Por que os russos comemoram Ano Novo DUAS VEZES?

Getty Images
Depois de quase 11 dias de férias coletivas, os russos têm outro motivo para estourar o champanhe – o Velho Ano Novo.

O Velho Ano Novo não é um feriado oficial. A essa altura, já houve dias de folga suficientes para os russos – quase onze dias no início do ano para comemorar o Ano Novo e o Natal ortodoxo (7 de janeiro). Mas a virada de 13 para 14 de janeiro é mais um motivo de festa.

Como e por que o Velho Ano Novo ‘surgiu’

Assim como a maioria dos feriados russos, a tradição surgiu após a Revolução de 1917. Quando os bolcheviques alteraram o calendário, do juliano para o gregoriano, todas as datas avançaram 13 dias: o Natal mudou de 25 de dezembro para 7 de janeiro, e o primeiro dia de Ano Novo, em 1º de janeiro, acabou sendo transferido para o dia 14 de janeiro.

Na época, os russos tiveram dificuldade para se acostumar com o fato de que o Natal seria celebrado após o Ano Novo, e não antes dele, como de costume. Em termos práticos, isso significava que na verdadeira véspera de Ano Novo, em 31 de dezembro, os russos ortodoxos não poderiam comemorar – já que ainda estariam de jejum e não podiam consumir álcool ou comer o tradicional pato da ceia (ou qualquer salada com carne, ovos etc.).

Para não acabar com a diversão, os russos ortodoxos decidiram organizar uma celebração não oficial, combinando os dois calendários. A Igreja Ortodoxa Russa, porém, marca oficialmente a circuncisão de Jesus em 14 de janeiro.

O que o Velho Ano Novo significa para os russos

Ao se popularizar, a nova “tradição” perdeu seu componente religioso, mas deu aos russos apenas mais um motivo para brindar novamente.

O fenômeno do Velho Ano Novo também se refletiu na arte. O dramaturgo Mikhaíl Roschin escreveu a comédia dramática “Velho Ano Novo” em 1973, que foi encenada por vários anos e depois ganhou uma adaptação para televisão em formato de filme, em 1980.

Além disso, o poeta soviético Andrei Voznesenski escreveu o poema “Velho Ano Novo”, no qual chama o período de 1º a 13 de janeiro de “uma lacuna entre os tempos”. Abaixo é possível conferir um videoclipe para este poema filmado por Stas Namin na década de 1980:

Voznesenski também cita na obra que, de 1º a 13 de janeiro, as pessoas costumavam ligar para seus velhos amigos – o que não deixava de ser vantagem, pois permitia as pessoas enviar os votos de Ano Novo até 13 de janeiro e ninguém ficava ofendido.

O Velho Ano Novo é um motivo para os russos lembrarem de como celebraram o Ano novo e marca o fim absoluto das férias e festas – aquela sensação de pós-Carnaval para os brasileiros, digamos. A partir de então, os pensamentos de todas as pessoas enfim voltam ao trabalho e à rotina diária. Depois de 14 de janeiro, os russos também começam a desmontar a Árvore de Ano Novo.

A data em si não tem grande significado para as pessoas, e ninguém monta uma mesa tão rica como na véspera de Ano Novo – mas há sempre a oportunidade de beber algumas e dar um adeus definitivo à extravagância festiva e ao ano velho.

Feliz Velho Ano Novo!

LEIA TAMBÉM: 8 grandes feriados celebrados pelos russos

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies