3 trabalhos de meio período para estudantes estrangeiros na Rússia

Descubra como fazer algo legal (no sentido jurídico, claro!) e rentável!

Descubra como fazer algo legal (no sentido jurídico, claro!) e rentável!

Legion Media
A vida na Rússia pode ser menos cara em comparação com outros destinos de estudo populares no exterior, mas morar ali ainda não é barato. Se você é um estudante universitário no país e quer saber como ganhar algum dinheiro extra, apesar de parecer não haver muito a fazer com o visto de estudante, não se desespere! O Russia Beyond compila as melhores dicas para encontrar um emprego de meio período no país.

Por que os estrangeiros têm limitações para trabalhar enquanto estudam?

De acordo com a lei russa, os estudantes universitários internacionais precisam de uma permissão especial para poder trabalhar legalmente no país. Esta permissão só é concedida a estudantes de carga integral em universidades estatais.

Portanto, se você estiver em intercâmbio ou se sua faculdade não for credenciada pelo Estado, desculpe, não há permissão para você.

Mesmo que você seja elegível a obter uma permissão, porém, este é um procedimento burocrático complicado e a permissão só autoriza que você trabalhe em uma área profissional especificada no documento - e apenas na região onde a universidade está localizada.

Se você está pensando em trabalhar sem a autorização, é melhor pensar duas vezes: se for pego, pode ser multado em até 5.000 rublos (R$ 300) e poderá até ser deportado.

Outra dificuldade comum encontrada por estudantes estrangeiros é a barreira da língua. Apesar de em grandes cidades como Moscou e São Petersburgo, onde a maioria dos estrangeiros escolhe estudar, existirem centenas de empresas internacionais que oferecem estágios, elas quase sempre exigem fluência em russo. Quanto a empregos de meio período no setor de serviços, o russo falado é obrigatório.

Eencontrar um emprego sendo estudante na Rússia pode parecer uma missão impossível. Mas nada é impossível neste país: você só tem que saber o que procurar.

Aqui estão algumas das melhores maneiras de ganhar um dinheirinho extra sem se meter em problemas com os serviços de imigração:

  1. Trabalhar na universidade

Uma exceção à regra “não trabalhar sem autorização” é trabalhando para a sua universidade. Você pode pensar que não há muito o que fazer se não fala russo, mas se a instituição oferecer cursos em inglês, há uma grande chance de eles também estarem contratando.

As ofertas de emprego universitárias mais populares são geralmente para professor-assistente ou pesquisador-assistente. Se você tiver experiência anterior como assistente e interesse particular em determinado curso, vale a pena entrar em contato com o professor com bastante antecedência e perguntar se ele não estaria buscando um assistente.

O trabalho consiste principalmente em ser um intermediário entre os alunos e o professor e ajudar a preparar os materiais para a aula. Você não receberá muito, mas ainda é uma maneira fácil e relativamente fácil de ganhar alguma merreca. Isto também cai muito bem no seu currículo.

2. Ensino de línguas

Se ficar para cima e para baixo com o professor não for a sua, outra maneira de transformar seu status de estudante estrangeiro em vantagem é ensinando uma língua estrangeira. Na Rússia, especialmente nas grandes cidades, há uma demanda constante por falantes nativos como professores particulares.

Este tipo de ensino informal geralmente é feito em várias horas de aulas na casa do aluno. Por isso, se sua língua nativa for uma daquelas línguas estrangeiras populares entre os russos - inglês, francês, alemão, espanhol ou italiano - há boas chances de encontrar algo.

Achou que o português não valeria nada? Pois saiba que pela “raridade” de se encontrarem falantes nativos, você poderá ter uma recompensa melhor que os professores das línguas anteriormente citadas.

A melhor parte de ser professor particular de línguas é que os russos estão dispostos a pagar bem para aprender a língua com um nativo. Dependendo de sua experiência anterior, do nível do aluno e, em alguns casos, da sorte, você pode receber até US$ 50 – ou mais - por hora acadêmica. Ah, e não esqueça que a hora acadêmica russa tem 45 minutos apenas.

Se você está se perguntando onde pode encontrar essa mina de ouro”, a resposta é simples: Facebook. Basta pesquisar palavras-chave como “aulas” e “professores nativos” e adicionar o nome da sua cidade ou o idioma que você deseja ensinar.

Você certamente encontrará mais de um grupo do Facebook onde poderá responder a ofertas ou postar seu próprio currículo e esperar que alguém entre em contato com você.

  1. Escritor freelancer

Finalmente, uma ideia para os mais literários: tornar-se um escritor freelancer. Embora você provavelmente não esteja autorizado a escrever para uma empresa sediada na Rússia, já que se consideraria que você trabalha na Rússia sem permissão, uma opção é fazer contribuições para revistas on-line, guias culturais ou jornais de seu próprio país.

A Rússia é um destino fascinante e definitivamente não falta material para inspirar viagens ou matérias de estilo de vida, mas não há muito sobre o país em sites estrangeiros, por isso você teria uma vantagem competitiva.

Que melhor maneira de praticar sua escrita e ganhar dinheiro enquanto trabalha seguindo sua própria grade horária? E tudo isso sem ter que sair da cama!

***

Quando se trata de trabalhos para estudantes, a Rússia está cheia de oportunidades, e você só precisa pesquisar um pouco mais para encontrá-los. Mas não se esqueça de que, entre todas as viagens, festas internacionais e trabalhos de meio período, você também deve ir às aulas de vez em quando.

Estuda ou vai estudar na Rússia? Então saiba o que te aguarda no alojamento estudantil - e como sobreviver a ele!

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies