Como os bolcheviques ensinaram os russos a ler e escrever (e se beneficiaram com isso)

Domínio público
Ao organizarem o sistema de ensino, os soviéticos quase liquidaram por completo o analfabetismo no país. Em troca, ganharam milhões de trabalhadores qualificados e leais, capazes de efetivamente industrializar o país.

Quando os bolcheviques tomaram o poder em 1917, eles assumiram um país com população predominantemente analfabeta. Mesmo antes da eclosão da Primeira Guerra Mundial e do caos revolucionário, o número de pessoas instruídas era extremamente baixo para um país que se considerava uma superpotência. Apenas 25 a 30% - uma a cada 3 ou 4 pessoas sabia de alguma forma ler e escrever.

A Grande Guerra, a Revolução e a Guerra Civil pioraram ainda mais a situação. Pessoas instruídas (nobres, intelligentsia e clero) foram assassinadas em massa ou fugiram da Rússia. A maioria dos territórios imperiais alfabetizados (atual Polônia, Finlândia e Estados Bálticos) tornou-se independente e seguiu seu próprio rumo, derrubando acentuadamente as estatísticas já deploráveis.

No final da década de 1910, metade da população da Rússia ocidental não tinha instrução. Na Sibéria, apenas 10 a 15% das pessoas recebiam algum tipo de educação; já na Ásia Central, mais de 97% das pessoas não sabiam ler e escrever.

Para os bolcheviques, educar os jovens não era o único objetivo – também era essencial instruir os adultos analfabetos, envolvê-los na ressurreição econômica e industrialização do país e na criação de um paraíso socialista. Uma pessoa instruída era mais vulnerável à propaganda e aceitação dos ideais comunistas. “Não se pode construir uma sociedade comunista em um país analfabeto”, declarou Vladímir Lênin.

“A alfabetização é o caminho para o comunismo”

Em 26 de dezembro de 1919, os bolcheviques adotaram um decreto para a “eliminação do analfabetismo”, conhecido como Likbez (abreviação russa de “likvidatsia bezgramotnosti”). A lei tornava obrigatória a alfabetização em russo (ou no idioma nativo da pessoa) para todos os cidadãos entre 8 e 50 anos.

Diversos Postos para a Eliminação do Analfabetismo (Likpunkts) foram estabelecidos em pequenos vilarejos e grandes cidades por todo o país. Nesses locais, as pessoas estudavam o básico de escrita, leitura e matemática – e de “analfabetas”, transformavam-se nos chamados cidadãos com “alfabetização básica”.

Com o tempo, as matérias estabelecidas pelo Likbez foram mudando e se aperfeiçoando. Em 1925, a alfabetização política básica tornou-se outro curso obrigatório.

Para consolidar os resultados, o Estado estimulava ativamente a leitura. “Se você não ler livros, esquecerá como ler e escrever!”, lia-se nos pôsteres soviéticos da época. Os alunos nota “A” eram elogiados e recompensados.

O dia útil foi reduzido em duas horas com créditos salariais concedidos a quem comparecia aos Lipunkts. Quem não estudava, porém, era estigmatizado e, às vezes, até processado.

“Se você não ler livros, esquecerá como ler e escrever!”, 1925

O povo soviético aprendia gramática também por meio de cartazes, slogans, jornais para os cidadãos com “alfabetização básica” – além das cartilhas ideológicas, cheias de frases como “Não somos escravos” e “Estamos trazendo paz ao mundo”. Enquanto aprendiam gramática , as pessoas absorviam simultaneamente os ideais comunistas.

Mais de 50 milhões de adultos estudaram gramática durante os primeiros 20 anos após o decreto. No início da década de 1940, quase 90% das pessoas entre 16 e 50 anos eram, de uma forma ou de outra, alfabetizadas.

LEIA TAMBÉM: Cartilhas russas, da Idade Média à URSS (passando por Tolstói)

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies