Estes russos estão abrindo caminho para os carros elétricos, apesar das dificuldades

Sergei Shakhidzhanyan/TASS
Nissan Leaf é o carro elétrico mais popular do país, embora também existam alguns Tesla importados por magnatas. Falta de infraestrutura complementar ainda é uma barreira.

Quando Denis, da cidade russa de Kemerovo, comprou um Nissan Leaf, ele teve que coletar assinatura dos vizinhos e depois passar por uma série de procedimentos burocráticos para receber permissão para equipar o prédio onde vive com um carregador para carros elétricos.

Apesar do aumento de vendas, os carros elétricos ainda representam uma pequena parcela de todos os carros da Rússia. Mas alguns motoristas decidem ir na contramão ao escolher carros elétricos em um país onde longas distâncias e invernos rigorosos definem as vias.

Uma gota no oceano

Apesar do recente aumento em 2021, os carros elétricos ainda são raros nas ruas e estradas da Rússia. No início de 2021, apenas 10.800 carros elétricos foram registrados no país.

Em comparação com 2020, o número de carros elétricos cresceu 71%. Mas 10.800 ainda parece risível, quando comparado aos 45 milhões de automóveis de passageiros na Rússia.

Curiosamente, 97% de todos os carros elétricos no país - principalmente modelos Nissan Leaf - possuem sistemas de direção do lado direito, apesar de a Rússia usar oficialmente sistemas do lado esquerdo. E a maioria desses carros são registrados no Extremo Oriente do país. Para algumas pessoas, porém, a eletricidade é o futuro.

Tesla na Sibéria

O blogueiro Kirill Petrov se define como “o maior fã de [Elon Musk] na Federação Russa”. Ele possui alguns carros Tesla e publica regularmente resenhas em seu canal no YouTube (link em russo). Nativo de Novokuznetsk, na Sibéria, Petrov também é um especialista em dirigir carros elétricos - sobretudo modelos Tesla - em temperaturas abaixo de zero.

“Elon Musk certamente não preparou este carro para isso”, disse Petrov enquanto dirigia seu Tesla em um percurso de 170 quilômetros de Novokuznetsk até a estação de esqui siberiana de Chereguech sob condições rigorosas de inverno.

Apesar de o carro consumir o dobro da carga normal da bateria, o blogueiro e sua equipe conseguiram chegar à estação de esqui sem maiores problemas - tirando a vez em que a porta da frente do carro congelou.

Já na estação, Petrov tentou carregar a bateria do carro a partir de uma tomada elétrica padrão e funcionou. Foi perrengue, mas deu certo: depois de quebrar o cabo de extensão, o blogueiro e sua equipe tiveram que cavar um local para estacionar seu Tesla perto de um casebre de madeira e, assim, carregar o carro a partir de uma tomada elétrica na casa.

Mesmo em condições severas de -25°C, o carro calculou que teria energia suficiente para dirigir de volta a Novokuznetsk em 24 horas. Apesar das pequenas aventuras, a análise de Petrov foi positiva, pois provou que o carro é confiável, inclusive em invernos rigorosos.

Ostentação ecológica

Em contraste com o Extremo Oriente - onde o Nissan Leaf compõe a maioria dos carros elétricos -, os pioneiros dos veículos elétricos em Moscou são sobretudo cidadãos abastados. O oligarca russo Roman Abramovich teria importado 20 carros Tesla para distribuir entre seus “confidentes e parceiros” a fim de divulgar os benefícios dos carros elétricos no país, onde esses veículos ainda mantêm o status de novidade suspeita.

Um dos sortudos que recebeu um Tesla do oligarca, segundo reportagens veiculadas na imprensa russa, foi Anton Belov.

“Parece-me que a Tesla cria uma imagem positiva para seu dono: [as pessoas] olham para mim como se eu fosse uma espécie de alienígena [que veio] do futuro. Acho que, pouco a pouco, o mundo inteiro migrará para carros elétricos e carros a hidrogênio. E o nosso país, também”, disse Belov em uma entrevista recente.

Maksim Spasenenko, outro proprietário de um Tesla em Moscou e cofundador de uma empresa local de aluguel de veículos elétricos, compartilha da visão de Belov sobre a superioridade desses modelos em comparação com os veículos convencionais na Rússia.

“Tesla é um carro para a cidade. Embora seja possível fazer viagens de longa distância, não é 100% confortável aqui na Rússia [dirigir o Tesla em viagens prolongadas] porque, em comparação com os EUA, a infraestrutura [complementar] ainda não está tão desenvolvida. Mas é um bom carro para dirigir dentro da cidade”, afirma Spasenenko.

“[Em Moscou] existem estações de carregamento suficientes. Mas, se o governo quiser popularizar os carros elétricos na Rússia, precisa desenvolver infraestrutura. Se a infraestrutura não for desenvolvida, os carros elétricos só pertencerão a pessoas que moram em casas ou que possuam vagas de estacionamento particulares e, também, para aqueles que idealizam Elon Musk. Para o resto, vai parecer que [possuir um carro elétrico] não é uma experiência confortável”, arremata.

VEJA TAMBÉM: O carro que era o sonho de toda criança soviética

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies