Disponível na rede privada, teste rápido de coronavírus custa de R$ 65 a R$ 125 em Moscou

Serviço é oferecido como alternativa aos testes conduzidos pelo governo, que só são realizados em quem apresenta sintomas ou esteve no exterior.

Iúlia, que mora de Moscou, voltou da Suíça no dia 17 de março e recorda a experiência: “Não fomos autorizados a sair do avião até que um virologista subisse a bordo e medisse a temperatura de todos com uma câmera térmica”.

Teste a bordo no aeroporto Sheremetievo

Todos os voos internacionais para o aeroporto Sheremetievo, nos arredores de Moscou, foram direcionados para um terminal específico, e a fila para o controle de passaportes era enorme.

“Todos os passageiros foram divididos em dois fluxos: os que não eram de Moscou podiam passar e foram informados de que seriam abordados por médicos locais. Os moscovitas, no entanto, foram testados ali mesmo, antes de deixar o aeroporto. Cada médico sentado em uma mesa comprida tinha dois tubos: um para o cotonete do nariz, e o outro para o cotonete da garganta

Três dias depois, Iúlia foi informada de que um dos passageiros em seu voo havia testado positivo para o coronavírus e que ela deveria ficar em casa. “Eu já estava em casa de qualquer maneira, cumprindo as instruções das autoridades. Não pedi um atestado médico, porque nosso escritório havia adotado home office. Porém, ontem comecei a ter um pouco de tosse e já entrei em pânico”, diz Iúlia.

Ela obteve os resultados dos testes em 25 de março por e-mail: negativos.

“Então recebi uma ligação do posto de saúde local: eles me perguntaram se eu estava em casa e disseram que viriam para fazer um segundo teste.” Se o segundo teste for negativo, Iúlia poderia deixar o autoisolamento em 31 de março – se as autoridades não tivessem exigido que todos os moscovitas ficassem em casa desde sábado (28).

É possível fazer o teste mesmo sem ter viajado ao exterior?

Natália Grebeniuk, também moradora de Moscou, foi testada para o novo vírus depois de uma febre alta repentina e de chamar uma ambulância.

“Eu vim do trabalho com quase 39ºC e estava me sentindo tão mal que decidi chamar um médico”, conta Natália. “Eles perguntaram se eu tinha tido contato com alguém que esteve recentemente no exterior. Um dos meus colegas havia ido para Europa nas férias de março e foi provavelmente por isso que eles decidiram me testar.”

O médico que veio com a ambulância usou um cotonete nasal. “Eles me enviaram o resultado cinco dias depois”, diz a moscovita. Felizmente, negativo. “Porém, mesmo assim, eu tinha uma infecção viral respiratória aguda.”

Natália está atualmente de licença médica: o atestado oficial que lhe permite faltar ao trabalho foi emitido remotamente. No entanto, quando ela foi ao posto local para obter permissão para voltar ao trabalho, o médico disse que ela ainda não podia retornar à rotina e deveria ficar em quarentena em casa. “Ontem, recebi uma ligação da Rospotrebnadzor, e eles perguntaram como eu estava e se eu estava em casa”, diz Natália. “Eles me disseram para me isolar em casa até 4 de abril.”

E fazer o teste em Moscou sem prescrição médica?

Os testes de coronavírus prescritos pelas autoridades médicas são analisados ​​em laboratórios de Novosibirsk e no centro de peste antibubônica da Rospotrebnadzor, em Moscou. Os testes são realizados em russos que estiveram no exterior, bem como aqueles que tiveram contato com essas pessoas. Para garantir melhor precisão, os testes são feitos duas a três vezes, dependendo dos sintomas.

Mas também há vários laboratórios particulares oferecendo testes próprios e rápidos. Uma empresa chamada Gemotest oferece o teste em Moscou e em várias cidades da região de Moscou (por 1.900 rublos, ou cerca de R$ 125). Outra, chamada Helix oferece o teste em Moscou, São Petersburgo e Iekaterinburgo por 1.000 rublos (ou R$ 65). Ambas prometem resultados em alguns dias, e o procedimento leva 5 minutos.

Fila para o Centro Gemotest

“Os testes são feitos apenas em pacientes assintomáticos: aqueles cuja temperatura corporal não excede 37ºC e que não apresentam sintomas óbvios de infecção viral respiratória aguda, bem como clientes que não estiveram no exterior nas últimas duas semanas ou em contato com essas pessoas”, diz um porta-voz da Helix.

Os dois laboratórios obtiveram seus sistemas de teste no Vector Center em Novosibirsk e são credenciados pela Rospotrebnadzor. Trata-se de testes de PCR (reação em cadeia da polimerase), em que verifica-se a presença de DNA do vírus nas amostras. Cada teste leva de 8 a 12 horas para ser analisado. Os laboratórios de Moscou dizem que podem realizar de 2.500 a 3.000 testes por dia. Em outras regiões da Rússia, os centros particulares também estão se preparando para lançar testes rápidos de coronavírus já nas próximas semanas.

LEIA TAMBÉM: “Se seguirmos exemplo italiano, pandemia vai durar, na melhor das hipóteses, até setembro”

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies