Neste dia: o primeiro museu privado da Rússia era aberto em São Petersburgo

Mansão Rumiantsev, em São Petersburgo

Mansão Rumiantsev, em São Petersburgo

Alexander Razumov/Wikipedia
Instituição mudou-se mais tarde para Moscou e, anos depois, tornou-se a base da Biblioteca Estatal Russa, mais conhecida como “Leninka”.

O conde Nikolai Rumiantsev era uma pessoa respeitável: estadista (ministro dos Negócios Estrangeiros durante a guerra com Napoleão), patrono das artes e colecionador de manuscritos, livros e moedas antigas. Durante toda a sua vida, pesquisou e colecionou artefatos históricos, e, após sua morte, seu irmão pediu ao imperador Nicolau 1º permissão para criar um museu baseado no acervo.

Em 23 de novembro de 1831, o primeiro museu de propriedade privada acessível ao público abriu suas portas na mansão de Rumiantsev, na margem Angliyskaya, em São Petersburgo, e tornou-se muito popular. Em 1861, foi decidido transferir o acervo para Moscou, porque São Petersburgo já dispunha de outras bibliotecas e coleções.

Casa Pachkov retratada em cartão postal do século 19

Em Moscou, o Museu Rumiantsev encontrou espaço na Casa Pachkov, bem ao lado do Kremlin, onde surgiu uma biblioteca pública. Em 1924, a coleção de Rumiantsev serviu de base para a Biblioteca Estatal Soviética, que recebeu o nome de Vladimir Lênin (ou “Leninka”, como foi, mais tarde, apelidada pelo público).

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies