Rússia envia grupo aéreo à Turquia para ajudar na extinção de incêndios florestais

Reuters
Autoridades turcas pediram ajuda para extinguir incêndios florestais perto de assentamentos e zonas turísticas. Kremlin decidiu enviar um grupo aéreo combinado dos ministérios russos da Defesa e para Situações de Emergência, em um total de 11 aeronaves.

Mais de 1.100 equipamentos, incluindo três aeronaves anfíbias russas Be-200, cinco aeronaves de combate a incêndios Il-76 e três helicópteros de combate a incêndios Mi-8, estão envolvidos nos esforços para extinguir incêndios florestais na Turquia.

"As autoridades da República da Turquia dirigiram à Rússia um pedido para prestar assistência na extinção dos incêndios florestais que estão ocorrendo perto de áreas povoadas e zonas turísticas, onde muitos cidadãos russos estão atualmente de férias", informou a assessoria do Ministério para Situações de Emergência russo à TASS.

No sábado passado, o presidente Vladimir Putin confirmou em um telefonema com seu homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, que Moscou continuará prestando assistência a Ancara na extinção de incêndios florestais.

"A importância da cooperação entre os dois países no combate a esse desastre natural foi destacada", disse a assessoria de imprensa do Kremlin após o telefonema.

Um incêndio começou na última quarta-feira (28) nos arredores da cidade turística de Manavgat, na província de Antália, no sul da Turquia, devido a fortes ondas de calor e baixa umidade na região. No dia seguinte, os incêndios eclodiram em várias outras regiões, incluindo as províncias turísticas de Aidin e Mugla, aproximando-se cada vez mais de áreas urbanas.

De acordo com a agência de gestão de desastres e emergências da Turquia, pelo menos seis pessoas morreram devido às queimadas e mais de 180 ficaram feridas. Até o momento, 88 dos 98 focos de incêndio foram extintos, com mais de 1.100 pessoas envolvidas nas operações. 

LEIA TAMBÉM: Os monstros da aviação russos que combatem incêndios mundo afora

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies