Você esteve errado sobre os cossacos esse tempo todo e nem imaginava

Cossacos de Kuban, final do século 19

Cossacos de Kuban, final do século 19

Sputnik
Os cossacos não são uma raça, nação, profissão ou termo para um local específico. Eles são tudo isso junto e misturado. O Russia Beyond desmascara agora os mitos sobre quem eram os cossacos e onde estão agora.

Eles viviam conforme suas próprias leis nos territórios livres do sul da Rússia. Eram uma das forças militares mais confiáveis do Império Russo – mas, paralelamente, uma dor de cabeça constante para os tsares russos que queriam governar e controlá-los.

O número de cossacos, as estatísticas sobre esse povo e seus locais de residência não podem ser definidos com precisão. Historicamente, a palavra ‘cossaco’ denotava uma vasta congregação de pessoas livres nas terras russas, ali desde os tempos antigos.

Como os cossacos apareceram?

Fortaleza na região de Tiumen é uma das mais antigas dos cossacos siberianos

O termo cossaco (‘казак’) em si é turco e significa homem livre, um caçador de riqueza. Obviamente, na Rússia, surgiu para denotar pessoas que não estavam presas a seus senhores ou proprietários de terras.

Os primeiros cossacos foram pessoas que viviam nos arredores dos ducados russos, principalmente nas terras do sul, aproximadamente nos séculos 14 a 15.

Viviam em assentamentos fortificados criados para proteger os ducados das tribos nômades que vagavam pela área chamada Campos Selvagens, entre os territórios do Grão-Ducado de Vladimir-Susdália e os mares Cáspio e Negro.

Essas comunidades estavam cheias de pessoas que escolheram a liberdade e o perigo em vez da vida relativamente segura e subordinada na Rússia Central. Quando começaram a aparecer na Rússia a servidão, os impostos e o governo centralizado, as terras dos cossacos passaram a aceitar servos fugitivos, pessoas que tinham problemas com a lei e quem mais quisesse escapar para lá.

Quando os cossacos começaram a servir o governo russo?

Assim que o primeiro governo centralizado apareceu em Moscóvia (por volta do século 15), os primeiros grão-príncipes de Moscou tentaram colocar os cossacos a seu serviço. As formações militares cossacas participaram de batalhas dos príncipes de Moscou contra os tártaros nômades. Sob o imperador Ivan, o Terrível, os cossacos que viviam no sul (ao longo dos rios Don, Dniepre e outros lugares) foram parcialmente governados por seus prikazes (instituições estatais que precederam os ministérios). Os cossacos serviam e mantinham guarda contra os inimigos de Moscóvia nas cidades fronteiriças, parcialmente apoiados pelo governo de Moscou e comandados por militares oficiais não cossacos enviados da região central.

No século 17, um prikaz cossaco independente foi organizado para controlar os cossacos, mas, ainda assim, viviam em grande parte um modo de vida livre – atacando os vizinhos da Rússia (em particular, o Império Otomano), perturbando-os com seus avanços, mesmo quando o governo tentava defender paz entre os países.

Havia mais de 20 diferentes regimentos cossacos (Exércitos cossacos) localizados em várias partes do Império Russo. Até o final do século 19, eles mantiveram seu status relativamente livre. O regimento dos cossacos do Don (baseado ao redor da bacia do rio Don, no território da atual Ucrânia) era o maior e o mais antigo deles. O que os distinguia do exército regular era que, em períodos de paz, os regimentos cossacos se dissolviam facilmente – e os cossacos retornavam individualmente a seu modo de vida livre – negociando bens e mercadorias, bebendo, festejando e apenas levando o cotidiano livremente nas estepes. Eles eram isentos de imposto sobre capital, recrutamento e outras taxas, porém estritamente obrigados a parecer organizados – armados e montados a cavalo diante da primeira convocação do governo central.

Como os cossacos foram privados de sua autonomia?

Reconstituição de batalha cossaca do século 17

Nos séculos 17 e 18, as áreas que os cossacos tradicionalmente habitavam tornaram-se partes da Rússia. De 1667 a 1671, a política do Tsarado da Rússia fez com que os cossacos de Don provocassem um levante conhecido como “Guerra Camponesa” de Stenka Razin. O líder, Stepan Razin, foi entregue aos oficiais do tsar por seus companheiros cossacos, porque eles queriam manter sua autonomia. No entanto, no início do século 18, os cossacos do Dom foram subjugados pelo tsar Pedro, o Grande, e suas terras se tornaram parte do Império.

Durante o reinado de Catarina, a Grande, aconteceu praticamente o mesmo – quando o Império Russo começou a conquistar as terras da chamada Pequena Rússia (atual Ucrânia e Bielorrússia), o movimento deu origem à Rebelião de Emelian Pugatchev, de 1773 a 1775. Pugatchev, também cossaco, levou seus homens e camponeses à Rússia Central e acabou esmagado pelo Exército Imperial. Depois disso, os cossacos do Don foram firmemente obrigados a servir o Estado. Os cossacos se tornaram uma denominação entre o povo russo, com certos privilégios e responsabilidades.

Quem eram os cossacos zaporojianos?

Resposta dos cossacos zaporojianos ao sultão Maomé IV do Império Otomano, 1880-1891, de Iliá Repi

Em meados do século 17, o Estado russo foi acompanhado por outro grande regimento cossaco – o zaporojiano. Instalados no vale do rio Dniepre, nos territórios da Ucrânia central, os zaporojianos eram politicamente dependentes da Comunidade Polaco-Lituana, defendendo suas fronteiras sul e leste contra tártaros da Crimeia, otomanos e até dos tsares de Moscou. Porém, como as relações com os poloneses deixavam muito a desejar, levantes e guerras de libertação ocorriam com frequência. Durante uma delas, liderada por Bohdan Khmelnytsky, os cossacos zaporojianos pediram ajuda aos russos e se moveram sob a proteção e o governo de Moscou – um evento considerado na Rússia e URSS como “reunificação da Ucrânia e da Rússia”.

A existência do regimento zaporojiano no Estado russo durou pouco mais de um século. Uma vez que (devido às guerras russo-otomanas) as fronteiras do Império foram expandidas para o sul, os territórios dos cossacos zaporojianos foram deixados longe na retaguarda russa, abandonando, de fato, o papel principal dos cossacos como defensores das fronteiras nacionais. Quando, em 1775, a imperatriz russa Catarina 2º dissolveu o regimento zaporojiano, alguns cossacos escolheram servir o sultão otomano, outros se estabeleceram nos territórios da atual região russa de Kuban – e se tornaram os antepassados ​​daqueles conhecidos hoje como os cossacos de Kuban.

Por que os exploradores russos eram chamados cossacos?

Expedição de Semion Dejnev

Ermak, que subjugou o Canato da Sibéria, Semion Dejnev, que descobriu o atual Estreito de Bering, e muitos outros exploradores russos dos séculos 17 e 18 foram chamados de cossacos porque serviam nos arredores do território russo, protegiam suas fronteiras e expandiam sua influência para o exterior. Dejnev chegou a atuar formalmente como cossaco na cidade siberiana de Tobolsk. No entanto, esses cossacos siberianos não eram como os cossacos da região do Don – não estavam unidos em regimentos (exércitos); eram mais como guardas de fronteira.

Quais eram as crenças e nacionalidades dos cossacos?

Os cossacos não pertenciam a nenhuma nacionalidade em particular.

A maioria dos cossacos do Don tinha ascendência mista – em parte da Rússia Central, em parte do Sul, com fortes influências tártara e polonesa, de modo que não se pode defini-los etnicamente.

A maioria dos cossacos eram ortodoxos russos e velhos crentes russos. Sua fé cristã os definia mais do que sua nacionalidade ou local de residência; além disso, os princípios e o modo de vida dos cossacos uniam pessoas muito diferentes que se identificavam como cossacos.

O que havia de especial no modo de vida cossaco?

Família cossaca

O que impressiona sobre os cossacos são seus penteados, bigodes e roupas coloridas, que têm forte semelhança com as roupas do povo do Cáucaso do Norte – muito porque são roupas de cavaleiros profissionais que vivem em climas quentes.

Um garoto cossaco era ensinado a montar, usar uma espada e disparar uma arma a partir dos 10 anos de idade. A educação cossaca era rígida. As crianças trabalhavam nos campos lado a lado com seus pais, e até seus jogos eram militares. Cantar e dançar também era uma parte importante da educação de meninos e meninas, porque uma pessoa cossaca deveria ser sempre alegre e destemida.

Desde os tempos antigos, os cossacos estavam prontos para resistir a um ataque repentino de tribos nômades, por isso o governo russo tolerou sua liberdade por tanto tempo – até que as autoridades centrais pudessem usar o Exército para proteger efetivamente as fronteiras do sul, eles precisavam de cossacos para defender as terras.

Quantos cossacos existiam?

É difícil dizer, pois os cossacos não pagavam impostos nem participavam do censo. Há apenas números aproximados no final do século 19 e início do século 20.

O censo de 1897, o primeiro que apresentou números de cossacos, estimou que havia cerca de 3 milhões (1.448.382 homens e 1.480.460 mulheres). Mas seus números reais eram muito maiores, estimados em cerca de cinco milhões em todo o Império.

Onde estavam os cossacos nos tempos soviéticos?

Cossacos do Exército vermelho durante apresentação de dança tradicional

Durante os tempos soviéticos, muitos cossacos sofreram repressões, porque a maioria deles se opunha ferozmente aos bolcheviques. O governo bolchevique adotou uma política de descossaquização (расказачивание). De 1918 a 1924, um grande número de cossacos foi executado, e quantidades ainda maiores foram obrigados a deixar seus territórios. A área do regimento dos cossacos do Don era habitada em 1917 por cerca de 4,5 milhões de pessoas, das quais metade eram identificadas como cossacos; em 1921, restavam apenas cerca de 2,2 milhões de pessoas nessa mesma área.

No entanto, havia formações militares de cossacos no Exército soviético, embora não pudessem ser comparadas em número aos regimentos cossacos da época do Império Russo. Os cossacos soviéticos não foram muito eficazes na Segunda Guerra Mundial – a cavalaria se mostrou ineficaz contra tanques e aviões.

Onde estão os cossacos agora?

Cossacos russos contemporâneos

Atualmente, as pessoas que se identificam como cossacos ou se dizem de origem cossaca vivem nos territórios da Rússia, Cazaquistão, Ucrânia e em diferentes partes do mundo (muitos emigraram da Rússia após a revolução bolchevique de 1917).

Em 1989, o Soviete Supremo da União Soviética reconheceu oficialmente as repressões injustas realizadas contra os cossacos e confirmou o direito do grupo de ser formalmente reabilitado politicamente. Em 1994, o governo da Federação Russa declarou que o “renascimento do tradicional serviço estatal russo dos cossacos é um dos elementos da formação de um novo Estado russo”.

Hoje em dia, existe uma formação paramilitar russa chamada Cossacos Registrados da Federação Russa. Ela une uma hierarquia das sociedades de cossacos russos contemporâneas em várias partes do país. Há também um Conselho de Assuntos Cossacos sob o Presidente da Federação Russa. Hoje em dia, há cerca de 140.000 cossacos (membros das sociedades cossacas) na Rússia e 11 grandes sociedades cossacas registradas. No entanto, o número de descendentes cossacos é muito maior.

LEIA TAMBÉM: Por que houve tanta fome em diferentes períodos da URSS?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies