Team Spirit, o grande vencedor do torneio internacional de Dota 2

Dota 2 The International
Um garçom, um modelo e um estudante de medicina largaram seus trabalhos e estudos por amor ao jogo de videogame Dota 2. E, ao que parece, por bons motivos: pela primeira vez, uma equipe russa ganhou o Campeonato Mundial de Dota 2 e faturou mais de 18 milhões de dólares.

“Que história, que corrida, que sonho!” grita o locutor com toda força enquanto voam confetes pelo palco e cinco jovens pegam do pedestal o escudo “Égide dos Campeões”, feito de bronze e prata. Um dos moços levanta o escudo sobre a cabeça, enquanto o outro, de cabelo raspado, está apenas sentado, escondendo o rosto atrás das mãos, sem acreditar na vitória.

Assim foi anunciada a vitória do Team Spirit, a equipe russa vencedora do campeonato mundial de Dota 2. Na rodada final, os russos venceram a equipe chinesa PSG.LGD por 3 a 2. Esta foi a primeira vitória da equipe russa na história da competição de Dota 2.

Investimentos imobiliários e parabéns do presidente

“A composição final da equipe russa não estava definida até o início de 2021. Por isso, poucos acreditavam em seu sucesso, mas, no final das contas, ela ganhaou graças à boa preparação”, disse ao canal de TV “360” o diretor da Associação para o Desenvolvimento Cibersportivo Pável Gôlubev.

“É como ganhar a Copa do Mundo ou outro campeonato mundial de um esporte de prestígio. Esta é uma competição da qual todo jogador e ciberesportista sonha em participar, um evento muito significativo mesmo”, afirmou Gôlubev.

A maioria dos membros da equipe russa tem planos de investir o valor do prêmio em imóveis. Os internautas russos reagiram imediatamente com memes.

“Cinco caras receberam 18,2 milhões de dólares jogando Dota 2. Como vão as coisas no escritório, pessoal?”, escreveu no Twitter o usuário, Artiôm Deriaguin.

No aeroporto de Vnúkovo, para onde a equipe partiu após a competição, os jogadores foram recebidos com uma faixa de parabéns.

Além disso, a equipe foi parabenizada pelo presidente russo, Vladimir Putin.

“No trajeto rumo à final vocês demonstraram qualidades brilhantes de liderança e solidariedade e, no duelo decisivo, que foi um verdadeiro teste de habilidade e caráter, conseguiram se concentrar, tomando a iniciativa no momento mais crucial para seus fortes adversários”, disse o presidente.

Visualização da vitória e hambúrgueres

Iaroslav "Mipochka" Naidenov, de 23 anos, é o membro mais velho e capitão da equipe, e já tinha competido no campeonato em 2017 em outra equipe. Naquela época, ele ficou entre os 10 melhores jogadores e foi considerado um capitão promissor. Mas a glória foi temporária e uma depressão o tomou em 2019.

Iaroslav

“Chegou um ponto em que eu estava sentado sozinho, em um apartamento vazio, alugado, em São Petersburgo. Um ambiente opressivo me rodeava: um colchão, uma mesa com computador e uma pia na cozinha, que precisava de reforma. Acordei, fiquei sentado ali, sem fazer nada durante quatro horas. Eu não sei como jogava, levava sempre um sentimento de culpa. Esse foi o período mais difícil da minha vida”, conta Naidenov.

Um ano depois, ele se uniu à Team Spirit e, após a vitória da equipe, postou um vídeo no Twitter comendo um hambúrguer e falando sobre o segredo de seu sucesso.

“Não é só o hambúrguer... Toda noite, antes de dormir, eu me imaginava ganhando, tentava imaginar minhas emoções... Eu visualizava isso o tempo todo, e talvez tenha sido isso o crucial”, disse Iaroslav.

Trabalho aos 13 anos e os esforços com o Dota

O membro mais jovem da equipe é o ucraniano Iliá Mulartchuk, de 18 anos de idade. Ele começou a jogar Dota em 2013 e logo passou a faltar às aulas para jogar. Ele não conseguia acordar às sete, pois jogava até as quatro da manhã.

Iliá Mulartchuk.

Quando seus pais brigavam com ele, ele dizia claramente: “Ainda bem que estou em casa jogando no computador ao invés de ficar à toa por aí fumando”. De acordo com Iliá, os pais pareceram felizes com a desculpa do filho.

Para ganhar dinheiro para comprar um computador potente, Iliá conseguiu um emprego com merchandising, e trabalhou por seis meses. Ele sonhava ser jornalista ou perito criminal, mas acabou entrando em uma faculdade para estudar geologia — curso que ele nunca frequentou.

Durante o campeonato, Iliá raspou a cabeça, dizendo ter feito isso “em nome do deus de Dota” para vencer.

Dota 2 em vez de uma carreira como médico ou modelo

Os outros concorrentes decidiram conscientemente desistir de seus empregos e estudos para treinar.

Aleksandr "Torontokio" Hertek, de 20 anos, de Tuva, contou que era bagunceiro desde a infância e que o anime o ajudou a “entrar nos eixos”. Depois do ensino médio, ele entrou no Departamento de Matemática e Engenharia de Computação da Universidade Estatal de Moscou, mas desistiu no segundo ano para jogar mais videogame. Em paralelo, ele trabalhava meio período como administrador de sistemas e garçom, acreditando que as profissões o ajudariam a socializar. 

Aleksandr

“Trabalhar como garçom me ajudou a entender as pessoas e a crescer como pessoa. Percebi que garçons, cozinheiros e faxineiros são pessoas com seus próprios problemas e vidas. Desde então eu sempre tento deixar uma gorjeta”, disse o ciberatleta.

Magomed “Collapse” Khalilov, de 19 anos, de Makhachkalá, no Daguestão, joga desde 2017 e já quis ser médico. Ele chegou a ir para a universidade, mas tirou uma licença acadêmica para se dedicar ao videogame.

Magomed “Collapse” Khalilov.

O último membro da equipe, Miroslav Kolpakov, de 21 anos, trabalhou como modelo antes de sua carreira no videogame.

“Foi a melhor sensação da minha vida: não por ter chegado aos ranking dos três melhores jogadores, mas porque ganhei com meus companheiros de equipe. Somos cinco amigos que gostam de jogar Dota juntos. Eu jogava mal, mas os caras me deram uma chance e, em dois meses, entendi como jogar", conta Kolpakov.

 

LEIA TAMBÉM:Russos criam novo Tetris que é app e tem prédios em vez de figuras geométricas

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies