De delivery de R$ 170 mil a jogar dinheiro pela janela, as loucuras dos ricaços russos

Quando se pode comprar qualquer coisa, a vida pode ficar um pouco chata. Mas, para esses russos endinheirados, não falta criatividade na hora de apimentar as coisas – desde jogar dinheiro pela janela a enviar vibradores para seus concorrentes.

Oleg Tinkov: Guerra contra blogueiros

Tinkov em viagem pela Itália, em 2015

Quem é: Tinkov é o fundador da marca Tinkoff, o primeiro e único banco on-line da Rússia. Em 2017, sua fortuna está sendo estimada em US$ 1,2 bilhão.

O que ele fez: Tinkov tem ameaçado os blogueiros do YouTube na Rússia com ações judiciais sobre vídeos nos quais ele é retratado de forma indesejada. Os blogueiros alegam que Tinkov tem as mãos sujas em “negócios duvidosos”, é grosseiro e mentiroso, trata mal seus funcionários e não se preocupa com seus clientes. Tinkov nega as acusações e lançou uma campanha em sua conta no Instagram convidando os usuários a “deletar o serviço de mensagens instantâneas Telegram em troca de pagamento” (isso se deve a uma disputa de longa data com o fundador do Telegram, Pável Durov). O dinheiro prometido, porém, nunca se materializou. Em 2003, Tinkov também teria jogado uma caneca de cerveja em um colega banqueiro. Além disso, o empresário costuma publicar fotos nuas no banho e, de tempos em tempos, apresenta citações memoráveis ​​como a seguinte: “Prometo dizer a verdade 99% do tempo. Por que 99%? Bem, suponhamos que me perguntem se eu me masturbo, e eu diga não.”

Serguêi Polonski: 24 horas em um caixão lacrado

Polonski escoltado por policiais no Camboja

Quem é: Polonski é o fundador do Mirax Group, que já figurou na lista das cinco maiores empresas de desenvolvimento imobiliário da Rússia. Sua empresa construiu, por exemplo, o prédio mais alto da Europa: a Torre da Federação, com 374 metros, que está situada no centro empresarial de Moscou conhecido como Moscow City. Em 2008, a fortuna de Polonski era estimada em US$ 1,2 bilhão. Três anos depois, a Mirax entrou em falência devido às enormes dívidas, e, embrenhado em fraudes, o empresário fugiu do país. Neste ano, Polonski foi condenado a cinco anos de prisão, mas libertado, porque o crime prescreveu durante o período pré-julgamento.

O que ele fez: Embora conhecido pela declaração (que se tornou meme no país) “Aqueles que não têm um bilhão podem se f****”, Polonski alega que suas palavras foram tiradas de contexto. Segundo ele, o que quis dizer é que as pessoas ricas convidadas para uma apresentação da empresa deveriam ser cobradas pela entrada. 

Polêmica à parte, o nome do empresário já esteve envolvido em outras circunstâncias bizarras: ele já passou 24 horas em um caixão fechado em um cemitério; deu o nome de sua empresa, Mirax, não só a seu cão, mas também ao filho; comeu um pedaço de gravata ao vivo na televisão, jogou-se debaixo de um caminhão e iniciou uma greve de fome de seis dias, em protesto “contra a ilegalidade cometida por invasores” que o impediam de terminar um projeto de construção . Além disso, durante uma reunião, ele chegou a destroçar o telefone de um membro do conselho contra a parede e depois voltou a o seu assento, sem dizer uma palavra e como se nada houvesse ocorrido.

Pável Durov: Chuva de dinheiro

Durov, durante evento na Praça do Palácio, em São Petersburgo

Quem é: Durov é um dos fundadores da redes social mais popular da Rússia, VKontakte, e do serviço de mensagens instantâneas Telegram. Em 2014, ele emigrou da Rússia. Sua fortuna é atualmente estimada em US$ 950 milhões.

O que ele fez: Tirou sarro dos serviços secretos russos ao publicar uma foto de cachorro com a língua pra fora em resposta a um pedido do FSB (Serviço Federal de Segurança) para bloquear o acesso de grupos de oposição no VKontakte. Em 2010, Durov descreveu seu principal acionista, o Grupo Mail.ru, como “uma holding de lixo” e respondeu aos rumores de aquisição da rede social com uma fotografia retratando um gesto obsceno. No entanto, esse magnata da tecnologia é ainda mais conhecido por outra loucura: em 2012, durante as celebrações do Dia de São Petersburgo, Durov e seu vice jogaram várias notas de 5.000 rublos (R$ 275 cada) pela janela de seu escritório na famosa e movimentada Nevsky Prospekt.

Os transeuntes brigavam pelo dinheiro, enquanto Durov ria, segundo testemunhas. “Colegas decidiram se juntar à atmosfera festiva por meio de uma brincadeirinha, mas [esta] logo foi abortada porque as pessoas enlouqueceram”, descreveu em seu Twitter.

Evguêni Tchitchvarkin: Vibradores de presente

Tchitchvarkin em entrevista a rede de TV britânica

Quem é: Tchitchvarkin é cofundador e ex-coproprietário da maior loja de telefonia móvel da Rússia, a Yevroset. Desde o final de 2008, entretanto, ele vem investindo no ramo de vinhos no Reino Unido.

O que ele fez: Tchitchvarkin ganhou a reputação de “rei do marketing agressivo” ao dar telefones celulares para qualquer pessoa que fosse à sede da empresa e se despisse diante de outros clientes. Além disso, para celebrar o Ano Novo, ele enviou de presente a seus concorrentes vibradores acompanhados do seguinte bilhete: “Queria um presente? Por que você não vai se f****”. Os slogans de campanhas publicitárias também costumavam conter palavras obscenas. Tchitchvarkin é conhecido ainda por seu estilo único, muitas vezes vestido com roupas espalhafatosas ou rasgadas.

Roman Abramovich: Delivery de sushi por R$ 175 mil

Roman Abramovich

Quem é: Abramovich é dono de uma das maiores empresas de metais da Rússia, Evraz, e proprietário do clube de futebol britânico Chelsea. Seu patrimônio líquido em 2017 é estimado em US$ 9,1 bilhões.

O que ele fez: Certa vez, quando estava em Baku, Abramovich encomendou sushi do restaurante londrino Ubon. O pedido saiu por £ 1.200. Ele então chamou uma limusine para levar o sushi ao aeroporto, de onde um jato privado percorreu quase 5.000 km até chegar a Baku. O custo total, incluindo entrega, foi de £ 40 mil.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais