Primeiro vulcão “extraterrestre” é descoberto na península de Iamal

Scientific Reports
Formação única só havia sido observada antes em planetas e luas geladas.

Geólogos da Universidade Estatal de Moscou Lomonossov (MGU, na sigla em inglês) descobriram um criovulcão, fenômeno completamente novo na Terra e que só tinha sido observado em planetas e luas geladas, durante uma expedição à península de Iamal, no norte da Rússia.

De acordo com o jornal russo “Izvêstia”, a cratera foi descoberta ainda em 2014, mas, devido à sua localização, longe de qualquer campo de gás conhecido, a origem de sua formação permanecia sem explicação desde então.

No entanto, durante a recente expedição, os pesquisadores foram capazes de identificar que a cratera havia se formado como resultado de uma explosão de gás resultante da atividade de microrganismos na camada descongelada do permafrost (solo composto por terra, gelo e rochas permanentemente congelados).

“A aplicação de diferentes métodos levou ao mesmo resultado: a cratera de Iamal é um novo fenômeno natural, ao qual decidiu-se chamar criovulcão, por analogia com o termo usado na paleontologia”, explica Andrêi Bitchkov, da faculdade de geoquímica da MGU.

Cabe lembrar, segundo os especialistas, que os criovulcões (vulcões gelados) estudados anteriormente se distinguem pela emissão, não de lava, mas elementos voláteis, tais como vapor de água, monóxido de carbono, dióxido de carbono ou metano.

Achou curioso? Então confira outras 5 vezes em que a Rússia dominou a ciência.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Então assine nossa newsletter semanal ou diária.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies