Glória ou execução: como o pagamento de escultores variava com os bolcheviques

Tsesarskiy/Sputnik
Para com alguns desses artistas, o Estado soviético era gentil; outros, foram esmagados. Todos deixaram, no entanto, uma marca indelével na cultura russa.

Embora o escultor italiano de origem russa Pável Trubetskoi fosse próximo de Lev Tolstói, ele jamais leu qualquer uma de suas obras. Ao visitar a propriedade do escritor, Trubetskoi até esqueceu de levar consigo uma cópia dos trabalhos completos de Tolstói que o autor havia lhe dado. No entanto, o escultor captou perfeitamente a imagem do escritor – e sua escultura de Tolstói é considerada uma das melhores.

O escultor russo Mikhail Blotch teve grande contribuição para a propaganda de ideias revolucionárias e comunistas, criando esculturas monumentais como, por exemplo, “Grande Metalúrgico” (foto). Mesmo assim, o artista foi executado em 1920 sob a acusação de espionagem para a Polônia.

Ivan Chadr teve a proeza de trabalhar para ambos os lados na guerra da Guerra Civil Russa. Quando morava em Omsk, os brancos ordenaram a Chadr que criasse um monumento ao general Kornilov, um dos líderes do movimento anticomunista, bem como um monumento em homenagem à libertação da Sibéria dos bolcheviques. Mas quando a cidade foi capturada pelo Exército Vermelho, Chadr trocou de lado, construindo um monumento às vítimas do Terror Branco e uma estátua de Karl Marx.

Serguêi Merkurov foi o primeiro escultor soviético a criar monumentos grandiosos a Stálin e Lênin por todo o país. Entre eles havia uma escultura de 49 metros para Lênin em Ierevan e outra de 37 metros em Dubna, na região de Moscou. A maioria desses monumentos a Stálin, no entanto, foi destruída durante o processo de desestalinização de Khruschov no final dos anos 1950.

Milhões de pessoas observam diariamente as criações de Matvei Manizer em Moscou. Foi ele quem fez as 20 estátuas originais de bronze de estudantes, soldados, marinheiros, crianças e etc, para a estação de metrô Ploshchad Revolyutsii (Praça da Revolução). Hoje em dia, são estátuas 76 monumentos no total: 18 imagens foram replicadas quatro vezes, e duas delas, duas vezes.

O escultor Serguêi Konenkov era frequentemente chamado de “o Rodin russo”. Apesar de viver e trabalhar nos EUA por cerca de duas décadas, ele nunca perdeu laços com sua terra natal. Quando Konenkov decidiu retornar à URSS, em 1945, Stálin enviou pessoalmente um navio para trazê-lo de volta com todas as suas obras.

Durante anos, o monumento ao general soviético da Segunda Guerra Mundial Ivan Tcherniakhovski (foto), criado pelo escultor Nikolai Tomski, esteve plantado em Vilnius, capital da República Soviética da Lituânia. Durante a queda da URSS, os lituanos decidiram demolir o monumento. Os restos foram salvos por tropas russas em evacuação, que o levaram à cidade de Voronej, onde permanece até hoje.

Embora o monumento ao poeta russo Aleksandr Púchkin criado por Mikhail Anikuchin em 1957 tenha sido aprovado por uma comissão estatal, o escultor ficou tão insatisfeito com seu trabalho que investiu seu próprio dinheiro e fez um novo. Hoje, sua versão final pode ser vista na Praça das Artes, em São Petersburgo.

Grigôri Postnikov era conhecido por trabalhos com temas espaciais. Nesta foto, Valentina Terechkova, a primeira mulher ao viajar ao espaço, observa a escultura em sua homenagem no estúdio do escultor.

Tatiana Sokolova trabalhava com argila, cerâmica e madeira, e suas obras eram geralmente dedicadas a temas de mulheres, família e amor.

A vida artística de Lev Kerbel foi cheia de altos e baixos. Por um lado, criou o famoso Memorial de Guerra Soviético no Parque Tiergarten, em Berlim; por outro, ele foi obrigado a fazer lápides para os chefes da máfia russa durante os turbulentos anos 90.

O talentoso escultor russo-americano Ernst Neizvestni mantinha relações complicadas com a liderança soviética, e Nikita Khruschov até chamou suas obras de “arte degenerada”. Apesar disso, o escultor não recusou o pedido dos parentes do líder soviético de fazer uma lápide em seu túmulo. Em 1976, Neizvestni deixou a União Soviética, embora tenha confessado que foi uma tragédia pessoal para ele.

Vadim Sidur era multifuncional e versátil. É lembrado não só como escultor e autor de mais de 500 trabalhos, mas também como escritor, poeta e artista plástico.

Zurab Zeretelli é atualmente um dos principais escultores da Rússia. Entre suas principais obras estão a estátua de Pedro, o Grande, no centro de Moscou, a escultura Good Defeats Evil (O Bem Derrota o Mal), no prédio da ONU em Nova York, e o monumento Tear of Grief (Lágrima de Tristeza), também na cidade norte-americana.

Você sabia que há vários  monumentos de guerra soviéticos fora da Rússia? Confira aqui os 10 mais impressionantes. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies