Por que a Rússia é tão pouco povoada?

Irina Baránova
Assim é na maior parte do país. Embora também existam áreas superpovoadas. 

A Rússia é o maior país do mundo em território, mas ocupa o nono lugar em termos populacionais. Por incrível que pareça, o vasto território da Rússia permanece em grande parte despovoado, uma vez que a maioria dos 146 milhões de habitantes do país se concentra em áreas urbanas densamente povoadas.

Clima

O mapa abaixo, que mostra a densidade demográfica na Rússia, oferece ao observador uma estimativa aproximada da distribuição desigual da população pelo vasto território do país.

Quase 68% dos habitantes da Rússia vivem na porção europeia do país, que representa apenas 20% de todo o território nacional.

O resto do território abriga os 32% restantes, o que reduz drasticamente a densidade demográfica em comparação com áreas urbanas superlotadas. Um dos principais motivos é o clima rigoroso em algumas das regiões mais remotas da Rússia.

Por tradição, os habitantes da Rússia se estabeleceram em regiões onde o clima favorecia o cultivo da terra e oferecia condições climáticas agradáveis. É por isso que a parte sul da Rússia é mais densamente povoada do que as regiões do Norte e Extremo Oriente russos.

As vastas regiões do norte da Rússia e da Sibéria - conhecidas por seu clima severo e difícil acesso - também estão entre as menos povoadas do país. A região autônoma de Iamália-Nenétsia, Kamtchatka (no Extremo Oriente russo), Iakútia (no norte da Rússia) e as regiões remotas de Magadan e Tchukotka têm uma densidade demográfica de menos de um habitante por quilômetro quadrado; no caso específico da relativamente grande região de Tchukotka registra-se o antirrecorde de 0,07 habitante por quilômetro quadrado.

“Somente um em cada cinco russos vive na parte asiática [do país], que abrange quase três terços do território nacional. As regiões do Extremo Norte e as áreas [...] com condições climáticas severas, que representam cerca de 70% do território russo, são especialmente pouco povoadas”, diz Ekaterina Scherbakova, pesquisadora principal do Centro de Pesquisa Demográfica da Escola Superior de Economia (participante do projeto 5-100).

Economia e política

A prosperidade econômica também desempenha um papel nesse contexto. As duas cidades mais prósperas da Rússia, Moscou e São Petersburgo, também são as mais densamente povoadas. A densidade demográfica em Moscou é de 4.941 habitantes por quilômetro quadrado - a mais alta de toda a Rússia -, enquanto em São Petersburgo o índice é de 3.837.

No extremo oposto, algumas das regiões russas classificadas como menos prósperas economicamente pela mesma pesquisa recente - como Tuvá, Calmúquia ou a Região Autônoma Judaica do Extremo Oriente Russo - também são as menos populosas: com 1,96, 3,61 e 4,31 habitantes por quilômetro quadrado, respectivamente.

Em alguns casos, a densidade populacional nas regiões menos habitadas da Rússia cresceu somente em torno das zonas industriais locais - e por incentivo do governo.

“No século 20, a tendência dominante era uma realocação regulamentada - às vezes com medidas muito rígidas - da população para o norte e leste e, em menor medida, para o sul. Isso se deveu à necessidade de explorar os recursos naturais, desenvolver a economia dos demais territórios e reforçar as fronteiras orientais. Um papel importante foi também desempenhado pela evacuação de muitas empresas industriais da porção europeia do país durante a Segunda Guerra Mundial”, conclui Scherbakova.

LEIA TAMBÉM: Por que tantos russos tem um quê de asiático?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies