 em circunstâncias misteriosas. Quando, em 1801, o Reino de Kartli- Cachétia tornou-se parte da Rússia após a decisão de Aleksandr 1º, alguns territórios étnicos armênios que faziam parte de Cártlia-Cachétia também passaram ao Império.

Israel Ori

A Rússia precisava desse movimento para se opor à postura política agressiva do Estado persa, que desejava controlar a região do Cáucaso. Cansados das constantes invasões persas, os armênios ganharam ao se juntar ao Império Russo, um Estado cristão que não queria que o povo armênio mudasse suas crenças e tradições religiosas. Paralelamente, os armênios que viviam nas partes ocidentais, oficialmente pertencentes ao Império Otomano, sofriam constantes perseguições do governo turco.

A Guerra Russo-Persa de 1804-1813 veio como resultado da união do Reino de Cártlia-Cachétia com a Rússia – a Pérsia (Irã) queria o reino de volta em sua esfera de influência. A Rússia venceu o conflito de forma decisiva. Nos termos do Tratado de Gulistão (1813), o território do Daguestão, a Geórgia oriental, a maior parte do território da atual República do Azerbaijão e partes do norte da Armênia foram tirados do Estado persa e juntaram-se ao Império Russo.

Em pouco tempo, no entanto, uma nova Guerra Russo-Persa, de 1826-1828, eclodiu – com mais uma vitória do Império Russo. Sob o Tratado de Turkmenchay entre o Irã e a Rússia, a Armênia Oriental, Canato de Erevã e o Canato de Naquichevão foram integrados à Rússia. Em 1828 foi criada a Província Armênia, como parte do Império Russo, dando início à realocação do povo armênio do Irã e do Império Otomano de volta às suas terras natais. Isso marcou o início do renascimento cultural da Armênia.

Província Armênia no Império Russo

Mais tarde, a província armênia se tornou parte de uma província russa ainda maior no Cáucaso – centrada em Tbilisi, esta região projetada pela Rússia era composto por Geórgia, Armênia, Azerbaijão e outros Estados do Cáucaso.

Embora fornecesse proteção contra as conquistas iranianas e turcas, a Rússia insistia no estudo de russo em escolas armênias, e a região era governada por russos, sobretudo militares. Isso alimentou novos protestos do povo armênio, agora contra o domínio russo – embora tenha se mantido relativa paz até o final do século 19.

LEIA TAMBÉM: Quando a Sibéria foi um país independente

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies