Instituto de Física e Tecnologia de Moscou sobe 30 posições em ranking global

Programa federal têm contribuído para melhor desempenhos de universidades russas em rankings internacionais

Programa federal têm contribuído para melhor desempenhos de universidades russas em rankings internacionais

Mikhail Pochuyev/TASS
Duas instituições de ensino superior russas foram incluídas no top 100 de ciências físicas do mais recente ranking da revista britânica Times Higher Education (THE).

O Instituto de Física e Tecnologia de Moscou (MIPT, na sigla em inglês) saltou 30 posições desde o ano passado para assumir a 48ª colocação na categoria de ciências físicas do ranking da Times Higher Education.

Segundo os responsáveis pela instituição, a posição mais elevada do estabelecimento se deve à melhoria de ensino e pesquisa, e à maior perspectiva internacional.

“Com o Projeto 5-100 [programa estatal russo de apoio e fomento da competitividade mundial entre as universidades russas], criamos mais de 50 laboratórios desde 2014”, disse Vitáli Bagan, diretor de desenvolvimento do MIPT, ao Russia Beyond Brasil.

Ainda de acordo com Bagan, a universidade está conduzindo pesquisas em alguns dos mais avançados campos da ciência moderna, incluindo biofísica, criação de peças de computadores quânticas, além de comunicação e autonomia energética no Ártico.

O MIPT também alcançou o 42º lugar no quesito ciência físicas do último ranking da Quacquarelli Symonds, consultoria britânica para educação.

Além do MIPT, a Universidade Nacional de Pesquisa Nuclear (Mephi), também em Moscou, figura pela quinta vez consecutiva no top 100 da THE, embora tenha sofrido uma queda de cinco posições, para 89ª, em relação à lista do ano passado.

Atualmente, 20% dos alunos da Mephi são estrangeiros.

Nenhuma das universidades brasileiras consta entre os top 100 da THE na categoria de ciências físicas. Tanto a PUC-Rio quanto a USP obtiveram a melhor classificação do país nesse ranking específico e figuram na faixa entre as posições 301ª e 400ª.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies