Os golpes das belas moças russas que “te amam” (#sqn)

Loe Moshkovska/Pexels
As russas continuam a ser colocadas no topo do ranking mundial por homens de todo o planeta. Mas ir atrás delas on-line é muito arriscado. Especialmente se a moça te contatar primeiro.

O nome dela era Aliôna e ela era uma loira de 26 anos, de São Petersburgo, de pele clara e olhos cinzas penetrantes. Mark, de 37 anos, conheceu-a no aplicativo de namoro “Badoo”, em abril, quando planejava uma viagem curta à Rússia.

Ainda em Lyon, onde vivia, ele mudou a geolocalização para São Petersburgo com o objetivo de conhecer russas antes de chegar ao país. Foi Aliôna quem lhe escreveu primeiro.

Em inglês, ela dizia: "Estou buscando um homem que queira desenvolver um relacionamento de longo prazo e cheio de amor". Mark ficou surpreso, mas continuou a conversa. "Ela era muito fofa e engraçada", lembra ele.

Eles trocaram mensagens no Badoo por uma semana, depois mudaram para o WhatsApp. Ela mandou algumas fotos: comendo pizza com amigos, tomando café à beira de um rio, além de algumas selfies no sofá.

Eles conversaram sobre a Rússia, literatura, hóquei (o esporte favorito de Mark) e viagens. É que Aliôna nunca tinha estado no exterior. Ela sempre dizia que queria ir a algum lugar, mas nunca teve a oportunidade, que era muito caro para os russos fazer este tipo de viagem.

Duas semanas depois, Mark sugeriu que eles se encontrassem em São Petersburgo. Mas ela disse que tinha que visitar a avó em Rostov. "Eu estava chateado. Mas estava pronto para mudar meus planos. Eu gostava dela”, conta.

Então, ele perguntou se podia ligar para ela, mas Aliôna começou a ter vários "problemas de conexão". A essa altura, ela já tinha chamado dito a Mark algumas vezes que ele era o “provável destino” dela.

Ela pediu que ele mandasse dinheiro para ela comprar um telefone novo ou consertar o velho e poder ouvir a voz dele. O valor: 500 euros. Quando Mark se recusou, Aliôna o bloqueou no WhatsApp e o deletou no Badoo. E desapareceu.

Garotas ‘azaradas’

O que aconteceu? Ela era interesseira? Não, foi apenas um golpe romântico, um tipo comum de fraude on-line, quando um cibercriminoso dá em cima da vítima, “se apaixona” e, de repente, tem “problemas financeiros”.

As fotos provavelmente não eram de Aliôna. Os golpistas costumam roubar fotos on-line. É provável até mesmo que "Aliôna" não fosse mulher. Os golpistas simplesmente usam como isca fotos de mulheres russas para esvaziar os bolsos de estrangeiros ingênuos.

De acordo com a TV russa, somente os australianos enviam US$ 25 milhões por ano a golpistas na Rússia e em outros países ex-soviéticos (principalmente Ucrânia e Bielorússia) que se passam por garotas em busca de romance. Homens dos EUA transferem uma quantia similar, seguidos pelos da Grã-Bretanha, da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos.

LEIA TAMBÉM: Máfia de mendigos e outros golpes a evitar na Rússia (mas também como ajudar)

Isto é prova de que golpes ingênuos ainda funcionam: “Uma mulher russa me pediu para abrir uma conta no meu banco. Ela disse que quer depositar dinheiro nela. Quando ela depositar, quer que eu tire o dinheiro e o envie para ela. É golpe?”. Esta pergunta está publicada no site de perguntas e respostas “Quora”.

A resposta é: certamente! Quantas vezes você pediu a um total estranho, em outro país, para abrir uma conta bancária para você?

Até golpistas amadores conseguem fazer seu pé de meia.

“Uma russa chamada Karine Popova me enviou e-mails com fotos, vídeos curtos e conversas. Sempre que eu respondo ela diz que não tem redes sociais, que usa o celular de onde trabalha, bloqueado para ligações internacionais, que me escreve do computador do trabalho, que o computador está quebrado etc. Tenho quase certeza de que se trata de golpistas, mas eu simplesmente não sei como eles conseguem que as fotos e vídeos pareçam tão convincentes”, diz o leitor do Russia Beyond Wander Och.

Máquina de fazer dinheiro

Poucos golpistas agem sozinhos. Assim, não é de surpreender que eles possam produzir fotos verossímeis ​​e até mesmo conversar on-line.

Em fóruns sobre a busca de estrangeiros para serem noivos, namorados, patrocinadores, publica-se abertamente: “Se você sabe um idioma estrangeiro e quer ganhar um pouco de dinheiro, por que não? Traduzir ou escrever mensagens, ir a encontros. Para mim, é só um trabalho secundário que, no verão, por exemplo, dá muito dinheiro”, escreve uma pessoa que se identifica como Anguelika.

Ela também explica que as moças golpistas ganham uma parte dos lucros em aluguel, diárias de hotel, presentes, restaurantes etc.

As agências matrimoniais são outro esquema bastante difundido. “Uma vez me candidatei a um emprego em um desses lugares. Era um apartamento de dois cômodos em um prédio alto no bairro de Tcheriômuchki. Apesar de eles não terem me recrutado, aprendi como essas coisas funcionam ”, disse ao Russia Beyond uma mulher que não quis ser identificada.

A falsa agência de casamentos pega fotos verdadeiras de mulheres na internet, mas uma “meio de campo” (“uma mulher de meia-idade e voz agradável”, segundo ela) é quem conversa com os “noivos”.

O primeiro pedido de dinheiro para cobrir “necessidades” vem na fase de comunicação escrita. Quando se passa para a comunicação oral, pede-se mais dinheiro.

Há também sites de paquera internacionais, e o número de golpistas que os usam é enorme. Em apenas quatro horas no site, um moço diz ter sido abordado por pelo menos cinco golpistas.

Além disso, há os adorados aplicativos de encontros, como o “Tinder”. Mas o que ajuda os golpistas é, sobretudo, é o desejo das pessoas de não serem algo real.

“Recentemente são sobretudo moças russas tentando me convencer de que estão apaixonadas por mim (Euuuuu?!?!?! Esse velho feio?) e me enviando fotos de modelos russas ultra sexy fingindo que são fotos delas mesmas”, diz Francis Xavier, um guia turístico de Hamburgo, na Alemanha.

Todas as russas são golpistas?

Uma verificação rápida em fóruns com mulheres russas em busca de homens estrangeiros sugere que a resposta seja “não”. Mas raras entre elas parecem dispostas a viajar a qualquer lugar às suas próprias custas.

Além disso, muitas não têm dinheiro nem para o visto (isto pode custar para mulheres um terço do salário mensal de uma mulher do interior).

Os russos também continuam a acreditar que gastar dinheiro prova as intenções de uma pessoa: “Os homens estrangeiros não apreciam os sacrifícios que as mulheres fazem e começam a levar mais a sério a busca por uma mulher russa quando põem dinheiro nisto”, escreve Evguênia.

Estas dicas úteis ajudarão a identificar golpistas:

- A primeira mensagem dela parece clichê e impessoal, ela não faz uma única pergunta e fala apenas sobre si mesma. Esta mensagem é  ideal para ser enviada a diversas vítimas ao mesmo tempo.

- Desde o início, ela está buscando um relacionamento "sério", um parceiro para a vida toda. Tudo nela é "sério".

- Ela não tem conta no Facebook, no Twitter, no Instagram. Na verdade, não existe nenhum rastro dela on-line.

- Mas ela te deu o e-mail dela. Sério, ninguém bate papo por e-mail hoje em dia. Só golpistas.

- Ligue para ela no Skype ou outro aplicativo de vídeo. É golpe se a câmera dela estiver sempre quebrada quando você quiser ligar.

- Faça uma pesquisa de imagens no Google ou no TinEye usando as fotos que ela te mandou. Talvez seja uma foto de estoque ou de outra pessoa.

- Ela não tem conta bancária e não pode abrir uma por algum motivo obscuro. Golpistas usam sistemas de transferência de dinheiro como o Western Union, porque o destinatário não pode ser rastreado.

- As histórias dela estão cheias de inconsistências. Porque há muitos de “vocês” e só uma “dela”, então “ela” não tem tempo para checar as mensagens.

- As coisas dela estão sempre quebrando, alguém está sempre ficando doente e, depois, pode ser até morrendo perto dela. E seu dinheiro é sempre a solução.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies