Antes e depois: como era Moscou um século atrás e agora (FOTOS)

Uwe Brodrecht (CC BY-SA 2.0); mosfo.ru
Capital russa ainda preserva símbolos raros da antiguidade e até mesmo uma estranha casa de madeira do século 19. No entanto, seu aspecto geral mudou drasticamente.

1/ Vorobióvi Góri (1906)

Hoje em dia, esta é uma área elegante repleta de cafés, a pouquíssimos passos da Universidade Estatal de Moscou. No entanto, um século atrás, era simplesmente uma vila com uma margem de rio inóspita.

2/ Tchístie Prudi/Lagoas Limpas (final do século 19 – início do século 20)

Essas lagoas no centro de Moscou já foram muito sujas e, portanto, tinha o apelido de “imundas”. Mas, desde que foram limpas no século 18, tornaram-se o local favorito de muitos moscovitas. Há passeios de barco no verão e pista de patinação no inverno.

3/ Kremlin. Vista da Catedral de Cristo Salvador (1871)

O Kremlin ainda é o mesmo, mas os edifícios e até as pontes nas proximidades foram restauradas. Já a Catedral de Cristo Salvador, a partir da qual esta foto foi tirada, foi demolida pelas autoridades da União Soviética e reconstruída apenas na década de 1990.

4/ Rua Kuznetski Most (1885)

Em um passado longínquo, havia uma ponte de pedra sobre o rio Neglinnaia. Porém, no início do século 19, o rio foi canalizado, e a ponte sumiu – tanto é que nem aparece nas imagens de cem anos atrás. Naquela época e hoje em dia, Kuznetski Most (que significa, literalmente, “ponte Kuznetski”) abriga diversas lojas e restaurantes.

5/ Bulevar Petrovski (final do século 19 – início do século 20)

Você sabia que já houve bondes de dois andares nas ruas de Moscou? Mas não por muito tempo, já que muitas vezes descarrilavam e eram inerentemente inseguros.

6/ Praça Vermelha (1895)

A Praça Vermelha passou por pequenas reformas...ah, e ganhou o Mausoléu de Lênin.

7/ Praça Vassiliévski Spusk (1898)

Vassiliévski Spusk (“Ladeira de Vassíli”, em tradução literal) é uma continuação da Praça Vermelha que segue até a margem do rio Moscou. A Catedral de São Basílio ficou de fora desta foto – mas não se engane, ela estava em algum lugar à direita.

8/ Margem do Kremlin (1915)

Já não passam mais bondes pelo Kremlin. Hoje em dia, foram substituídos por carros, que na maioria das vezes não se movem – por causa do congestionamento intenso.

9/ Rua Tverskaia (final do século 19)

Nas décadas de 1930 e 40, Stalin implementou seu ‘Plano Diretor para reconstrução de Moscou’, que incluía o desenvolvimento de moradias em massa e a construção de pontes e do famoso metrô. Também foi considerado necessário ampliar a principal via de Moscou – a rua Tverskaya (nos tempo soviéticos, chamada Górki). Muitos dos edifícios locais foram demolidos, e alguns foram literalmente transpostos...

10/ Velha Arbat (início do século 20)

Os bondes elétricos percorreram pela primeira vez a Velha Arbat em 1908, substituindo as carruagens puxadas a cavalo que estavam em uso havia 30 anos. Hoje, esta rua é restrita a pedestres. No passado era lar de artistas e boêmios, mas virou praticamente um museu ao ar livre, cheio de teatros, pequena galerias e monumentos.

11/ Alameda Kamergerski e o Teatro de Arte de Moscou (1902)

O teatro onde o famoso diretor Konstantin Stanislávski encenou peças de Anton Tchékhov continua popular até hoje, sobretudo entre membros da elite de Moscou. A via onde está localizado é hoje uma área moderna para pedestres, com vários restaurantes e sacadas para o verão, além de iluminação e decoração impecáveis durante o ano todo.

12/  Margem Frunzenskaia (1912)

Com a implementação do Plano Diretor de Stálin, a margem foi transformada em uma área de desfiles, e casas da elite foram erguidas – sem falar do edifício do Ministério da Defesa. Dali era possível avistar a catedral original de Cristo Salvador.

LEIA TAMBÉM: Você sabia que a Moscou do português brasileiro é mais próxima do original que a própria russa?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies