Bebê dos EUA com marca de nascença do ‘Batman’ vai para a Rússia fazer tratamento inovador

Reuters
Após prognóstico negativo, médicos de Krasnodar prometeram remover marca de nascença enorme do rosto de criança de apenas 6 meses.

A bebê norte-americana Luna Fenner chegou a Krasnodar na quarta-feira (25) acompanha de sua mãe, Carol, para iniciar um tratamento médico incomum. Luna nasceu na Flórida, em março passado, com uma enorme marca de nascença semelhante à “máscara do Batman” no rosto.

Os pais esperavam que os médicos norte-americanos pudessem ajudar a remover a marca rapidamente, mas os cirurgiões disseram que o bebê seria submetido a dezenas de tratamentos a laser, o que levaria pelo menos quatro anos. O prognóstico também não era muito positivo.

Além disso, o plano de saúde da família se recusou a cobrir as despesas médicas da menina, e o tratamento particular custaria cerca de US$ 400 mil.

Os pais criaram um perfil no Instagram para expor a raridade do caso, mas a página foi inundada por comentários depreciativos, chamando Luna de “monstro” que “deveria ser morto”.

Quando iniciaram uma vaquinha on-line para arrecadar dinheiro para o tratamento, um cirurgião de Krasnodar, no sul da Rússia, soube do caso pela imprensa e ofereceu ajuda.

O médico russo, identificado como Popov, diz conhecer uma técnica pioneira, que envolve apenas 6 a 8 cirurgias, dura 18 meses e custa cerca de US$ 150 mil.

Carol e o marido, Thiago, decidiram então levar o filho para a Rússia: “Eles têm tecnologia que ainda não está disponível nos EUA”.

“Na verdade, antes de vir, todo mundo me chamou de louca, de tentar algo tão longe”, disse Carol a jornalistas russos no aeroporto de Krasnodar.

Segundo Andrei Aleksutkin, chefe do Hospital Krasnodar, onde Luna fará o tratamento, o primeiro estágio de cura começará no início de outubro, pois a bebê precisará se aclimatar primeiro.

“Já realizamos cirurgias semelhantes com pacientes americanos. A única diferença é que foram em uma área menor de pele. Porém, estamos confiantes de que o tratamento será bem-sucedido”, afirma Aleksutkin. Carol e Luna terão que viver em Krasnodar por todo o período de 18 meses do tratamento.

LEIA TAMBÉM: Como cientistas americanos salvaram criança soviética no início da Guerra Fria

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies