Aerosani, os trenós de combate que fizeram a história deslanchar

Entre os diversos veículos usados na luta contra os invasores alemães durante a Segunda Guerra Mundial, a União Soviética desenvolveu trenós de combate tão pitorescos que, hoje, parecem fruto da mente de um designer do “Star Wars”.
Com hélice e estrutura leve, alguns modelos de Aerosani atingiram 100 km/h

Os ‘aerosani’ eram veículos geralmente de dois lugares, propulsionados por hélice, estrutura leve e armados, na maioria dos casos, com canhões ou simples metralhadoras.

Entre 1939 e 1945, eles entraram em ação em lagos congelados como o Ládoga ou o Ilmen, em regiões costeiras ou sobre as águas congeladas do Golfo da Finlândia.

Apesar de sua aparente fragilidade e lentidão (sua velocidade média raramente excedia entre 25 e 30 km/h), eles demonstraram ser ferramentas valiosas no rigoroso inverno russo e desempenharam um papel importante na resistência contra a ofensiva de Hitler.

As primeiras experiências com esse tipo de veículo datam da primeira década do século 20.

Em 1910, o inventor Henri Coandă projetou um trenó de aspecto futurista impulsionado por um motor a pistão e uma “turbina de sucção”, que, em um teste sobre o rio Sena, em Paris, atingiu 100 km/h, segundo a revista “Hemmings”.

Primeiros veículos do gênero surgiram na década de 1910.

Depois desse feito, ele foi abençoado por dois padres ortodoxos na ilha de Grande Jatte, próxima aos portões de Paris, e então adquirido pelo grão-duque Cyril da Rússia. O engenho, porém, não sobreviveu à revolução russa.

À parte desse episódio curioso, os trenós de combate ou "aerosani", foram usados pelo Exército Vermelho a partir dos anos 1920.

Esses veículos teriam seu batismo de fogo durante a Guerra Russo-Finlandesa e, mais tarde, na Grande Guerra Patriótica.

ANT-IV

O ANT-IV, projetado por Andrêi Tupolev, foi um dos aerosani incorporados pelas forças soviéticas em 1924.

Tinha 100 cavalos de potência e, a partir de 1930, serviu como correio e para transportar passageiros importantes entre Tcheboskari e Kanach, na República da Tchuváchia, na porção europeia da Rússia.

Em 1931, esses veículos receberam motores de aeronaves de fabricação soviética M-11, o que lhes permitiu atingir uma velocidade de 28 km/hora.

LEIA TAMBÉM: Tropas russas no Ártico passam a usar trenós puxados por renas e cães

Três anos depois, eles foram usados para resgatar os exploradores do quebra-gelo Tcheliúskin, que estava encalhado nos entornos da ilha Koliútchin.

Eles também foram empregados durante a Primeira Guerra Russo-Finlandesa, nos anos de 1939 e 1940.

OSGA-6/NKL-6 

O Osga-6 era usado como correio, transporte e ambulância, além de ter fins militares.

Construído na fábrica Narkomles, em Moscou, este modelo foi projetado para atuar como ambulância, correio ou transportar até quatro passageiros.

Com três esquis, a versão militar incluía também um canhão. Ela contava com o motor do avião M-11 ou de suas versões posteriores e, para operações noturnas, era possível acrescentar uma lâmpada.

NKL-16

O NKL-16 foi desenvolvido durante a Segunda Guerra Mundial, com base no modelo anterior, o NKL-6.

Era fabricado nas instalações da ZiS e da GAZ e na madeireira de Bekietovki, em Stalingrado (atual Volgogrado).

Este modelo, usado principalmente para o transporte de tropas, possuía motor do M-11G, versão atualizado do M-11.

NKL-26

Projetado por M. Andréiev, este era feito de madeira compensada e sua blindagem exclusiva consistia em uma placa frontal com espessura de dez milímetros.

Ele era armado com uma metralhadora de 7,62 mm. Cada unidade tinha assento para dois tripulantes, um artilheiro e um motorista.

Geralmente, eles eram usados com batalhões de esquiadores e podiam levar até quatro deles fora do veículo ou enganchados atrás.

Graças ao NKL-26, inverno não atrapalhou contraofensiva alemã em 1942

O marechal Rokossôvski deixou registradas suas impressões sobre esses veículos aparentemente frágeis durante o inverno de 1942, em Sukhínitchi, quando foram usados para repelir uma contraofensiva alemã.

“Os inimigos capturados nesse encontro manifestaram, por unanimidade, que o ataque os deixou estupefatos; pensaram que os trenós de hélice eram tanques e ficaram surpreendidos porque parecia que sobrevoavam a neve profunda”, escreveu.

RF-8/GAZ 98

Trenó de dois lugares atingia 50 km/hora.

Em 1941, M. V. Vesselóvski desenvolveu no Narkomretchflot (Comissariado para Frotas Pesqueiras) o pequeno trenó de dois lugares GAZ-98, que era um RF-8 com motor de caminhão GAZ-M1 e podia alcançar 50 km/h. Já o GAZ-98K era equipado com um motor de avião Chvetsov M-11.

02SS CDB-50

Projeto custoso de 1940 foi abandonado dois anos depois.

Encomendado por ordem do governo, em dezembro de 1940, o projeto foi conduzido pelos engenheiros Loschínski, Kassátkin, Ponomariov, Záitsev e Makarov, entre outros.

Tratava-se, basicamente, de uma torre de tanque militar sobre trenós impulsionados por hélice.

Na fase de concepção, porém, tornou-se óbvio que o poderoso 02SS teria sérios problemas de peso e, por isso, o projeto foi abandonado, em 1942.

Com material dos sites Flamesofwar.comWaralbum.ru e ​Polarpost.ru

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies