Na contramão para o sucesso: a trilha de Jon Bernthal de Moscou para Hollywood

Marco Fieber/Flickr, William Yeh/Marvel Television, 2017
Ator é, talvez, o único não eslavo em Hollywood que começou atuando na Rússia.

Estrela de “Corações de Ferro” (2014) e “The Walking Dead”(2010-), Jon Bernthal está indo mais longe como protagonista da série de TV “O Justiceiro” da Marvel, com sua segunda temporada recentemente lançada pela Netflix.

Bernthal é único entre os atores de Hollywood por uma razão em particular: escolheu a Rússia como plataforma de lançamento, e o país ajudou a moldar sua carreira.

Por que a Rússia?

Em 1999, Bernthal, aos 23 anos, deixou o Skidmore College em Saratoga Springs, onde jogava beisebol, e viajou à Rússia para ter aulas de teatro no Escola-estúdio do Teatro de Arte de Moscou. Ali foi orientado por Alma Becker. Grande fã do teatro russo, Becker insistiu que Bernthal fosse à Rússia.

O conselho acabou sendo seguido, embora o ator soubesse que nenhum norte-americano jamais havia trilhado esse caminho rumo à fama. Com nenhuma habilidade na língua russa, Bernthal chegou à Rússia e fez um teste na Escola-estúdio do Teatro de Arte de Moscou. Aprovado, deu início a seus dois anos na capital russa.

Primeiro baque em Moscou

Quando estudante, a futura celebridade não levava exatamente uma vida de luxo. Morava em um pequeno apartamento no centro de Moscou com outras três pessoas, às vezes dormindo no chão. “Você ligava as luzes do banheiro à noite e via baratas saindo por todos os cantos” lembrou Bernthal.

A Rússia no final dos anos 1990 estava apenas emergindo da profunda crise econômica da era pós-soviética, tomada pela corrupção e por gangues de bandidos depredando e tomando fábricas. Em seu terceiro dia no país, ficou cara a cara com a máfia russa. Estava voltando para casa à noite (era seu aniversário e ele estava um pouco perdido) em uma rua deserta perto do Parque Kultury, quando um carro parou em sua frente. Dois homens saíram, abriram a porta dos fundos e puxaram uma mulher com um vestido de noite vermelho pelos cabelos.

“Ela não protestava. Não gritava. Ela me olhou fixamente. Lembro-me de pensar que ela se parecia com Nicole Kidman”, disse Bernthal. “Eles a puxaram para a calçada, foram para a lateral do prédio e estavam esmagando sua cabeça contra a cabeça.”

VEJA TAMBÉM: Quais estrelas de Hollywood têm um pé na Rússia? Faça o teste e descubra 

Bernthal correu e, gritando, agarrou um dos caras, que sacou uma arma, apontou para a sua cabeça e disse em inglês: “Cai fora!”. 

Experiência para a vida

“Eu sou extremamente grato pelo meu tempo em Moscou. Sinto que estudar lá fez de mim um homem. Me transformou em um artista, e abriu meus olhos”, disse.

Bernthal também teve aulas com Oleg Tabakov, uma das estrelas mais célebres do cinema russo. Segundo ele, o estudo no teatro era “difícil, mas incrível”.

“Foi um verdadeiro privilégio estar lá. Foi uma disciplina difícil. Eu cresci praticando esportes, boxe e etc. Meu tempo no Teatro de Arte de Moscou foi tão rigoroso e duro, e talvez mais disciplinado que qualquer um desses esportes que eu joguei”, disse.

Bernthal gostava da forma dura e sincera de estudar na Rússia. “Se você não é bom, eles te dizem que você não é bom e que precisa sair”, ele disse, acrescentando que nunca lhe disseram que não era bom. “Talvez, eles não tenham tido tempo suficiente”, brincou.

Além de atuar, a estrela de “O Justiceiro” jogava beisebol na liga semiprofissional local e até estudava acrobacia e balé. Como lazer, gostava de andar pelas ruas de Moscou, passando pelos vários monumentos a poetas, escritores, dramaturgos e pintores.

E foi a Rússia que deu ao norte-americano a oportunidade de garantir seu lugar em Hollywood. Enquanto em Moscou, o diretor do Instituto de Treinamento Avançado de Teatro da Universidade de Harvard notou Bernthal, convidando-a obter seu Mestrado em Belas Artes (MFA). Depois de dois anos em Moscou, Bernthal decidiu retornar aos Estados Unidos.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies