Após pressão social, Rússia vai libertar grupo de orcas e belugas

Domínio público
Animais capturados em 2018 serão levados a centro de cuidados e depois devolvidos a habitat natural. Cativeiro responde a dois processos criminais.

As orcas e belugas mantidas em cativeiro na Baía de Srednia (na região de Primorie, no Extremo Oriente da Rússia), apelidada de “prisão de baleias” por ambientalistas, serão transferidos para o Centro de Cuidado de Grandes Animais Marinhos, em uma das baías da ilha Russky, perto de Vladivostok.

No ano passado, 11 orcas e 90 belugas foram capturadas no mar de Okhotsk e posteriormente enviadas à Baía de Srednia para venda a oceanários.

A notícia mobilizou tanto a opinião pública como ativistas pelos direitos dos animais. O caso chamou a atenção das autoridades, e dois processos criminais foram iniciados por pesca ilegal e maus-tratos.

LEIA TAMBÉM: Mudanças climáticas estão provocando ‘holocausto’ de aves no Ártico, dizem pesquisadores 

A decisão de enviá-los a um centro de cuidados foi tomada durante uma reunião na quinta-feira passada (7), em que participaram o vice-primeiro-ministro Aleksêi Gordiev e representantes de diversas instituições, incluindo o Ministério de Ecologia e Recursos Naturais, a Procuradoria-Geral da República e o Comitê de Investigação. As autoridades decidiram tomar medidas para reabilitar os mamíferos e depois devolvê-los ao seu ambiente natural. No entanto, o último passo só será dado “se não houver riscos para a vida dos animais”.

Para a realização do projeto, serão contratados cientistas e ecologistas.

No entanto, segundo o vice-ministro, para garantir o bem-estar dos animais, a transferência só será possível depois que o gelo do inverno derreter e as temperaturas estiverem acima de 0ºC.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies