Número de turistas estrangeiros na Rússia aumenta 25% em relação ao ano passado

Konstantin Kokoshkin/Global Look Press
Entre os principais países de origem estão China, Alemanha e Coreia do Sul. Houve, porém, redução no fluxo de visitantes do Brasil e de outros latino-americanos.

No primeiro semestre de 2019, o número de turistas estrangeiros na Rússia chegou a 1,967 milhão, com um acréscimo de 25% em relação ao mesmo período do ano passado (1,574 milhão). A informação foi divulgada pela Associação dos Operadores Turísticos da Rússia (ATOR), com base em dados do Serviço Alfandegário do FSB.

Em primeiro lugar na lista dos principais países de origem dos visitantes está a China, com 591.980 turistas (aumento de 32,1%), seguida pela Alemanha (192,411, +17,6%), Coreia do Sul (169.588, +45,3%), Estados Unidos (90.801, +0,8%), Israel (77.272, +32%), França (72.899, + 41%), Itália (59.583, + 41.7%), Reino Unido (56.443, +0.5%), Espanha (37.862, +54,8%) e Índia (31.705, +49.6%).

O crescimento foi impulsionado sobretudo pelo impacto da Copa do Mundo na Rússia, realizada em junho e julho de 2018, mas também por mudanças no regime de vistos. Cabe lembrar que, nos últimos meses, o país iniciou a emissão de vistos eletrônicos gratuitos para Kaliningrado e, em breve, também para São Petersburgo.

LEIA TAMBÉM: Cidadãos de 53 países podem agora entrar na região mais ocidental da Rússia com visto eletrônico 

“O aumento mais significativo foi registrado entre turistas da Europa, do Sudeste Asiático e do Oriente Médio. Mesmo as visitas de cidadãos dos Estados Unidos e da Inglaterra, apesar dos atritos geopolíticos, não entraram em colapso, embora tenha havido um aumento nas chegadas da Austrália”, diz Maia Lomidze, diretora da Associação dos Operadores de Turismo da Rússia.

“Ao contrário dos europeus, no entanto, os turistas sul-americanos, que lotaram as cidades russas durante os jogos de futebol no ano passado, não voltaram, portanto, as estatísticas mostram uma queda nos fluxos vindos do Brasil, Argentina, Colômbia, Uruguai, Bolívia”, conclui.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies