Como era a vida na Bielorrússia soviética (FOTOS)

Ievgueni Koktich/Sputnik
A República da Bielorrússia ficava na fronteira ocidental da URSS. Apesar das dificuldades durante guerras sem fim, contribuía bastante para a economia do país.

A paisagem arquitetônica de Minsk, capital da Bielorrússia, ainda lembra a era soviética: grades praças, edifícios stalinistas imponentes, quase nenhuma publicidade ou barracas ao ar livre, e antigos nomes de ruas soviéticos. 

Tanques soviéticos na Praça Lênin (atual Praça de Independência), Minsk, 1935

Herança polaco-lituana

Historicamente, parte da Bielorrússia pertencia à Comunidade Polaco-Lituana, um dos países mais poderosos e populosos da Europa nos séculos 16 e 17. Esta página da história deixou um legado de fortalezas e igrejas católicas. Os limites definitivos da Bielorrússia soviética foram determinados somente após a Segunda Guerra Mundial, quando a importante cidade de Bialistok foi transferida de volta para a Polônia. A Constituição da República Soviética da Bielorrússia de 1927 foi publicada nas quatro línguas oficialmente reconhecidas pelo Estado: russo, bielorrusso, polonês e ídiche. Já a nova constituição de 1937, dispensou os idiomas polonês e ídiche.

Nos tempos soviéticos, o castelo Nesvij do século 16 abrigava um sanatório, 1986

Quanto ao Castelo de Lida (do século 14), virou palco de um estádio para o time de futebol polonês do início do século 20 até 1939,. Quando esse território se tornou parte da URSS, as ruínas do castelo foram deixadas em paz, e a equipe foi embora, embora crianças continuassem a chutar bolas de futebol contra as antigas muralhas.

Castelo de Lida

Durante a Segunda Guerra, os alemães usaram o Castelo Mir (século 16) como um gueto judeu; depois da libertação, os soviéticos o transformaram em um espaço para cooperativa arte e artesanato.

Somente no final dos anos 1970 e início dos anos 80 que o castelo foi restaurado.

Castelo Mir, 1978

A Igreja Vermelha (Igreja dos Santos Simeão e Helena), em Minsk, foi erguida em 1905. Nos tempos soviéticos, acabou sendo convertida em estúdio de cinema, museu e centro cultural de cinema. Após a queda da URSS, voltou a funcionar como igreja.

Igreja dos Santos Simeão e Helena, 1983

Na era soviética, a Catedral do Santo Nome de Maria (construída em 1700), em Minsk, era a casa do clube esportivo Spartak e usada como campo de treinamento. As duas torres foram demolidas, mas restauradas após o colapso do regime.

Catedral do Santo Nome de Maria (segundo edifício à direita)

Principal campo de batalha na frente oriental da Segunda Guerra

Talvez nenhuma outra república soviética tenha sofrido tanto quanto a Bielorrússia durante a Segunda Guerra Mundial. Além das perdas militares, o conflito custou a vida de mais de 2 milhões de civis. A república ficava no caminho de Heeresgruppe Mitte (Grupo de Exércitos Centro), a divisão alemã designada para tomar Moscou. Em junho de 1941, foi completamente capturada por tropas fascistas. Um dos primeiros ataques foi à Fortaleza de Brest, que os soldados soviéticos defenderam heroicamente por quase um mês. 

Um destino particularmente devastador teve a vila de Khatin (que não deve ser confundida com Katin): quase toda a população foi massacrada, como parte de uma operação de represália. Em 1969, foi inaugurado ali um complexo memorial, que inclui a estátua do único sobrevivente adulto carregando seu filho morto. 

Soldados soviéticos ao lado de tanque alemão destruído, Moguilev, 1941
Partidários da Bielorrússia explodindo ponte, 1943
Minsk em ruínas, 1941-42 
Complexo Memorial de Khatin, 1974 
Complexo Memorial do Herói da Fortaleza de Brest, Bielorrússia, 1972

Industrialização

As principais indústrias da Bielorrússia soviética eram construção de máquinas, metalurgia e energia. Um verdadeiro milagre da engenharia foi o caminhão basculante MAZ, fabricado pela fábrica de automóveis de Minsk, e seu sucessor BelAZ, fabricado pela Fábrica de Automóveis da Bielorrússia. Esses veículos foram usados ​​para extração e mineração, bem como para construção de usinas hidrelétricas, represas e várias outras obras complexas. Também se tornaram populares no exterior e ainda são fabricadas e exportadas até os dias de hoje, inclusive para a Rússia. A Fábrica de Tratores de Minsk também teve grandes volumes de produção.

Roda de caminhão basculante MAZ-525, 1953
Caminhão basculante no transportador da Fábrica de Automóveis de Minsk, 1953
Caminhão basculante BelAZ-548, da Fábrica de Automóveis da Bielorrússia
Painel de controle da Usina Termelétrica Lukoml, na cidade de Novolukoml, 1972
Funcionário da Fábrica de Refrigeradores de Minsk demonstrando a geladeira Minsk-7, 1973. Metade de todas as casas soviéticas tinha uma dessas

País da batata

Há muitas piadas sobre bielorrussos e batatas, que são cultivadas e consumidas em grandes quantidades no país devido às propriedades do solo nativo.

A batata salvou diversas vezes a população da fome quando outros cultivos fracassaram. Além disso, a culinária nacional possui vários pratos com o tubérculo, sendo o mais famoso draniki (panquecas de batata). 

Colheita de batata em fazenda coletiva, 1971
Colheita de batata, 1973
Panquecas de batata, 1987
Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho Bielorrussa, Instituto de Pesquisa em Cultivo e Horticultura de Batata. Dentro de estufas de cultivo de batata, 1984

Vida cotidiana

Pioneiros na Fortaleza de Brest, década de 1960

Dia de Ivan Kupala no Museu Estadual de Arquitetura e Vida Folclórica nos arredores de Minsk, 1989
Operador de máquinas na Fazenda Coletiva da Bielorrússia Soviética, voltando do campo para casa, 1987
Bisonte é um símbolo do Parque Nacional Belovejskaia Puscha, 1989
Biblioteca Estatal da Bielorrússia soviética, uma obra-prima da arquitetura construtivista, 1962
Dia Memorial às vítimas do desastre de Chernobyl em 1986, que ocorreu perto da fronteira com a Bielorrússia. Radiação se espalhou por todo o país, 1990
Campeonato de automobilismo da URSS, 1956
Cartazes do Circo de Minsk, 1985
Apartamento de funcionário na Fábrica de Tratores de Minsk, 1982
Rua Sovétskaia, Minsk, 1980
Delegação norte-americana visitando o Complexo Memorial do Herói da Fortaleza de Brest, na Bielorrússia soviética, 1978
Jovens mães na cidade de Novolukoml, região de Vitebsk. Ao fundo, um monumento ao comandante partidário F. Ozmitel, 1978
Posto de gasolina em Minsk, 1978
Parque de cultura e descanso de Minsk, 1974
Cinema Jubileu, na cidade de Gomel, 1979
Assistindo a jovens artistas no Teatro de Drama Bielorrusso Ianka Kupala, 1953
Competição de penteado, década de 1970
Conjunto bielorrusso Siabri, 1984
Moradores de Minsk em desfile de Primeiro de Maio de 1983
Fábrica de tecidos finos, 1953

LEIA TAMBÉM: A mulher russo-soviética através do século 20 (FOTOS)

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies