“Os russos são amigos muito confiáveis”: o relato de uma jovem que trocou a Itália pela Rússia

Arquivo pessoal
Chiara Clemente, 27 anos, trabalha na Rússia há mais de três anos. Por experiência própria, ela garante: os russos são ótimos para trabalhar e não se parecem em nada com como são retratados nos filmes.

Meu nome é Chiara. Tenho 27 anos e nasci e cresci em Monza, uma cidade de tamanho médio perto de Milão, mas minha família vem de uma bela cidade no sul da Itália chamada Mattinata (na região da Apúlia). Eu estudei russo na Universidade Estatal de Milão e estava muito ansiosa para vir a este país misterioso e intimidador para testar meu conhecimento da língua e, espero eu, melhorar.

Trabalho aqui há pouco mais de três anos. No início, em 2016, fui para Tcheboksari por um ano para ensinar italiano, mas depois voltei e trabalhei na Itália por algum tempo. Então, em janeiro de 2018, retornei à Rússia para continuar meus estudos na Politécnica de Pedro, o Grande. Consegui um emprego no escritório de São Petersburgo da SEMrush, empresa internacional de TI, onde trabalho há dois anos.

A imagem que temos na Europa da Rússia é geralmente de um lugar frio e assustador, com pouco a oferecer; povoado por pessoas desinteressadas bebendo vodca em excesso. Minha família e amigos ficaram, é claro, assustados e achavam que eu estava meio maluca por querer isso. Minha impressão inicial, considerando a primeira coisa que vi foi o aeroporto de Tcheboksari, foi que havia viajado de volta no tempo para as décadas de 1980 ou 90. Mas depois de um passeio de carro pela paisagem coberta de neve da Tchuváchia, comecei a adorar tudo, principalmente o clima! (Sim, eu sei que era inverno, mas o frio seco de -33℃é muito refrescante pela manhã: foi isso que me impressionou mais no início; também porque era disso que eu mais tinha medo).

Sobre o meu trabalho

Na SEMrush, trabalho no departamento de marketing, com foco no mercado italiano. Sou responsável por webinars [seminários pela internet] e conteúdo de vídeo. O trabalho é ótimo e há muito espaço para crescer, buscar o caminho e se desenvolver para ser uma profissional melhor. É disso que eu mais gosto na SEMrush, além de a equipe estar cheia de pessoas incríveis, tanto em termos profissionais como pessoais.

É algo completamente diferente do meu trabalho anterior na Itália, onde fazia traduções e curava o setor de comércio eletrônico do mercado italiano para uma empresa multinacional. É difícil comparar os dois porque estamos falando de empresas e campos muito distintos, mas eu diria que a maior diferença é que meu trabalho anterior era em uma empresa muito vertical, enquanto o SEMrush dá mais liberdade e permite que os funcionários tragam algo novo e façam isso acontecer.

Diferenças e semelhanças

Russos e italianos são bem diferentes em termos de abordagem ao trabalho, com base nas minhas experiências. O que mais me chocou é que, quando comecei a trabalhar na SEMrush, todos os meus colegas tinham mais ou menos a minha idade ou até menos. Na Itália, é muito raro encontrar uma grande empresa como essa com funcionários predominantemente jovens. Portanto, eu diria que a Rússia está muito à frente nesse sentido, porque os jovens podem começar suas carreiras bem cedo.

Existem também algumas semelhanças, como o fato de ser muito fácil socializar com os colegas, e acho que a Itália e a Rússia são semelhantes em termos de negócios: muitas pequenas e médias empresas tiram proveito do que o país tem a oferecer. Na Itália, no campo da restauração, por exemplo, temos orgulho de nossos maravilhosos produtos e tradições. Enquanto isso, a Rússia pode se orgulhar de um bom atendimento ao cliente e de espaços maravilhosamente projetados (restaurantes e cafés aqui são bem feitos e de alta qualidade).

Linguagem e mentalidade local

Tenho muitas histórias sobre erros muito engraçados que cometi ao tentar falar russo e que fizeram meus colegas caírem na gargalhada. Certa vez, tentei falar sobre “кулич” (o equivalente russo do panettone), mas, em vez disso, disse “кирпич”, que significa “tijolo”; então vocês podem imaginar as reações deles.

Aprendi que os russos são colegas e amigos confiáveis. Não conheci uma única pessoa que não tentou me fazer sentir bem-vinda e à vontade, e é algo extremamente importante quando você está longe de casa. Além disso, trabalhar com russos é muito mais fácil em termos de comunicação: italianos (e europeus, em geral) tentarão encontrar uma maneira agradável (e muito longa) de dizer algo que você precisa alterar ou arrumar, enquanto os russos evitarão ficar dando voltas e dirão diretamente o que é o quê. Aprecio isso porque torna tudo mais rápido e descomplicado.

Coisas que um estrangeiro deve saber

O mais importante é sempre ficar de olho na burocracia. A Rússia, assim como a Itália [e o Brasil – nota do editor], adora papelada e documentos, por isso, tenha tudo isso em ordem antes e durante a sua estadia.

Quando se trata de encontrar emprego, se a empresa não quiser dar uma permissão de trabalho, então será muito difícil, especialmente se você não souber russo. Mas, se a empresa o ajudar com isso, trabalhar e morar aqui é muito bom. O custo de vida é baixo o suficiente para permitir que se viva acima da média (dependendo do salário, é claro). Para italianos e europeus em geral, o campo de TI é uma boa escolha.

Comunidade de expatriados em São Petersburgo

A maioria dos meus amigos aqui são russos, mas também tenho muitos amigos estrangeiros, graças à minha experiência na Universidade Politécnica de Pedro, o Grande. Conheço muitos italianos também e mantenho contato com eles por um grupo de Facebook – Italiani a San Pietroburgo, ou “Italianos em São Petersburgo” – onde trocamos informações, conselhos sobre onde comer uma boa pizza ou mesmo comprar produtos italianos. O fundador do grupo, às vezes, organiza encontros.

A comunidade de expatriados é muito viva: a cidade oferece inúmeras atividades, casas noturnas e eventos que facilitam a socialização. Além dos bares, discotecas e restaurantes, existem “escape rooms”, museus e diversos clubes (de livros, arte, cinema etc.) dos quais se pode participar mesmo sem saber russo.

Rússia mudou minha vida

Gostaria de saber desde antes que os russos não são como descritos nos filmes e que são muito parecidos com os italianos. Além disso, gostaria de não ter ficado com tanto medo do tempo frio – pode ser realmente agradável, ainda que o tempo de São Petersburgo não seja um passeio no parque, para ser sincero.

Com certeza, posso dizer que a Rússia mudou minha vida. Encontrei pessoas incríveis que considero minha segunda família, bem como o trabalho dos meus sonhos e uma cidade maravilhosa que me deu total independência. Sempre será o país que mais me deu e onde encontrei meu caminho, algo que nunca esquecerei. Além disso, tenho uma tatuagem com temática russa no tornozelo, então certamente não vou esquecer.

Este relato faz parte de uma série de artigos da Russia Beyond sobre profissionais estrangeiros que trabalham e fazem negócios na Rússia. Você conhece alguém que possa ter algo a dizer ou queira compartilhar sua experiência pessoal?

Entre em contato conosco pelo e-mail info@rbth.com

LEIA TAMBÉM: Como se comportar na Rússia para não ofender ninguém

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies