Os russos preferem a vodca

Legion Media
Talvez a vodca não seja a preferência unânime dos russos, mas eles sempre encontram uma vantagem em sua ingestão.

Um clichê que pode parecer ridículo é o de rotular todos os russos como amantes ardentes da vodca. As garotas bebem coquetéis, os “hipsters” gostam de cerveja artesanal e os casais – tendência mundial? - enchem seus armários e contas do Instagram de vinhos. Onde fica a vodca, então?

As estatísticas frequentemente mentem. Em 2012, a Rússia dominava monstruosamente o consumo mundial de vodca; em 2018, as autoridades noticiaram um recorde de queda, de 80%.

No mínimo, ambos os números não mediram com precisão o amor dos russos pela vodca. Mas danem-se os números: os russos amam vodca - às vezes, por razões muito criativas. 

Fator alimentar

A vodca não é nem aperitivo, nem digestivo. Ela cai bem com comida. Mas o truque é ela cai bem mesmo com comida russa.

“O segredo da vodca está no acompanhamento certo e na boa companhia. A vodca cai bem, idealmente, com pratos da cozinha russa: pepino em conserva, cogumelos em conserva, arenque com batatas cozidas, diversos entes tipos de gordura”, diz o moscovita Vsevolód.

Faz sentido: os russos, assim como qualquer outra nação, instintivamente buscam uma bebida que combine com a comida que têm na mesa.

Qualidade e Saúde

Muitas pessoas na Rússia acreditam piamente que a vodca faça menos mal a um bebedor que outras bebidas alcoólicas, como o uísque e o conhaque. Às vezes, os próprios médicos reafirmam esta crença.

“Um médico proibiu meu avô de ingerir bebidas alcoólicas depois de uma cirurgia cardíaca. Mas ele disse ao meu avô que, se ele ‘quisesse muito mesmo beber’, só deveria beber vodca. Não faço ideia se há justificativa científica por trás disso, mas meu avô segue piamente a recomendação”, contou a petersburguense Ksênia.

A maioria dos iniciados na arte de beber mede o dano que o álcool lhes causa pela ressaca: se não há ressaca, não há danos. Apesar de isto não ser estritamente verdade, muitos russos têm uma opinião forte sobre o assunto.

“A vodca passa por um processo de destilação várias vezes, não contém álcool fuselol, que causa intoxicação pesada, e a vodca cara não contém açúcar. Como resultado, a vodca causa apenas uma ressaca leve e agradável”, diz o moscovita Dmítri, que prefere a vodca a qualquer outro destilado forte.

Dinheiro e juventude

Mesmo quem partiu para destilados mais chiques (e caros) enquanto subia socialmente na vida preferia a vodca quando era mais jovem. Isto acontece principalmente porque a bebida é muito acessível no país - e muito eficaz.

“Hoje prefiro beber vinho ou cidra. Mas, na minha juventude, eu costumava beber vodca. Era bom para o bolso me reunir com os amigos e tomar vodca misturada com suco – e o efeito era rápido”, conta Aleksandra, de São Petersburgo.

A vodca é realmente muito mais barata em comparação com qualquer outro tipo de bebida na Rússia, especialmente as importadas. O custo líquido de uma garrafa fabricada na Rússia pode ser de apenas 35 rublos (R$ 2) para uma garrafa padrão de meio litro.

Hoje, o governo regula o preço mínimo para uma garrafa padrão de vodca. Atualmente ele é de 215 rublos. Mas as marcas premium chegam a cobrar R$ 450 por uma garrafa de meio litro – isto sem contar as super-exclusivas e de edições limitadas. Mas, geralmente, até as marcas premium são vendidas por um preço mais baixo.

Isso faz da vodca um destilado tão acessível que pessoas de qualquer renda podem comprá-la sem pestanejar.

Mas a popularidade imensa da vodca na Rússia também está em suas propriedades laterais: é sempre bom tê-la à mão para desinfetar uma ferida, por exemplo. Ela também funciona como um antitérmico eficaz ao ser passada no corpo do paciente febril.

LEIA TAMBÉM: O que bebiam os personagens da literatura russa

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies