Afinal, a Finlândia já fez parte da Rússia?

Legion media; Russia Beyond
Ao longo dos séculos, russos e finlandeses travaram batalhas frenéticas, mas também compartilharam momentos pacíficos. Hoje, a Finlândia é considerada um dos melhores vizinhos da Rússia.

Antes de a Finlândia cair sob o domínio russo em 1809, seu território fazia parte da Suécia havia mais de seis séculos. Enquanto os cavaleiros europeus lutavam pela libertação da Terra Santa no Oriente Médio, os cruzados suecos escolheram outra direção para sua expansão. Três grandes cruzadas foram realizadas pela coroa sueca nos séculos 12 e 13, o que resultou na subjugação das terras de tribos finlandesas.

Brasão de armas da Finlândia de 1633, sob o Império Sueco, e mapa da Suécia e da Finlândia feito em Estocolmo, Suécia, 1747

Ali, a Suécia encontrou outro grande adversário – a República da Novogárdia, que tinha seus próprios interesses na região. Deram-se então várias batalhas entre os dois lados, mas Estocolmo conseguiu manter o território finlandês.

Não era, portanto, a hora de a Rússia anexar a Finlândia.

Gravura de J Bye extraída de “Viagens pela Suécia, Finlândia e Lapônia até o Cabo Norte, nos anos de 1798 e 1799”, de Giuseppe Acerbi, (Londres, 1802)

Durante a Grande Guerra do Norte (1700 a 1721), grandes partes da Finlândia foram ocupadas por tropas russas. Como resultado do conflito, a Suécia perdeu seu status de superpotência, além de vastas terras no leste dos Bálticos. Porém, os suecos conseguiram novamente manter a Finlândia, exceto algumas partes na Carélia.

Invasão à fortaleza sueca Nöteborg, em outubro de 1702, pelas tropas russas; o tsar russo Pedro 1º é retratado no centro, de Alexander von Kotzebue

A Guerra da Finlândia (1808 e 1809), conhecida na Suécia como “a maior catástrofe nacional na longa história do Estado sueco”, resultou na perda do país da Finlândia para o Império Russo. Com isso, a Suécia acabou perdendo um terço do seu território e um quarto de toda a sua população. 

Guerreiro Ferido na Neve, de Helene Schjerfbeck

O imperador russo Aleksandr 1º tinha repentinamente sob seu domínio uma enorme região desconhecida, com uma população protestante alienígena. Ele não se esqueceu de quão eficaz e furioso os finlandeses haviam liderado a guerra partidária durante o conflito e decidiu integrar cuidadosamente a Finlândia à Rússia. Na assembleia legislativa Dieta de Porvoo, em meados de 1809, foi proclamado o Grande Principado da Finlândia – status autônomo que os finlandeses nunca gozaram sob os suecos. Os estados finlandeses receberam permissão de manter sua religião e direitos, e o Instrumento de Governo de 1772 foi confirmado como a Constituição da Finlândia.

Tsar Aleksandr 1º abre a Dieta de Porvoo de 1809, de Emanuel Thelning

Em 1811, Aleksandr 1º deu à Finlândia o território da Província de Víborg, situada no Istmo da Carélia. Com isso, foi lançada uma bomba-relógio, que explodiu mais de um século depois, levando a vários brutais conflitos soviético-finlandeses.

Pioneiros na Carélia, de Pekka Halonen, 1900

No ano seguinte, a capital do Grande Principado foi transferida da mais importante cidade finlandesa de Åbo (Turku) para Helsinque. Era mais perto de São Petersburgo e, portanto, sob menor influência sueca.

Helsinque em 1867

Na segunda metade do século 19, o Grão-Ducado da Finlândia recebeu importantes privilégios, como seu próprio sistema monetário (o marco finlandês) e Exército próprio. No entanto, logo depois a política estatal da Rússia em relação aos finlandeses mudou completamente: os principais processos de russificação foram iniciados, o poder das autoridades locais acabou sendo significativamente limitado, e em 1901, o Exército finlandês foi dissolvido e incluído nas forças do Império.

Nota de marco finlandês, 1862

A insatisfação finlandesa com esses processos levou os finlandeses a ingressar na Primeira Revolução Russa, de 1905, e o imperador Nikolai 2º se viu obrigado a fazer concessões. Em 1906, a Finlândia se tornou o primeiro país da Europa onde as mulheres tinham direito ao voto e a serem eleitas para o recém-formado Parlamento.

Nos eventos esportivos mundiais, a Finlândia começou a participar de forma independente da Rússia, sob bandeira própria.

Parlamento da Finlândia, a Primeira Sessão em 1907

Logo após a revolução bolchevique na Rússia, o Parlamento finlandês proclamou independência, e foi o governo de Lênin quem a reconheceu pela primeira vez. No entanto, não impediu que os países entrassem em breve em conflito. A vitória dos finlandeses Brancos sobre os finlandeses Vermelhos (apoiados pela Rússia soviética) na Guerra Civil Finlandesa enfim separou os dois Estados um do outro.

Guarda Branca finlandesa

O último grande conflito entre os dois países se deu durante a Segunda Guerra Mundial – e foi ocasionada pelo antigo presente do imperador Aleksandr aos finlandeses, que anos depois saiu pela culatra. O motivo da guerra foi o Istmo da Carélia, com Víborg, um dos principais pontos de defesa de Leningrado (atual São Petersburgo). Depois que a URSS o tomou durante a Guerra de Inverno, a Finlândia aliou-se a Hitler para tentar recuperá-lo, mas fracassou. No período pós-guerra, a liderança de ambos os países decidiu superar as diferenças do passado e desenvolver um novo modelo de cooperação. Como resultado, a Finlândia se tornou um dos melhores e mais amigáveis ​​vizinhos da União Soviética – e, mais tarde, da Rússia.

Tanques leves soviéticos T-26 e caminhões GAZ-A do 7º Exército Soviético durante avanço no Istmo da Carélia, em 2 de dezembro de 1939

LEIA TAMBÉM: 5 territórios que quase se tornaram colônias russas

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies