Por que esta submetralhadora está em todos os monumentos ao Exército Vermelho?

Com um disco pesado no carregador e um peculiar invólucro de janelas ovais ao redor do cano, a submetralhadora PPSh-41, ou pistola-metralhadora Chpágin modelo 1941, teve 6 milhões de exemplares fabricados durante a Segunda Guerra Mundial, tornando-se uma das armas mais produzidas no período.
Soldados da guarda com armas capturadas.

Na década de 1930, os soviéticos viam as submetralhadoras exclusivamente como um armamento de apoio, enquanto a principal arma dos soldados continuava sendo o fuzil Mosin-Nagant. Naquela época, o número de submetralhadoras, principalmente da complexa e dispendiosa pistola Degtyaryov (PPD), era insignificante. No entanto, o eficaz uso da submetralhadora Suomi KP/-31 pelas tropas finlandesas durante a Guerra de Inverno mostrou aos soviéticos que esse tipo de armas poderia ser o futuro do equipamento militar.

Finlandês com submetralhadora no istmo da Carélia.

Como resultado, em 21 de dezembro de 1940, o Exército Vermelho recebeu novas submetralhadoras, como a PPSh-41, embora sua produção em massa tenha começado apenas no final do ano de 1941. Ao contrário de sua sucessora, a PPSh era muito mais simples e barata. Seus elementos estruturais fresados (parafusos) foram substituídos por partes prensadas, e seu corpo foi reduzido praticamente ao cano e ao ferrolho, que eram bem resistentes. Isto fazia dela uma verdadeira máquina de combate, já que a industrialização no tempo de guerra exigia economia de materiais e tecnologia simples, porém confiável.

Soldado com Shpagina.

Outra particularidade desta arma era a poderosa munição de calibre de 7,62 × 25 mm, a mesma da pistola Tokarev TT. O conjunto imprimia ao projétil uma alta velocidade e taxa de tiro muito grande para aqueles tempos – de 900 a 1.000 disparos por minuto.

Soldados retiram menina do Cerco de Leningrado.

O peso elevado, apontado muitas vezes como uma desvantagem, era, contudo, bom para o atirador. A PPSh se comportava com mais estabilidade durante as rajadas do que outras submetralhadoras, como a alemã MP-40. O freio de boca localizado na extremidade do cano proporcionava ainda um menor recuo ao refletir o fluxo dos gases para os lados.

Soldados com suas metralhadoras na II GM. Março de 1943.

Ela era frequentemente chamado de “Papasha” (“papai”, em russo) pelos soldados, já que seu acrônimo de três letras em russo soa de maneira semelhante.

Com quase 6 milhões de unidades, a PPS-41 foi a submetralhadora mais produzida da Segunda Guerra Mundial. Para efeitos de comparação, os alemães produziram pouco mais de um milhão de submetralhadoras MP-40.

Metralhadoras empunhadas no istmo da Carélia. Julho de 1944.

Os alemães também gostavam das PPSh-41 e as usaram ativamente como armas de troféu. Mais de 10 mil submetralhadoras soviéticas capturadas foram convertidas para o calibre alemão: de 7,62 mm para 19 mm. Apenas um em cada dez soldados alemães estava armado com a submetralhadora MP-40, a maioria usava os rifles Mauser 98K. É por isso que as PPSh se tornavam um bom complemento para os soldados alemães. Além disso, a submetralhadora soviética tinha alcance efetivo maior.

Soldados tchecos e soviéticos recebidos pelo povo após libertação da ocupação alemã em 9 de maio de 1945.

A PPSh-41 era a principal arma das unidades estrangeiras do Exército Vermelho que lutaram ao lado das tropas soviéticas contra Hitler: o 1º Batalhão Independente da Tchecoslováquia e a 1ª Divisão de Infantaria Tadeusz Kosciuszko.

Bombardeiro TU-2.

Em 1944, a PPSh-41 foi incluída em um novo sistema de tiro conhecido como "Fire Hedgehog". Foram montadas 88 submetralhadoras no compartimento de bombas do bombardeiro Tu-2.

LEIA TAMBÉM: Como distinguir um Kalashnikov russo de uma cópia chinesa?

O piloto podia abrir fogo intensivo e destrutivo contra a infantaria inimiga. No entanto, após vários testes, a ideia foi abandonada, porque a recarga levava muito tempo e só podia ser realizada em solo.

Soldados empunham metralhadoras em frente a tanque que quase penetrou nas linhas de frente soviéticas. 1942.

No final da guerra, a PPSh-41 tornou-se a principal arma de fogo dos soviéticos. Mais de 55% dos soldados estavam armados com esta submetralhadora.

O típico monumento ao soldado soviético apresenta capacete SSh-40, capa e a PPSh-41, famosa por seu disco pesado no carregador e peculiar invólucro de janelas ovais ao redor do cano.

Rifle russo PPSH 42 de 7.63mm sobre bandeira norte-coreana tomada na Coreia, em Novembro de 1952.

Após a Segunda Guerra Mundial, a PPSh-41 foi amplamente produzida na Coreia do Norte. Uma das primeiras delas foi apresentada a Stálin em 1948, em seu 70º aniversário.

Pintura de soldados dos EUA, da ONU e da Coreia do Norte negociadores de armistício em 1953.

A PPSh-41 foi usada pelo menos três vezes contra as tropas dos Estados Unidos (e da CIA): durante a Guerra da Coreia, no período inicial da Guerra do Vietnã e durante a invasão da Baía dos Porcos em Cuba.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies