Como um médico soviético fez a própria cirurgia de apendicite na Antártida

Iúri Vereschaguin /TASS
Leonid Rogozov realizou com sucesso a operação para tirar seu próprio apêndice em plena estação soviética na Antártida. Tornando-se um herói nacional, chegou a ser comparado a Gagárin, que fez seu famoso voo quase ao mesmo tempo.

Acredite ou não, apesar de impressionante, a autocirurgia de apêndice do médico soviético Leonid Rogozov não foi uma operação única. Em 1921, o médico americano Evan O'Neill Kane havia realizado um experimento no qual removeu seu próprio apêndice e costurou-se. A diferença entre os casos, porém, é que Rogozov não realizou o procedimento em uma sala de operações, cercado por profissionais para ajudá-lo caso algo desse errado – e ele não fez isso pela ciência, e sim para se manter vivo. 

Entre a vida e a morte

Em 1960, o jovem cirurgião Leonid Rogozov, de 27 anos, ingressou na 6ª expedição soviética à Antártida e mudou-se para o continente gelado. No ano seguinte, ele começou a trabalhar como médico na recém-inaugurada Estação Novolazarevskaya.

Em 29 de abril de 1961, Rogozov ficou doente: sentia fraqueza, náusea, febre alta e dor na fossa ilíaca direita. O médico logo deu seu diagnóstico: apendicite aguda. O problema era o fato de ele ser o único médico na estação. Além disso, ele não poderia ser transportado para longe, pois não havia aeronaves nas estações próximas. De qualquer forma, o mau tempo descartava qualquer possibilidade de voar.

Uma complicação na forma de peritonite poderia matá-lo, e é por isso que Rogozov teve que agir rápido. Segundo relatou seu filho Vladislav, o pai estava oscilando entre a vida e a morte, não conseguia ajuda e teve que operar-se por conta própria.

“Ele teve que abrir seu próprio abdômen para tirar seus intestinos”, recordou Vladislav. “E ele sequer sabia se isso era humanamente possível.” 

Hora de operar

Em 30 de abril, a cirurgia começou. Leonid foi assistido pelo meteorologista Aleksandr Artemiev, que ajudou com os instrumentos médicos, e pelo engenheiro mecânico Zinovi ​​Teplinski, responsável por segurar o espelho e uma luz.

Rogozov estava semideitado sobre o lado esquerdo. Após injetar anestesia local com Novocain, ele fez uma incisão de 12 cm na fossa ilíaca direita. Em parte com a ajuda do espelho, mas também pelo toque, começou a procurar por seu apêndice.

Rogozov durante autocirurgia na estação soviética na Antártica

A visão de Leonid Rogozov procurando o apêndice em suas entranhas quase fez com que seus assistentes desmaiassem. O chefe da estação, Vladislav Gerbovitch, que também estava presente na cirurgia, lembrou, mais tarde, que os dois assistentes “ficaram mais brancos do que um lençol, mas fizeram grandes esforços para manter a calma”.

De 30 a 40 minutos após o início da cirurgia, Rogozov se sentiu muito fraco e tonto, obrigando-o a fazer pequenos intervalos de 5 a 10 segundos a cada 5 minutos. O médico tentou manter a calma e sob controle durante todo o processo.

Rogozov conversando com o amigo Iúri Vereschaguin na Novolazarevskaya

Ainda assim, a parte final quase eliminou a tolerância de Rogozov. “Finalmente aqui está, o apêndice amaldiçoado! Horrorizado, eu vejo a mancha escura em sua base. Isso significa que um só dia a mais e [o apêndice] teria estourado... Meu coração ficou visivelmente mais lento, minhas mãos pareciam de borracha. Bem, eu pensei, isso vai acabar mal, e tudo o que restava era remover o apêndice”, lembrou o médico.

A cirurgia levou 1 hora e 45 minutos no total e terminou com sucesso. Em cinco dias, sua temperatura normalizou e, dois dias depois, os pontos foram removidos. 

O segundo Gagárin

Quando Leonid Rogozov voltou para casa, ele foi saudado como uma verdadeira celebridade e herói nacional, tornando-se popular não só na URSS, mas no exterior.

Rogozov virou tema de artigos, livros, filmes e canções. Centenas de pessoas lhe escreveram cartas de toda a União Soviética e outros países. Por sua coragem, ele foi condecorado com um dos mais altos títulos soviéticos – a Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho – e presenteado com um apartamento em Leningrado.

Médico recebeu Ordem da Bandeira Vermelha do Trabalho

Durante algum tempo, o médico chegou a ser comparado ao primeiro homem no espaço, Iúri Gagárin, que embarcou em seu lendário voo apenas 18 dias antes de Rogozov operar-se sozinho. Embora ele não fosse a primeira pessoa a tirar seu próprio apêndice, na União Soviética, ele era considerado pioneiro – sobretudo pelas condições.

“Havia um forte paralelo, porque ambos [Rogozov e Gagárin] tinham a mesma idade, eram classe trabalhadora e conseguiram algo que jamais havia sido alcançado na história humana antes. Eles eram protótipos do super-herói nacional”, explicou o filho Vladislav.

Achou impressionante? Então não deixe de ler "Como ‘homem atômico’ soviético sobreviveu a uma dose letal de radiação?". 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique 
aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais