5 motivos para escolher a Universidade Estatal de Tiumên

UTMN
Estudar em uma universidade siberiana pode parecer exótico... Mas, além da possibilidade de ver a Rússia como ela é e sentir um gostinho dos rincões do país, a Universidade Estatal de Tiumên (UTMN) é um dos maiores centros educacionais da Sibéria, oferece uma formação acadêmica robusta, além de muitos outros prós!

Tiumên é uma das maiores cidades da Sibéria: um município de engenheiros petroleiros, poetas, atletas e pesquisadores. Ali, bem no centro da cidade, existe um enorme campus universitário com 15 prédios e quatro alojamentos universitários onde mais de 25.000 estudantes moram e estudam. Quais são as possibilidades disponíveis aos alunos da UTMN?

1. Você poderá participar de experimentos científicos internacionais e ser coautor de artigos ou trilhar uma carreira no mundo dos negócios.

Encontro do Conselho da Associação de Estudantes Estrangeiros.

Desde sua fundação, no início dos anos 1930, a universidade estabeleceu ligações com as principais instituições da Rússia e passou a buscar acordos com instituições de ensino superior no exterior.

A especialidade da universidade é biologia, ciências da terra, química, física e matemática – áreas em que os contatos com colegas internacionais são indispensáveis.

Hoje, é claro, ensinam-se na UTMN não apenas ciências exatas e biológicas. A universidade também oferece disciplinas de humanas, como psicologia, direito e finanças, e tornou-se o objetivo de inúmeros jovens em busca de desenvolvimento profissional e pessoal, além de interessados em experimentar como é a vida e os estudos em outro país.

Ali, há laboratórios científicos de áreas que vão da fotônica à geografia histórica. Há também seis conselhos de dissertação, além de programas de mestrado, doutorado, pós-doutorado e outros – ou seja, você pode obter o grau científico que quiser na universidade!

A atividade científica começa na UTMN logo após você ingressar na universidade, já que há ali inúmeras comunidades científicas estudantis em alta atividade.

“O que mais me interessou na UTMN foi a possibilidade de fazer pesquisas científicas. Na Rússia, os alunos precisam participar de conferências e publicar artigos, o que lhes dá um senso de responsabilidade durante os estudos”, diz a estudante francesa de filologia da UTMN Julie Gerber.

Sociedade dos Engenheiros Petrolíferos da universidade, por exemplo, é uma associação internacional sem fins lucrativos de cientistas especializados em exploração de petróleo e gás que conta com mais de 120.000 membros em 135 países.

Como se pode ver na página do Facebook de sua filial na UTMN, no final dos cursos e atividades científicas da universidade, é possível se tornar membro da sociedade.

Os graduandos da UTMN são altamente desejados por empresas petrolíferas, tais como a Schlumberger, o Grupo HMS e a Novatek. A Gazprom Neft, uma das maiores petrolíferas da Rússia, tem uma parceria especial com a UTMN, com o patrocínio de um programa de mestrado em engenharia conceitual de campos de petróleo e gás e um subsídio à Escola Politécnica da universidade. Já na área de humanas existe o Oxford Russia Fund, que funciona em conjunto com a UTMN desde 2008 e já concedeu, desde 2008, bolsas de estudos especiais com duração de 10 meses a mais de 90 estudantes.

Outro projeto ambiental e científico internacional da UTMN importante é sua participação no PEEX (Experimento Pan-Eurasiano), no estudo da ecologia e do clima da Eurásia Setentrional.

Neste projeto, cientistas da UTMN estão ajudando a estabelecer uma Estação para Medição das Relações Ecossistema-Atmosfera em Iamal para o estudo do permafrost. Mas isto é apenas uma pequena fração da atividade científica geral da universidade.

2. Você aprenderá russo em um ambiente natural

Os estudantes estrangeiros podem se inscrever em todas as faculdades e departamentos da universidade. Na UTMN, há também programas em inglês: mestrado em biossegurança de plantas e programas na Escola de Pesquisas Avançadas.

Mas os estudantes internacionais normalmente estudam junto a seus colegas russos, e têm aulas em russo. Os estrangeiros podem optar por fazer cursos intensivos de russo em um departamento especial (Programa Preparatório).

"Eu falo só russo com os russos. Estudei a língua em aulas na escola, mas sem muito sucesso. Mas assim que cheguei aqui, tudo ficou mais fácil e divertido. Eu melhorei muito em apenas algumas semanas. E claro que os estudantes russos sempre querem praticar línguas estrangeiras com a gente também!", diz Julie.

"É comum que nós, estudantes de língua inglesa, nos aproximemos dos russos oferecendo ajuda com o inglês em troca do russo", conta o estudante Daniel Oene-Agekum, de Gana, que estuda no Instituto de Matemática e Ciência da Computação da UTMN.

Os professores entendem os erros dos estrangeiros", mas isso não significa que eles nos mimem, e todos os alunos têm que estudar para valer", diz Julie.

Existe ainda um departamento de apoio especial para estudantes estrangeiros. Segundo Julie, as regras da universidade parecem muito complicadas no começo, por isso a seção de relações internacionais ajuda muito.

“A equipe de funcionários conhece todos os alunos estrangeiros e está sempre pronta para ajudar se você estiver perdido. Aliás, não era assim em Moscou, onde estudei cinco anos atrás”, conta ela.

3. Você fará amizade com estudantes do mundo todo

Os estudantes estrangeiros realmente fazem amizade com os russos? "Sim, isto é um estereótipo, mas eu o comprovei: no começo, os russos são educados e reservados, mas assim que você os conhece melhor, eles se abrem e demonstram grande interesse. Você se sente algo fora do comum”, diz Julie.

"Frequentemente os estudantes russos se ofereciam para me ajudar no começo, quando eu não entendia nada na sala de aula. Mais tarde, se descobríamos ter interesses em comum, começavam ótimas amizades", diz Daniel.

“Você pode ir a qualquer lugar da cidade sabendo um pouco de russo. Às vezes, as pessoas no transporte público falam comigo, perguntam de onde eu sou e onde eu estudo. Às vezes, os moradores locais, especialmente os mais velhos, sabem um pouco sobre os países africanos e até tentam adivinhar de onde eu venho. É muito divertido", completa.

Daniel Ohene-Agyekum, estudante da UTMN.

Hoje, há mais de 780 estudantes estrangeiros de todo o mundo na UTMN. Em 2018, quando aumentou o número de estudantes internacionais, estabeleceu-se a Associação de Estudantes Estrangeiros, que agora tem representantes da China, Vietnã, América Latina, África e mundo árabe (seu grupo de VKontakte pode ser conferido aqui).

A associação atrai estudantes com todos os tipos de interesses, desde futebol a temas intelectuais e discussões sobre a vida nos alojamentos estudantis.

Na UTMN também funciona o “Buddy Program”, em que o estudante de outro país se encontra com um estudante russo que, sem muita formalidade, fala sobre onde morar, como preencher documentos etc.

“Eu cheguei à UTMN em outubro passado para iniciar o Programa Preparatório e recebi ajuda de vários estudantes russos, que me mostraram onde ficava a universidade, os alojamentos e as lojas, me ajudaram a comprar um chip de telefone e roupas de inverno – já que, mesmo em outubro, em Tiumên estava muito frio. Eles também me levaram para conhecer o supervisor do meu curso, de Software e Administração de Sistemas, para eu me inscrever no programa”, conta Daniel.

4. Você descobrirá seu potencial criativo, melhorará sua comunicação e aprenderá a falar em público

"Eu fiz a maior parte das minhas amizades não em aula, mas em diversos projetos estudantis, nos festivais de teatro e música e na 'Universidade Livre', onde professores e alunos dão palestras sobre seus assuntos favoritos no tempo livre. Claro, nós também saíamos só para jantar ou ensaiar peças para o grupo de teatro, e uma vez passamos muitas horas fazendo uma colagem gigante", conta Julie.

A universidade não é feita só de estudos, e compõe também uma rede de contatos importante para trilhar a carreira. A UTMN tem mais de 130 associações estudantis: clubes intelectuais, de debates, de discussões filosóficas, de design, de coreografia e de arte teatral etc.

A UTMN também é sede da Escola de Pesquisas Avançadas, liderada por Andrey Shcherbenok (doutor pela Universidade da Califórnia, em Berkeley), que convidou 45 professores de disciplinas socioculturais do mundo todo para criar um bacharelado em áreas modernas de humanas.

O professor Duskin Drum.

O corpo docente tem nomes como Duskin Drum, artista, ator e doutor em Estudos da Performance (também pela Universidade da Califórnia, em Berkeley) e o especialista em história do petróleo Jay Silverstein, que é antropólogo e arqueólogo (doutor pela Universidade da Pensilvânia), além de Anne Mulhall (doutora em Literatura Comparada pelo King's College, em Londres).

Os alunos podem tentar a sorte como locutores, publicar jornais e revistas de estudantis, envolver-se em ativismo ecológico ou aprender sobre marketing viral a la Kanye West – o qual, aliás, empresta seu nome a um workshop da universidade. E a UTMN financia os projetos estudantis mais promissores: somente entre 2012 e 2015, a universidade alocou mais de 38 milhões de rublos a alguns desses projetos.

5. Você conhecerá a verdadeira natureza selvagem da Rússia

Estudantes da UTMN em pesquisa de campo na natureza selvagem da Sibéria.

A Sibéria, um símbolo internacional do terrível frio russo, é muito mais diversificada do que a maior parte das pessoas imagina. Viver em Tiumên significa que você poderá fazer passeios próximos à natureza frequentemente.

Existem diversas fontes termais em volta da cidade. E, no inverno, seus amigos certamente o arrastarão para as pistas de esqui nos arredores.

"Você pode até mesmo se juntar ao clube de randonnee (esqui de alpinismo) e se aventurar em uma ‘expedição polar’ pelos montes Urais a 40 graus Celsius negativos", conta Julie. 

Além disto, a universidade organiza visitas guiadas regularmente às cidades históricas de Tobolsk (fundada em 1857) e de Ialutorovsk (fundada em 1659), que ficam nas redondezas e foram apelidadas de "joias da Sibéria".

Julie se sentiu tão inspirada pela natureza siberiana que começou a analisar como a região é percebida na França. O resultado foi o relatório "Percepção da Sibéria na cultura de massa da França contemporânea".

A própria cidade de Tiumên, de acordo com nossos entrevistados, cria uma impressão amigável. Julie gosta de ir a restaurantes e experimentar pratos desconhecidos, “especialmente cozinha georgiana e uzbeque”.

Tanto Daniel, como Julie falam sobre a atmosfera acolhedora do prédio antigo da universidade.

“Há flores frescas por todo lado, sofás e poltronas nos corredores, móveis de madeira e tetos altos. Os corredores cheiram a café e comida: é confortável e amigável”, diz Julie.

"Eu gosto da limpeza geral, das flores e plantas em todos os lugares ao redor da universidade e da maneira como fui recebido com calor em meu departamento", diz Daniel.

Faltou, então, a razão número seis: o verdadeiro calor siberiano!

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies