3 tapas na cara que chocaram os soviéticos

Natalya Nosova
Na URSS, um tapa na cara da pessoa errada pode ser seu passaporte direto para o campo de concentração. Mas, não deixe o queixo cair: o último presidente da URSS tomou na cara e o simples cidadão que o agrediu se safou!

Os concursos contemporâneos de tapas na cara na Rússia atraem atenção mundial. Mas a “tradição” de meter a mão na fuça já é antiga no país. Recordamos três ocorrências históricas, em que o tapa na cara levou a grandes problemas na União Soviética.

1. Do poeta Óssip Mandelstám no escritor Aleksêi Tolstói

Óssip Mandelstám, um dos maiores poetas da Rússia, e sua mulher Nadêjda eram tão pobres que mal conseguiam viver. Apesar disso, Óssip concordou em emprestar 75 rublos ao poeta Serguêi Borodín, seu amigo e vizinho no alojamento de escritores da Tverskôi Bulevard, onde vivia. Com essa quantia, Óssip e a mulher podiam viver um mês inteiro.

Mas Borodín não se apressou nada em devolver o dinheiro. Quando Óssip viu a mulher de Borodín carregando duas garrafas de vinho para casa, ficou furioso com o fato de que o vizinho não devolvia o dinheiro, mas fazia banquetes.

Na briga que se seguiu, Borodín agrediu Óssip, mas acertou a mulher dele, Nadêjda. Mandelstám exigiu um tribunal interno, que foi conduzido sob a presidência de Aleksêi Tolstói, um escritor influente entre os bolcheviques.

Tolstói definiu que Borodín deveria devolver o dinheiro quando pudesse. Mas Mandelstám ficou furioso com o fato de que a honra de Nadêjda não foi restaurada. Um ano e meio depois, Mandelstám encontrou Tolstói por acaso em São Petersburgo (alguns escritores dizem, porém, que ele foi de propósito até lá para procurar Tolstói) e deu um tapa na cara dele na frente de todo mundo.

"O que você está fazendo? Vou destruir você!”, teria dito então Tolstói. Foi realmente chocante sua coragem, pois ninguém naqueles tempos se atreveria a fazer algo do gênero.

Logo, Mandelstám foi preso e enviado para o exílio e, posteriormente, a um campo de concentração. Havia rumores de que Tolstói incentivou ou não impediu a perseguição e morte do poeta. A honra de Nadêjda foi restaurada com muita coragem por Óssip, mas o poeta morreu no campo de trabalhos forçados.

2. Da atriz Evguênia Garkusha no chefe do NKVD, Lavrênti Béria

O nome da atriz Evguênia Garkusha foi há muito esquecido: ela atuou somente em dois filmes. Sua vida e carreira foram arruinadas por causa de um tapa que ela deu na cara de um dos homens mais temidos da URSS, Lavrênti Béria, o principal companheiro de Stálin e chefe do Ministério do Interior soviético.

Evguênia era uma estrela de cinema em ascensão. Após o sucesso de seu primeiro filme, ela se casou com Piôtr Chirchóv, o primeiro ministro do Ministério da Frota Marítima da URSS. Mas, em 1946, tudo saiu dos trilhos.

Lavrênti Beria, que acabou preso e executado mais tarde, após a morte de Stalin, foi um dos homens mais temidos da época. Ele era um indivíduo grosseiro, que usava o poder para conseguir todas as mulheres que quisesse. Mas, quando se aproximou de Evguênia Chirchóva com suas propostas indecentes, a atriz lhe deu um tapa na cara. Duas semanas depois, ela foi acusada de espionagem e deserção.

Piôtr Chirchóv, marido de Garkúcha.

Piôtr Chirchóv não sabia do paradeiro da mulher. Desesperado para encontrá-la, ele pediu ajuda ao próprio Stálin, mas o líder soviético o expeliu, dizendo: "Vamos encontrar outra mulher para você".

Mesmo isso não pôde impedir os esforços de Chirchóv, que conseguiu reduzir a sentença de Evguênia. Assim, ela teria que passar “apenas” 8 anos nos campos de trabalho forçados.

Em 1948, Evguênia se suicidou tomando uma dose letal de sedativos em um acampamento em Magadán. No mesmo ano, seu marido foi demitido do escritório do ministro. Ele morreu de câncer em 1953. Garkúcha só foi reabilitado postumamente, em 1956.

3. Do cidadão soviético Mikhaíl Maliukóv no presidente Mikhaíl Gorbatchóv

Em 1996, o então ex-presidente da URSS Mikhaíl Gorbatchov foi à cidade a Omsk durante a campanha eleitoral de Borís Iéltsin à reeleição para a presidência. Gorbatchóv falaris publicamente em apoio a Iéltsin e era acompanhado de 4 seguranças. Mas, enquanto Gorbatchóv subia as escadas para entrar no prédio onde falaria, Mikhail Maliukóv, um desempregado de 29 anos de idade, investiu um tapa na cara de Gorbatchóv.

Os seguranças o neutralizaram imediatamente. Mas Gorbatchóv ficou profundamente ofendido e cancelou todos seus eventos em Omsk. Após julgamento, Maliukóv foi declarado doente mental e enviado para um hospital, onde passou quase um ano e meio.

Após o ocorrido, nunca mais se ouviu falar no nome de Maliukóv. Em 1998, encontrado pela imprensa, ele se recusou a dar entrevista para um jornal local. Ele afirmava então: "Chega de política para mim".

Quais foram os motivos por trás do tapa de Maliukóv? Muito ex-cidadãos soviéticos odiavam Gorbatchóv pela "destruição do país" (já que a União Soviética caiu durante sua presidência. Circulavam até mesmo rumores de que uma velhinha havia cuspido na cabeça dele durante aparição pública em outra região. Dizia-se também que, depois do tapa, Maliukóv teria dito: "Isso é por ter traído os interesses do país, pela queda da URSS!".

É mais provável, porém, que Maliukóv tivesse realmente problemas psicológicos. Um homem que serviu no exército com Maliukóv, disse a um jornal local que ele tinha um estado mental perturbado, algo visível mesmo em sua juventude.

LEIA TAMBÉM: Os 3 principais fatores para a queda da URSS

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies