Moscou aposenta praticamente todas as linhas de ônibus elétricos com fios da cidade

Viatcheslav Prokofiev/TASS
Capital, que contava com diversas linhas de trólebus tem hoje apenas uma: a que conecta a praça Komsomolskaya à rua Novoryazanskaya.

A cidade de Moscou está aposentando seus lendários trólebus (ônibus elétricos conduzidos por fiação) e substituindo-os por novos modelos que se movimentam sem o uso de fios, os chamados “elektrobus”.

“Em 25 de agosto, começamos uma nova era na capital: os elektrobus passam a rodar nos trajetos de troleibus. A decisão de aposentar os trólebus foi paulatina e não foi simples, mas tomamos este passo adiante”, disse à agência de notícias russa Tass Leonid Antonov, diretor da companhia de transportes da capital, a Mosgortrans.

Segundo ele, um trajeto de troleibus escolhido para ser mantido como “símbolo de respeito por esse tipo de transporte”. O trajeto remanescente escolhido é o que liga a praça Komsomolskaya até a rua Novoryazanskaya, e sua escolha não foi casual: em junho de 1937 foi aberto na rua Novoryazanskaya o segundo parque de troleibus. A prefeitura planeja abrir em breve na área o Museu dos Transportes de Moscou, onde será possível ver os primeiros troleibus da capital.

A recente revolução nos transportes da capital não se restringe, porém, apenas aos troleibus: o jornal russo “Vêdomosti” noticiou anteriormente que Moscou deve renunciar também aos monotrilhos que integram o sistema metropolitano como “linha n° 13”. Os monotrilhos da capital funcionam desde 2004.

A tendência, segundo Antonov, é de, como nos países europeus, aumentar o volume de ônibus elétricos sem fiação na cidade. “Hoje temos 450 elektrobus, até o final do ano, teremos 600 e planejamos com que esse número alcance os 2,6 mil até 2024”, disse.

Os fornecedores dos novos veículos à frota de transporte da capital são duas empresas russas: a “Gruppa GAZ” e a Kamaz.

LEIA TAMBÉM: Os 10 melhores trólebus já projetados na Rússia

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies