Mausoléu de Lênin ficará fechado por dois meses para conservação do corpo

AP
Procedimento periódico permite preservação há mais de 90 anos.

O Mausoléu de Lênin permanecerá fechado ao público até 16 de abril de 2019 “para a execução de trabalhos de profilaxia”, segundo um comunicado do Serviço de Proteção Federal da Rússia (FSO), o órgão responsável pela segurança dos altos funcionários. Esse tipo de trabalho de conservação é comum, destacou o FSO.

A múmia do líder bolchevique foi instalada na Praça Vermelha, em Moscou, desde 1924, logo após sua morte. As autoridades soviéticas decidiram preservar o corpo e colocá-lo em um mausoléu no coração da capital soviética.

A ideia inicial era congelar o corpo, mas os químicos Vladímir Vorobiov e Boris Zbarski sugeriram embalsamá-lo em março de 1924, quase dois meses depois de sua morte. A fórmula que propuseram evitava a decomposição, mas provocava ressecamento e mudança de cor e forma do corpo. Mesmo assim, Zbarski alegou que o congelamento não era a melhor opção, já que mesmo em baixas temperaturas o corpo continuaria a se decompor. Em 1º de agosto de 1924, o mausoléu da Praça Vermelha foi aberto ao público – e ali permanece até os dias de hoje.

Conservado há mais de 90 anos

Para preservá-lo, os cientistas extraíram todos os órgãos internos e substituíram os líquidos por substâncias especiais de embalsamamento que interromperam o processo de decomposição.

LEIA TAMBÉM: 3 múmias russas famosas (que vão muito além de Lênin!) 

Durante alguns períodos da época soviética havia até 200 especialistas trabalhando no “laboratório de Lênin”, segundo Aleksêi Iurtchak, professor de antropologia social em Berkeley. Embora atualmente esse número seja menor, a cada ano e meio, especialistas do Centro de Biotecnologia e Medicina (CBM) submetem o cadáver a uma série de procedimentos bioquímicos. O corpo – o que resta dele, cerca de 23% – é imerso em um líquido conservante, mantendo a aparência, a elasticidade da pele e a flexibilidade das articulações. Segundo os cientistas russos, com a utilização desses métodos, o tempo de conservação é praticamente indefinido.

O líquido também conserva o esqueleto, os músculos, a pele e outras partes do tecido. Todos os órgãos, incluindo o cérebro, foram removidos. Aliás, esse órgão do líder soviético foi meticulosamente examinado pelo Instituto do Cérebro da URSS, criado logo após sua morte, com o objetivo de estudar suas “qualidades extraordinárias”.

Além de Lênin, esse laboratório de Moscou se ocupou do embalsamamento de outros líderes comunistas, como o vietnamita Ho Chi Minh, o líder búlgaro Gueorgui Dimitrov e os norte-coreanos Kim Il-sung e Kim Jong-il, além do corpo de Stálin.

Lugar de peregrinação e controvérsia

Durante o período soviético, o mausoléu da Praça Vermelha era um local de peregrinação e símbolo dos ideais leninistas, recebendo até 2,5 milhões de pessoas por ano, desde cidadãos soviéticos a delegações estrangeiras.

No entanto, o embalsamamento e mausoléu de Lênin é objeto de debate social na Rússia desde a queda da URSS em 1991. Diversas pessoas são a favor de demolir o mausoléu e enterrar Lênin, mas as pesquisas mais recentes mostram que não há consenso sobre o que fazer com a múmia do líder revolucionário.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies