Antes e depois: fotógrafa clica contemporâneos com trajes tradicionais do Cáucaso

Maria Mussova
Um dos tantos grupos étnicos do Cáucaso russo tem roupas tradicionais interessantes – e as pessoas de hoje mudam completamente de aparência ao vesti-las.

A fotógrafa russa Maria Mussova fez um experimento tirando fotos de circassianos, adigueses e cabardianos em suas roupas do dia a dia – e depois com trajes tradicionais da região. A série de fotos, intitulada ‘Reflexão’, tem por objetivo refletir como o traje tradicional influenciava a aparência e o comportamento das pessoas do século 19. Para isso, Mussova também perguntou a cada participante do ensaio como eles se sentiam com suas roupas “novas” – e as respostas surpreenderam.

  1. Azamat, 35, empresário

“Era assim que nos vestíamos nos nossos melhores tempos, quando todos nos admiravam. Estou parecendo sério e honrado. Este traje enfatiza minha natureza.”

  1. Alan, 29, empresário

“Sinto-me mais responsável desta forma. Sinto que devo transmitir essa forma de pensar para a nova geração. Essa roupa revela minha própria essência.”

  1. Asiat, 20, coreógrafo

“Sinto que faz parte da minha cultura e posso atrair o interesse das pessoas com o meu exemplo. Pena que não nos vestimos mais assim. Mas agora podemos tentar trazê-lo de volta ao nosso dia a dia.”

  1. Astemir, 24, jornalista

“Ao vestir este traje, sinto fortes laços com os meus antepassados. Sinto-me muito à vontade assim. Para mim, é uma forma de me explorar.”

  1. Dana, 22, estudante

“Sinto-me muito calma e confortável. Tranquilidade e responsabilidade ao mesmo tempo. Eu entendo quem eu sou e a roupa mostra meu eu interior. ”

  1. Marianna, 23, economista

“Sinto-me muito confiante e leve. Este vestido é um reflexo do aristocratismo para mim. Dá uma sensação de conforto e orgulho e, ao mesmo tempo, é muito eu. ”

  1. Murat, 35, designer visual

“Esse traje me ajudou a me encontrar. E desde então não importa para mim quais roupas eu visto no dia a dia.. Não quero que esse traje desapareça de nossas vidas.”

  1. Liana, 22, economista

“Sinto que faço parte da história. Quero manter minha postura ereta e olhar apenas para a frente. Trouxe certeza e clareza de pensamento. Com o vestido, quero transmitir essa sensação para as próximas gerações.”

  1. Lina, 24, historiadora

“O que eu sinto? Calma e harmonia interior. Um acessório para algo especial. Uma sensação de chão sob meus pés.”

  1. Ilias, 25, dentista

“Sinto minhas costas ficando mais retas e pareço mais do que um verdadeiro adiguês. Eu gostaria de poder usar essas roupas com mais frequência, e que as pessoas respeitassem mais isso e expressassem mais interesse.”

LEIA TAMBÉM: 3 povos indígenas da Rússia que ignoram a civilização e sobrevivem como seus antepassados ​​

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies